Estudo revela danos de cibercrime

Laptops e celulares são os maiores alvos do cibercrime Foto: GettyImages

Laptops e celulares são os maiores alvos do cibercrime Foto: GettyImages

Estudo de empresa de segurança cibernética mostra que 819 crimes relacionados a roubo de informações foram registrados no ano passado.

A empresa de segurança cibernética Zecurion lançou um relatório que revela que foram cometidos 819 crimes relacionados ao roubo de informação no ano passado.

De acordo com a pesquisa, os crimes cometidos em 2011 causaram prejuízos que ultrapassam os US$ 20 bilhões, contra os 1.014 de 2010. A Rússia representa apenas 5% de perdas, o que representa US1 bilhão.

No país, a maior parte da informação roubada foi extraída de laptops e celulares (19,4%), serviços web (18,2%) e computadores de mesa (16,1%).

Apesar da queda nos números, os danos foram piores neste ano. Se em 2010 o prejuízo foi de US$ 3,8 bilhões, em 2011 esse número subiu para US$ 20,6 bilhões.

A diretora da empresa InfoWatch, Natália Kaspérskaia, é cética quanto aos números, mas acredita que realmente tenham crescido os danos causados por roubo de dados confidenciais na internet.

"É óbvio que os danos causados ​​pelo roubo de informações na internet estão crescendo. Na Rússia, os hackers perceberam o valor da informação e começaram a roubar mais informação de alta qualidade”, diz Kaspérskaia.

Já Elena Tol, diretora do departamento de marketing técnico da empresa ESET, diz que o roubo de informações confidenciais se generalizou e o número de informações perdidas decuplica todo ano.

"Segundo nossos dados, o volume de informações roubadas excede os números apresentados nesse estudo. Além disso, todos os dias o número de grupos que recebem benefício financeiro das atividades de cibercrime está aumentando", diz Tol.

No ano passado, a imagem de grandes empresas de telecomunicações russas foi afetada pela perda de dados. A MTS, uma das maiores empresas de telecomunicações do país, perdeu dados pessoais de 1,6 milhões de seus clientes em 2010.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.