Tecnologia promete acabar com o trote

Ao contrário dos detectores convencionais (foto), a nova tecnologia não pressupõe contato físico com pessoa avaliada  Foto: Getty Images

Ao contrário dos detectores convencionais (foto), a nova tecnologia não pressupõe contato físico com pessoa avaliada Foto: Getty Images

Cientistas da Universidade de Linguística de Nijni Novgorod, na porção ocidental da Rússia, inventaram um detector de mentiras de nova geração. A principal inovação do aparelho é que, ao funcionar por estímulos sonoros, o indivíduo nem precisa saber que está sendo avaliado.

“A peculiaridade do novo aparelho é o fato de funcionar por estímulos sonoros, sem contato com a pessoa analisada”, explica o diretor da faculdade de matemática e informática da Universidade de Linguística de Nijni Novgorod, Vladímir Savtchenko.

O modelo clássico de detector de mentira funciona através de sensores colocados no corpo do indivíduo. Uma vez que o procedimento causa nervosismo por si só, sua precisão é duvidosa.

Já o aparelho russo depende apenas de um computador e de um microfone. O programa computacional grava a fala da pessoa e gera imediatamente um diagrama, pelo qual o especialista pode ver se o avaliado está seguro de si.

Quando o diagrama fica na faixa verde, a pessoa está calma; quando vai além dela, indica nervosismo. Às vezes o interlocutor pode não deixar transparecer sua inquietação; o programa, no entanto, captura mudanças mínimas na voz.

Arma contra mentira

 

Os serviços de informação poderiam utilizar essa tecnologia para verificar, por exemplo, se terroristas estão blefando quando fazem ameaças por telefone.

O instrumento também pode atrair a atenção dos bancos, que gastam tempo e dinheiro na verificação do histórico de crédito do cliente.

“Estamos preparando ainda uma versão do programa para telefones celulares”, diz Dmítri Akatiev, professor da faculdade de matemática e informática da universidade.

“Atualmente, é comum ligarem para a casa de alguém e dizer que o filho ou irmão cometeu uma infração de trânsito e precisa de dinheiro para resolver o problema”, conta.

“Nesse caso, o sinal do programa pode informar se o interlocutor consegue dominar as emoções, e isso evitaria que o familiar caia no golpe.”

Texto originalmente publicado no site da Rossiskaia Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.