Exploradores revelam segredos do mundo subterrâneo de Moscou

O metrô sempre surpreende os visitantes que se deparam com ele.

O metrô sempre surpreende os visitantes que se deparam com ele.

Vadim Makhorov/SellYourPhoto

Existem inúmeras passagens e abrigos subterrâneos, cavernas, túneis e minas em Moscou. Exploradores urbanos estão tentando descobrir por que essas estruturas foram construídas, bem como desvendar os mistérios ocultos nessas galerias sombrias.

Os moradores da capital não faziam ideia do que se escondia (literalmente) sob seus pés. Quase todas as estruturas foram construídas para uso do governo. O mundo subterrâneo de Moscou combina o místico e o real, o oculto e o explícito, a descoberta e o desconhecido.

O ambiente está impregnado com um forte cheio de mofo.

Exploradores destemidos – mestres do subterrâneo – seguem o sistema de esgoto para acessar o mundo perdido.

O silêncio e a escuridão comandam, e os visitantes sentem-se em outra dimensão. Alguns caminhos não são percorridos por ninguém há décadas.

Os passos ecoam de maneira assustadora enquanto as lâmpadas tremem todas as vezes que o metrô passa por perto.

Os perigos do subterrâneo: buracos enormes entre as estruturas, cabos de energia e trilhos com alta voltagem – tirando os trens de verdade.

A maioria das instalações subterrâneas permanecem secretas até hoje e, logo, inacessíveis.

Os abrigos subterrâneos ainda são assombrados pelos fantasmas da ameaça nuclear e da Guerra Fria.

Os exploradores continuam sua busca por novas experiências, indo cada vez mais a fundo enquanto a sociedade permanece lá em cima.

Cerca de três mil pessoas percorrem as passagens subterrâneas como um hobby.

O maior desafio é evitar a polícia. Aqueles que são pegos nos caminhos subterrâneos recebem uma multa de 1.500 rublos, o equivalente a 50 dólares.

O metrô sempre surpreende os visitantes que se deparam com ele.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies