Líderes islâmicos sofrem ataque em Kazan

Depois da explosão, Faizov conseguiu andar até a ambulância, que o levou para o hospital. Foto: TASS

Depois da explosão, Faizov conseguiu andar até a ambulância, que o levou para o hospital. Foto: TASS

Segundo observadores, radicais muçulmanos seriam responsáveis pelo atentado ao mufti do Tatarstão e pela morte de seu vice. O Comitê de Investigação Criminal da Rússia abriu inquérito para apurar os incidentes.

O mufti (mais alto representante da religião islâmica) do Tatarstão, Ildus Faizov, sobreviveu a uma tentativa de homicídio em Kazan, nesta quinta-feira, 19, quando seu carro explodiu.

Faizov foi lançado para fora de sua Land Rover Cruiser e, em seguida, levado ao hospital. Uma fonte disse à agência de notícias “Interfax” que o incidente causou mortes, mas a polícia local negou a informação.

Depois da explosão, Faizov conseguiu andar até a ambulância, que o levou para o hospital.  Ele não corre risco de morte.

“Os vidros das janelas na rua estouraram com a explosão e o interior do carro onde estava Faizov ficou em chamas”, contou à agência “Ria Nóvosti” uma testemunha que não quis ser identificada.

Assassinato do vice

Uma hora antes, o vice de Faizov, Valiulla Iakupov, foi assassinado na porta de sua casa em Kazan por agressores não identificados. Iakupov foi baleado várias vezes enquanto seu motorista aguardava no carro.

Embora tenha conseguido alcançar o veículo, acabou morrendo devido aos ferimentos.

A polícia encontrou também seis granadas no local.

Os dois ataques poderiam estar conectados às vidas profissionais do mufti e de seu vice, declarou o porta-voz do Comitê de Investigação, Vladímir Markin, à agência “Ria Nóvosti”.

 

Luta contra o extremismo

 

Ambos os líderes eram conhecidos por lutar contra o extremismo.

“O assassinato de Valiulla Iakupov está diretamente ligado à sua vida profissional”, afirmou o chefe do Centro Volga para Estudos Regionais e Etno-religiosos, Rais Suleimanov, à agência de notícias “Tema Kazan”.

“Ele era um excelente representante do Islã tradicional e estava constantemente reprimindo os radicais muçulmanos, cujo número aumentou significativamente no Tatarstão.”

Uma fonte oficial não identificada concordou com a declaração.

“Iakupov era um defensor ferrenho da luta contra o o wahhabismo e sempre apoiou a proibição dessa prática em toda a Rússia, pois enxergava nela uma verdadeira ameaça ao Islã tradicional", disse ele.

Iakupov fundou a primeira editora russa de literatura islâmica, e escreveu uma série de livros sobre religião e história. Também influenciou o sistema educacional islâmico no Tatarstão.

Os ataques ocorreram um dia antes do início do Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

A polícia abriu inquérito criminal por assassinato e tentativa de homicídio, com pena de prisão perpétua, mas disse que era muito cedo para afirmar se o acidente se trata de um ataque terrorista, informou a Interfax.

 

Texto originalmente publicado no site The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.