Seca arrasa 1,5 mi de hectares de plantações

Além da seca, a safra foi atingida também por chuvas fortes e granizo, cujas precipitações atingiram o território de sete regiões. Foto: Andrêi Arkhipov / RIA Nóvosti

Além da seca, a safra foi atingida também por chuvas fortes e granizo, cujas precipitações atingiram o território de sete regiões. Foto: Andrêi Arkhipov / RIA Nóvosti

Estiagem prolongada em diversas regiões da Rússia deve provocar queda na safra de grãos e consequente aumento de preços.

 A seca, que neste ano atingiu ano várias regiões da Rússia, arruinou 1,5 milhão de hectares de plantações, segundo informação da assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura russo.

O fenômeno foi observado em 15 regiões, principalmente no sudoeste do país, nas áreas de Voronej, Volgograd, Saratov, Orenburg, Stavropol e na república do Daguestão.

Em muitas delas, a estiagem ainda continua. Foi decretada situação de emergência em 15 áreas da região de Saratov, em 11 áreas da república de Kalmíkia, em 15 áreas da região de Stavropol e em 7 áreas da região de Rostov. Mais cinco localidades devem entrar em regime de emergência se a onda de calor permanecer.

Além da seca, a safra foi atingida também por chuvas fortes e granizo, cujas precipitações atingiram o território de sete regiões (Lipetsk, Voronej, Inguchétia, Daguestão, Tchetchênia, Stavropol e Krasnodarsk).

O Ministério da Agricultura informou ainda que foram observados gafanhotos numa área total de 4,5 milhões de hectares dos campos russos. Outra praga perigosa, as mariposas, ocorreu em 2,4 milhões de hectares. A região de Orenburg foi a mais afetadas pelas pestes.

Antes, os EUA haviam decretado estado de calamidade em 26 estados por causa da forte seca deste ano.

A estiagem prolongada poderá gerar o aumento dos preços dos gêneros alimentícios em todo o mundo. Segundo o prognóstico do ministério, a safra total de grãos na Federação Russa neste ano será de 85 milhões de toneladas, em comparação aos 94,2 milhões no ano passado.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.