Baleias no mar de Okhotsk intrigam cientistas

Baleias migram para mar de Okhotsk, no noroeste do Oceano Pacífico Foto: Reuters

Baleias migram para mar de Okhotsk, no noroeste do Oceano Pacífico Foto: Reuters

Grupo da Academia de Ciências da Rússia (RAN na sigla em russo) e estudiosos estrangeiros estudará baleias cinzentas que migram todos os anos a essa região do Pacífico em busca de alimentos. Esses estudos são realizadas pelos cientistas da RAN desde 2002.

Na semana passada, um grupo de cientistas da Academia de Ciências da Rússia chegou à ilha Sakhalina, no mar de Okhotsk, para realizar um censo das baleias cinzentas que migram todos os anos a esse lugar em busca de alimentos. 

Neste ano, a equipe é composta por cientistas russos, norte-americanos e europeus, além de estudantes de biologia, que vão contar os animais e observar seu comportamento. 


“Para realizar o censo, tiramos fotos de animais de ângulos diferentes e depois comparamos as imagens com as fotos dos anos passados”, explica o representante da RAN. 

De acordo com estimativas anteriores, cada verão cerca de 120 a 140 baleias cinzentas chegam à região em busca de alimento.

Os dados obtidos pelos cientistas da RAN serão utilizados pelos especialistas de outras instituições de pesquisa internacionais, que ajudarão os russos com a marcação dos animais. 

Às vezes as baleias perdem suas marcações e não conseguem ser identificadas pelos satélites. “Entretanto, já recebemos informação que as baleias migram no inverno para a costa da Califórnia”, diz o organizador da expedição.


Ele acrescenta que a equipe estará na Sakhalina até a próxima migração de baleias, cujo início é normalmente em setembro. 

Incluídas na lista de animais com risco de extinção da Rússia, as baleias cinzentas vivem na parte norte do Pacífico. Sua população é divida em dois rebanhos, um migra entre o Mar do Japão e o Mar de Okhotsk e o outro entre a Califórnia e a Tchukotka. 


Esses animais viajam 16 mil quilômetros anualmente a uma velocidade de 10 quilômetros por hora.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.