AvtoVAZ avança na América Latina

Foto: lada-auto.ru

Foto: lada-auto.ru

A montadora de automóveis da Rússia, AvtoVAZ, que já estabeleceu contratos com os presidentes venezuelano Hugo Chávez e nicaraguense Daniel Ortega, quer aumentar sua presença na América Latina. Os carros Lada poderão circular nas ruas do Peru, Equador e Bolívia.

Na última quarta-feira, 27, a AvtoVAZ assinou um acordo de cooperação com a companhia peruana Automotive company SAC (filial da Autocraft Japan Ltd.). O documento prevê o início da venda de todos os modelos Lada nos mercados do Peru, Equador e Bolívia.

“As perspectivas para Lada nesses países são boas”, diz o presidente da Autocraft Japão, Saíd Hussein. “Mas é preciso trabalhar muito porque existem vários concorrentes e precisaremos do forte apoio da AvtoVAZ para entrar no mercado”, acrescenta.

“A Lada tem uma boa reputação, resistindo até mesmo a péssima qualidade das estradas russas”, comenta o gerente da Automotive Company SAC, Leon Revoredo.

Pelas condições do projeto piloto, apenas algumas centenas de carros serão enviados à região. Mas os representantes da empresa russa afirmam que num futuro próximo esse número pode alcançar a marca dos 10 mil.

A distribuição desses carros entre os países da América Latina vai depender da demanda nos mercados locais. Peru, Equador e Bolívia vão constituir apenas de 1 a 2% do total de exportações de modelos Lada.

Serviço local


A AvtoVAZ também planeja fornecer apoio técnico e consultivo na América Latina. A empresa peruana Automotive Company SAC comprará carros e peças da montadora russa para realizar serviços de garantia e pós-garantia na região.

Segundo os representantes da empresa peruana, isso é particularmente importante, porque lá ainda existem modelos antigo de Lada, como 2107, 2105 e Niva.

Os preços oficiais ainda não foram divulgados. Apenas o modelo de 1992, Lada Niva, já está à venda a US$ 5 mil.

Em 2010, segundo ordem do governo russo, a AvtoVAZ forneceu cerca de 2 mil carros Lada Kalina aos motoristas de táxi da Nicarágua.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.