‘Gigante brasileiro’ é promessa do vôlei russo

Vissotto recebeu apelido de “gigante brasileiro” por causa de seus 2,12m de altura Foto: Legion Media

Vissotto recebeu apelido de “gigante brasileiro” por causa de seus 2,12m de altura Foto: Legion Media

Jogador carioca Leandro Vissotto assina contrato com o Ural de Ufa e irá reforçar equipe da República de Basquíria na próxima temporada da Superliga de Vôlei da Rússia.

Um dos melhores jogadores de vôlei do mundo, Leandro Vissotto, também conhecido como gigante brasileiro, assinou um contrato para defender o Ural de Ufa durante os próximos dois anos.

 
A equipe, que já teve diversos problemas com jogadores estrangeiros demasiadamente jovens ou no fim da carreira, garante que seus torcedores podem ficar aliviados com a recente contratação.


“Ele é um dos melhores do mundo e tem grande experiência em torneios internacionais”, diz o italiano Angiolino Frigoni, técnico do Ural. 


Segundo o diretor de relações públicas da equipe russa, Maksím Nikérin, a dupla de atacantes formada pelo carioca com Andrêi Maksímov será uma das melhores do campeonato russo. “Vissotto tem boa atuação no bloqueio e ataque e vem melhorando no saque nos últimos anos”, comenta. 

O único problema, acredita o relações públicas do clube, será sua adaptação a um novo campeonato. “Mas para um jogador desse nível, esse processo não deve ser longo. Aliás, Vissotto gosta de se comunicar pelo Twitter, o que é bom para a imagem do clube e do próprio jogador”, completa. 


Vissotto diz estar honrado em participar de um dos campeonatos de vôlei mais dinâmicos do mundo. “Essa é uma decisão muito importante para minha carreira. Quero me fortalecer e farei o possível para que meu novo clube ganhe a medalha de ouro do campeonato da Rússia”, disse o gigante brasileiro em uma entrevista exclusiva à Gazeta Russa.  “Muitos veículos italianos reagiram negativamente à minha saída, dizendo que fui à Rússia por dinheiro. Quero acabar com esse mito”, arremata. 


Ao longo dos últimos anos, muitos jogadores de classe mundial já passaram pelo Ural, como Osmany Guantorena, Loïc de Kergret, Lloy Ball e Clayton Stanley. 


Saque de ouro


Ex-jogador do clube italiano Cuneo e da seleção brasileira, o atleta brasileiro de 29 anos está em sua forma física e pronto para desafiar as melhores equipes da Europa. 


Vissotto começou sua carreira em 1995 na equipe do Flamengo, quando tinha apenas 12 anos de idade. Depois 11 anos em diversos clubes brasileiros, mudou-se para a Itália para jogar na Série A da Liga Italiana de Voleibol Masculino, onde permaneceu até a temporada passada. 


Na Itália, Vissotto jogou pelo Trentino e Cuneo. Em seu histórico constam vitórias na Liga dos Campeões (2008/09) e no Mundial de Clubes (2009), assim como a medalha de prata no campeonato italiano de 2009/10.


A temporada de 2011/12 também foi frutífera. O clube pelo qual jogava, Cuneo, levou bronze no campeonato italiano, e Vissotto foi considerado o melhor da equipe e um dos cinco mais produtivos da liga italiana, com 530 pontos em 31 jogos – uma média de 17 pontos por jogo. 


No seleção brasileira, o desempenho de Vissotto tampouco foi contestado. Além de ter conquistado a Copa dos Campeões de Voleibol, foi bicampeão da Liga Mundial de Vôlei e campeão mundial em 2010. 


Para acessar o twitter de Vissotto, clique aqui 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.