Em memória do Mister Trololó

Eduard Khil Foto: TASS

Eduard Khil Foto: TASS

Um dos cantores mais famosos da União Soviética, Eduard Khil, faleceu na madrugada de segunda-feira (4) em São Petersburgo. O artista ficou mundialmente conhecido como "Mister Trololó" em 2010, após vídeo com letra de música censurada ter sido replicado em diversas redes sociais.

O cantor russo Eduard Khil, que faleceu nesta madrugada, estavam hospitalizado desde abril em consequência de um derrame.


Depois de longos anos de sucesso na época soviético seguidos de esquecimento completo, a glória mundial chegou de forma inesperada em 2010.


Embora a música original que surgiu na internet tenha sido composta em 1966, a versão sem letra que rodou pela rede foi produzida dez anos mais tarde. 

Biografia

Eduard Khil nasceu no dia 4 de setembro de 1934, em Smolensk, cidade próxima à fronteira com a Bielorrússia. Khil foi um dos cantores mais famosos da União Soviética e reconquistou sua popularidade em 2010, quando uma versão alegre, porém sem letra, da música “Eu estou feliz por finalmente voltar para casa” foi compartilhada nas redes sociais. Em homenagem ao cantor, uma das ruas do povoado de Raévski, onde passou sua infância, vai receber o nome de Khil.  


Reza a lenda que o conteúdo foi proibido por seu teor antissoviético, já que a canção original falava sobre caubóis americanos voltando para sua mulheres. 


O vídeo da música se tornou um fenômeno da internet no mundo inteiro e recebeu mais de 12 milhões de visitas no YouTube. 


Os fãs de Khil passaram a imitar o cantor, fazendo parodias, e criaram uma comunidade no Facebook, na qual entraram mais de 14 mil usuários. Foi então que Eduard Khil passou a ser chamado de “Mister Trololó”.


O próprio cantor foi um dos últimos a ter conhecimento da notícia pelo seu neto. "Foi o meu cartão-de-visita nos anos 60. Imagine que não cantei uma canção de ninar, uma marcha, mas sim uma melodia sem palavras de dois minutos e meio",  recordou com surpresa sobre a popularidade da canção interpretada quarenta anos antes.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.