Governante russo explica atraso em tecnologia bélica

Dmítri Rogózin Foto: Kommersant

Dmítri Rogózin Foto: Kommersant

O atraso da Rússia no desenvolvimento de armas hipersônicas é uma consequência dos erros cometidos pela liderança política do país nos finais dos anos 80. A declaração foi dada pelo vice-premiê interino, Dmítri Rogózin, durante um encontro com jornalistas na última sexta-feira,11.

O assunto entrou em pauta porque Dmítri Rogózin havia dito anteriormente que os Estados Unidos poderão construir entre 2015 e 2018 um míssil multifuncional em virtude das pesquisas efetuadas na área de tecnologias hipersônicas. A Rússia, por sua vez, veio a retomar os trabalhos relacionados a esse tipo de tecnologia somente em 2009.

“Pelo que sabemos, algumas decisões tomadas pela liderança política do país no final da década de 80 fizeram com que as pesquisas na área de tecnologia hipersônica tenham sido suspensas”, disse o governante.

Ainda de acordo com Rogózin, nessa mesma época a Rússia estava na frente dos EUA e de outros países, pois vinha realizando pesquisas nessa área desde dos anos 60. “Hoje, infelizmente, verificamos um grande atraso nesse domínio”, acrescentou.

Se a Rússia assimilar a tecnologia de voo atmosférico hipersônico (a uma velocidade cinco ou seis vezes superior à velocidade do som), conseguirá dar um importante salto no desenvolvimento de sua indústria aeroespacial, além de ganhar instrumento para construir armas completamente novas e eficientes. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.