Assange entrevista líder do Hezbollah

Julian Assange Foto: AP

Julian Assange Foto: AP

O australiano Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, entrevistou o chefe do movimento xiita libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, na estreia de seu programa “The World Tomorrow”, transmitido na última terça-feira (17) pelo canal de televisão a cabo Russia Today.

De acordo com Assange, a entrevista exibida pela emissora de financiamento estatal Russia Today é a primeira de Nasrallah no Ocidente desde 2006.

Mantido em prisão domiciliar no Reino Unido, o apresentador falou por videoconferência com Nasrallah que, segundo os produtores, estava em um local secreto no Líbano.

Nasrallah confirmou que o Hezbollah havia pedido à oposição síria para iniciar negociações com o regime de Bashar al-Assad, mas recebeu uma resposta negativa.

Segundo ele, o Hezbollah, empenhado em construir um estado islâmico no Líbano semelhante ao regime iraniano, apoiou todas as revoluções da Primavera Árabe, menos a síria, porque o regime de Assad apoiou sempre a oposição libanesa e nunca cooperou com os EUA ou Israel.

Margarita Simonian, diretora do Russia Today, postou em seu Twitter que o próprio Assange decidiu quem seria o primeiro convidado do programa.

“Não vou me surpreender se após a estreia do programa as forças reacionárias desejarem não só deixar Assange apodrecendo na prisão, mas também acabar com nosso programa”, disse.

Em uma declaração publicada no site oficial, a emissora disse que, meia hora antes do início da atração, seu título “The World Tomorrow”, bem como as palavras Hassan Nasrallah, Hezbollah e a Assange, tornaram-se uma febre no Twitter.

O ciclo de Julian Assange consiste em 10 programas de 26 minutos que serão transmitidos semanalmente no canal Russia Today. Os futuros convidados, na opinião de Assange, “irão formar a agenda do dia de amanhã”.

As entrevistas foram gravadas em Londres, onde o criador do WikiLeaks é mantido em prisão domiciliar desde dezembro de 2010. Acusado de estupro na Suécia, Assange está à espera de uma decisão do tribunal britânico sobre sua extradição.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.