Rússia se prepara para a Páscoa

Cerimônia especial de celebração de Páscoa Foto: RIA Nóvosti

Cerimônia especial de celebração de Páscoa Foto: RIA Nóvosti

Diferente do mundo cristão ocidental, a Igreja Ortodoxa Russa irá celebrar a ressurreição de Cristo neste domingo. Os preparativos para a data seguem certos costumes – alguns religiosos, mas sobretudo aqueles ligados às tradições populares.

Enquanto o Natal é o maior feriado no Ocidente, celebrado tanto por fiéis quanto não religiosos, a tradição Ortodoxa Russa considera a Páscoa o principal evento do ano litúrgico.

De acordo com uma pesquisa de 2003 realizada pela Fundação de Opinião Pública, trata-se do o feriado religioso mais importante do país e o terceira data mais esperada na Rússia de um modo em geral, depois do Ano Novo e aniversários.

Na verdade, para a grande maioria dos russos, celebrar a Páscoa não é só uma questão de fé como também parte da identidade nacional. Preparar-se para a data exige o cumprimento de certos costumes – muitos dos quais religiosos, mas sobretudo aqueles ligados às tradições populares.

É costume limpar a casa inteira na quinta-feira anterior ao Domingo de Páscoa. Na “quinta-feira da limpeza”, como é conhecida, todo mundo organiza seus lares, mesmo aqueles que o fazem apenas uma vez por ano.

Na manhã seguinte, muitas casas são tomadas pelo cheiro de massa fresca, descansando desde cedo para crescer até que a noite chegue e vá ao forno. A massa é para o kulitch – bolo alto e cilíndrico típico da Páscoa.

Outra tradição é tingir ovos. Muitas pessoas ainda acumulam cascas de cebola para o longo processo antes da primeira lua cheia na primavera, que, juntamente com alguns outros fatores, determina a data da Páscoa Ortodoxa todos anos.

Elas podem não saber por que os russos pintam ovos para a ocasião, mas sabem exatamente quantas cascas são necessárias e quanto tempo ferver os ovos para atingir o tom certo de vermelho.

Os resultados de uma pesquisa pública sobre as celebrações de Páscoa conduzidas pelo Centro Levada em 2006 se parece mais com um análise de marketing para fábricas de produção de ovos do que um estudo sobre costumes religiosos.

A pesquisa revelou que 85% dos russos celebrariam a data colorindo ovos e assando kulitch. Um total de 53 milhões de ovos são geralmente vendidos na capital russa uma semana antes da Páscoa, e cerca de 650 a 700 toneladas de kulitch são produzidos em confeitarias moscovitas, de acordo com informações do Departamento de Serviços e Marketing do Consumidor.

Segundo a tradição cristã, o ovo é símbolo de uma nova vida, e deve ser vermelho porque esta é a cor do sangue que Cristo derramou para livrar os humanos dos pecados do mundo. Os ovos de Páscoa e kulitch são levados para a igreja no sábado de manhã para serem benzidos.

Toda essa produção representa um desafio, uma vez que não é permitido provar a comida durante o preparo. A Quaresma, período de 40 dias de jejum antes da Páscoa, durante o qual ortodoxos devotos renunciam o consumo de açúcar, carne e produtos lácteos, só termina no domingo de manhã depois da missa de Páscoa.

O jejum de Quaresma é uma tradição religiosa seguida por menos pessoas que o costume popular de tingir ovos de Páscoa.

Dentre os 71% que se dizem cristãos ortodoxos, apenas 2% respeitam estritamente a Quaresma, 20%, “mais ou menos”, e os outros 78% simplesmente ignoram a tradição, segundo a pesquisa do Centro Levada. Comparecer à missa especial de Páscoa para celebrar a ressurreição de Cristo também não é uma prática muito popular.

Menos de 300 mil moscovitas visitaram as igrejas da capital russa no domingo de Páscoa em 2011. Para uma cidade com população de mais de 10 milhões de habitantes, esse número não é muito expressivo. 

A missa de Páscoa acaba por volta das 3 da manhã, quando o sacerdote finalmente proclama: “Khristos voskrese!” (O Senhor ressuscitou!). E a multidão responde em uma só voz por três vezes: “Voistinu voskrese!” (Ele realmente ressuscitou!). É o momento mais alegre do ano para a Igreja Ortodoxa. Então não é de se admirar que as pessoas se cumprimentem com beijos.

Por fim, alguns ovos e kulitch são consumidos, já que os primeiros alimentos ingeridos após o jejum devem ser sagrados.

O verdadeiro banquete começa com uma mesa cheia de comidas no domingo. Embora os alimentos variem, todas as mesas de Páscoa russas têm paskha, uma sobremesa tradicional feita de coalhada em forma de pirâmide, e kulitch.

Aqueles que estavam em jejum há um bom tempo podem agora comer à vontade e, obviamente, serão acompanhados por aqueles que não estavam em jejum e também comerão o quanto quiserem. As crianças da família ficam rolando os ovos de Páscoa pela mesa, batendo um contra o outro para encontrar o mais resistente. Ninguém critica esse comportamento e os adultos podem, inclusive, se juntar à brincadeira. Todo mundo se sente criança no domingo de Páscoa.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.