Pútin pede fim de “batalhas políticas”

Foto: government.ru

Foto: government.ru

O presidente eleito Vladímir Pútin pediu nesta quarta-feira (11) o retorno de uma unidade política na Rússia em um discurso na Duma de Estado marcado por protestos e abandono dos líderes da oposição.

Em seu último discurso no parlamento como primeiro-ministro, Pútin pediu a ajuda da cada vez mais expressiva oposição para construir um forte futuro econômico e político para a Rússia.

“O país passou por um período de tensão nas eleições parlamentares e presidenciais. E os ecos dessas batalhas políticas podem ser ouvidos até hoje”, disse Pútin ao deputados da Duma, em uma fala que durou uma hora e meia e rendeu-lhe aplausos de pé.

“Mas, pela lógica de uma democracia consolidada, as eleições terminam e então começam os trabalhos conjuntos. Somos uma única Rússia, e o desenvolvimento moderno e avançado deve ser o objetivo que une todas as forças políticas do país que nós queremos construir”, acrescentou.

No entanto, um modesto protesto realizado na frente da Duma (câmara dos deputados na Rússia) na manhã desta quarta-feira e o abandono de membros do partido da oposição Rússia Justa no meio do discurso realçaram as dificuldades enfrentadas por Pútin.

A manifestação aconteceu em resposta ao fato do primeiro-ministro ter sugerido que um candidato pelo partido Rússia Justa em greve de fome na cidade de Ástrakhan, no sudoeste da Rússia, deveria ter levado sua denúncia sobre a fraude nas eleições às autoridades locais em vez de tomar tal atitude. 

Oleg Chein não se alimenta há quase um mês em protesto contra a vitória do candidato do Rússia Unida nas eleições supostamente fraudulentas para a prefeitura da cidade. A iniciativa atraiu grande atenção da mídia nos últimos dias, e diversos líderes da oposição juntaram-se a ele em Ástrakhan para apoiar a causa.

“Pelo que eu saiba, seu colega começou a greve de fome, mas não recorreu ao tribunal. É um pouco estranho. Por que iniciar uma greve de fome? “, disse Pútin em resposta à pergunta de uma deputada do Rússia Justa.

O clima de tensão já era alto durante o pronunciamento, pois a polícia havia prendido o líder da oposição Serguêi Udaltsov e outros manifestantes no lado de fora da Duma enquanto tentavam organizar um protesto anti-Pútin.

Grande parte do discurso de Pútin foi direcionado aos planos para a economia durante seu mandato presidencial de seis anos, que terá início após a cerimonia de posse no dia 7 de maio.

De acordo com ele, as prioridades do governo durante seu mandato estarão concentradas em cinco aspectos principais: melhoria do clima de negócios, desenvolvimento do Extremo Oriente russo, criação de empregos, medidas para reverter o declínio demográfico e o reforço dos laços com outros países da Ásia Central.

Dentre suas políticas estão ainda praticamente dobrar a média salarial até 2020 e a provisão de salários mensais para famílias com mais de três filhos.

Pútin também elogiou a força da economia russa, devido aos baixos níveis de dívida e inflação, e pediu propostas para acelerar o processo de melhoria do clima de negócios no país.

“Não seremos capazes de resolver os problemas econômicos ou sociais sem antes lidarmos com essa questão”, afirmou.

O presidente eleito pediu ao governo para “refletir sobre” a possibilidade de investir capital dos seus US$87 bilhões do Fundo de Bem-Estar Nacional no desenvolvimento da Sibéria oriental e do Extremo Oriente russo, bem como em demais projetos estratégicos.

Este é o maior dos dois fundos de riqueza soberana da Rússia e tem sido usado para financiar as pensões nacionais e comprar ações de empresas do Estado.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.