Manipulação de imagem de Patriarca Kirill gera escândalo na internet

Foto original foi publicada pelo site da Igreja na quinta-feira (5) Foto: p2.patriarchia.ru

Foto original foi publicada pelo site da Igreja na quinta-feira (5) Foto: p2.patriarchia.ru

Apesar de uma grande manga de camisa negra cobrir o braço do religioso durante um encontro com o ministro da Justiça da Federação Russa Aleksandr Konovalov, o reflexo de seu relógio de 30 mil dólares na mesa não foi apagado. A foto, publicada em 2009 no site da Igreja, foi descoberta apenas na última quinta-feira (5), por internautas.

Depois de afirmar na última semana estar sob ataque por “forças antirrussas” não especificadas, a Igreja Ortodoxa Russa agora enfrenta um escândalo que tomou proporções internacionais.

A instituição voltou às manchetes devido à descoberta por internautas de uma foto do Patriarca Kirill, o líder supremo da Igreja, em que seu relógio da marca Breguet, avaliado em 30 mil dólares, foi apagado por meio de programas de manipulação de imagens por computador.

Apesar de uma grande manga de camisa negra cobrir o braço do religioso durante um encontro com o ministro da Justiça da Federação Russa Aleksandr Konovalov, o reflexo do relógio na mesa não foi apagado.

“Não tem nada de errado nisso. Alguém deu ao patriarca um bom relógio...”, disse durante uma mesa redonda na rádio Echo Moskvi o arcipreste Vsevolod Chaplin, chefe da divisão dos sínodos para relações entre a Igreja e a sociedade.

“Olhe só que coisa, sempre colocaram as coisas mais caras para enfeitar as igrejas e para que as vestimentas dos padres fossem dignas, para que os instrumentos do dia a dia fossem dignos. E não vejo nada de errado nisso”, completou.

A publicação data de 3 de julho de 2009, mas ganhou popularidade só na última quarta-feira (4), quando foi descoberta por blogueiros proeminentes, que passaram a divulgar o material, e uma série de cartuns sobre o tema passaram a circular na rede.

Certo x errado

Pouco antes da descoberta da imagem alterada no site, o patriarca disse, em entrevista ao jornalista russo Vladímir Soloviov, que nunca havia usado o relógio Breguet que lhe foi presenteado.

“Sim, muitos me presenteiam, e inclusive relógios. Rejeitar quem me presenteia não é ético. Mas usá-los eu também não uso”, disse o patriarca.

“Eu também não vejo problema nisso. O que nos incomoda não é que tenham trazido à tona o relógio, mas sim a provação que isso foi: ‘olhe, eu não tinha mesmo nenhum relógio’”, disse em resposta a Chaplin o comentarista da Echo Moskvi Iúri Kobaladze.

“Eu considero que uma pessoa que é chefe de tal organização deveria se comportar de maneira diferente, e chefiar com outros valores. Nesse caso, ele se tornou um servidor público, no pior sentido da palavra. É muito ofensivo que tal pessoa chefie nossa Igreja, e isso joga a Igreja Ortodoxa Russa na penumbra”, disse à Gazeta Russa a programadora Anna Shtanova, 26, que é ortodoxa não praticante.

Na última quinta-feira (5), a foto original do patriarca com o relógio à mostra foi publicada no lugar da alterada. Além disso, segundo a agência de notícias Interfax, a assessoria de imprensa do site desculpou-se pelo acontecimento, afirmando que a alteração foi feita por um amador.

“Nossas regras de ética foram violadas de maneira grosseira, e essa questão será resolvida minuciosamente e os culpados serão duramente punidos”, informaram os representantes do patriarca.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.