Medvedev se reúne com líderes da oposição

Foto: Reuters

Foto: Reuters

Reunião foi passo importante para o diálogo político, mas não trouxe iniciativas concretas.

Na última segunda-feira (20), o presidente Dmítri Medvedev se reuniu com os líderes da oposição russa. No início do encontro, o presidente disse que o tempo de mudanças chegou e que o atual sistema político da Rússia está longe do ideal. Para mudá-lo, Medvedev disse que é “desejável contar com noções gerais”, definindo o encontro como uma discussão sobre o futuro sistema político russo, tendo em vista as leis que já deram entrada na Duma de Estado (câmara dos deputados do parlamento russo). Medvedev salientou estar aguardando dos participantes da reunião “palavras de apoio” para suas mais recentes iniciativas políticas.

Segundo o ex-ministro da Fazenda russo, Alexêi Kúdrin, Medvedev não conseguiu, até agora, um compromisso nem um diálogo com os líderes da oposição. “O diálogo ainda não aconteceu”, escreveu Kúdrin no Twitter.

Na reunião com o presidente estiveram presentes os co-presidentes do Partido da Liberdade do Povo “Pela Rússia livre de arbitrariedades e corrupção” (PARNAS), Borís Nemtsóv e Vladímir Rizhkov, o presidente da “União Popular Russa”, Serguêi Babúrin, o presidente do Conselho Federal do “Partido da Causa”, Konstantín Bábkin, o líder do Partido Ambiental “Os Verdes”, Anatóli Panfilov, o presidente do “Partido da Renascença da Rússia”, Gennadi Seleznev, o coordenador da “Frente de Esquerda”, Serguêi  Udaltsóv, o co-presidente do partido “Pela Nossa Pátria”, Mikhail Lérmontov, o presidente da Mesa do Partido “Rumo à Verdade e Unidade”, Yúri Moskalev, e o presidente do “Partido Popular “Pelas Mulheres da Rússia”, Galina Khavraeva. 

Mesmo assim, seu encontro com líderes dos partidos oposicionistas já é em si um resultado positivo.

Por sua vez, os líderes de oposição expressaram ao presidente suas principais reivindicações e falaram da reforma do sistema político em curso no país. Em geral, eles avaliaram positivamente a reunião com o chefe de Estado e constataram a disponibilidade das autoridades para um diálogo com a sociedade. Ao mesmo tempo, se manifestaram decepcionados ao ver que algumas de suas propostas, como o adiamento das eleições presidenciais ou realização de novas eleições parlamentares, não tiveram o apoio do presidente.

Segundo o coordenador da “Frente de Esquerda”, Serguêi Udaltsov, a reunião com o presidente não trouxe nada de novo. Ao mesmo tempo, o político considera que um “diálogo tardio é melhor do que a falta de diálogo”. “Uma paz ruim é melhor do que uma guerra boa. Isso começou tarde, o trem já partiu em relação a muitos aspectos. Daqui a duas semanas, teremos as eleições presidenciais. De modo geral, avalio positivamente a reunião”, disse Udaltsov, acrescentando que a oposição não recebeu nenhuma garantia de Medvedev.

O líder do “Partido da Causa”, Konstantin Bábkin, considerou que a reunião com Medvedev foi franca e construtiva e se disse satisfeito ao verificar que o presidente está disposto a levar a reforma até o fim. Segundo Bábkin, o presidente pretende fazer com que todos os projetos de lei relativos às eleições para deputado e governador e ao registro dos partidos sejam aprovados. Por outro lado, o político ficou decepcionado por não ouvir do presidente nada de concreto sobre a formação de blocos eleitorais.

Os líderes da oposição entregaram a Medvedev uma lista de presos políticos e uma relação de reivindicações formuladas pelos participantes nas manifestações contra as recentes eleições parlamentares. O presidente prometeu tomar em consideração sua opinião e examinar suas propostas na próxima semana.

“Não posso dizer que Medvedev se reuniu com a oposição de verdade. Lá estiveram os líderes dos partidos que acabariam sendo registrados e que, em sua maioria, são absolutamente leais a Medvedev e a Pútin. Estamos assistindo a um espetáculo”,Mikhail Túlski, presidente do centro de pesquisa Análise Política.

Parao cientista políticoVladímir Slatinov, “a reunião teve por objetivo pacificar os participantes dos protestos na praça Bolótonaia e prevenir manifestações de centenas de milhares de pessoas após as eleições presidenciais”.

Já o jornalistaVladímir Pózner  acredita que a reunião é um bom sinal. “Do ponto de vista da democratização, é positivo que os líderes da oposição tenham aceitado se encontrar com o presidente. Se eles tivessem se recusado, teriam cometido um grande erro.”

Na semana passada, o presidente Dmítri Medvedev teve uma reunião com representantes dos sete partidos registrados em que propôs criar um grupo de trabalho, chefiado pelo primeiro vice-chefe do Gabinete da Presidência, Viacheslav Volódin, para elaborar emendas aos projetos de lei sobre a reforma política apresentados ao exame da Duma de Estado. Segundo Udaltsóv, o grupo irá integrar também representantes da oposição. A primeira reunião está prevista para 22 de fevereiro. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.