Rússia deve substituir os Estados Unidos no projeto espacial europeu ExoMars

Projeto espacial europeu ExoMars Ilustração: ESA

Projeto espacial europeu ExoMars Ilustração: ESA

A Nasa (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos EUA) pretende se retirar definitivamente do projeto marciano ExoMars do qual participa com a Europa para dar lugar à Rússia, informou a BBC.

A Nasa (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos EUA) pretende se retirar definitivamente do projeto marciano ExoMars do qual participa com a Europa para dar lugar à Rússia, informou a BBC.

Enquanto isso, uma fonte do setor espacial da Rússia disse, em declarações à agência Ria-Nóvosti, que as negociações entre a Agência Espacial da Rússia (Roskosmos) e a Agência Espacial Européia (ESA, na sigla em inglês) estão em bom andamento, e que já foi elaborada uma proposta de acordo que será apresentada em breve para a aprovação de seus respectivos governos.

Leia mais:

- Rússia repetirá projeto espacial Fobos se não chegar a acordo com agência europeia

Inicialmente, o projeto conjunto da ESA e da Nasa, batizado de ExoMars, previa o lançamento em 2016 de uma sonda orbital para a exploração de Marte e o desembarque de um módulo de pesquisa e, em 2018, o envio de um carro marciano. No entanto, a Nasa reduziu sua participação no projeto, alegando problemas financeiros, e se recusou a fornecer o veículo Atlas para o lançamento da sonda. Segundo fontes próximas à Nasa, essa decisão foi tomada devido ao aumento dos gastos com o telescópio espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês), destinado a substituir o Hubble.

Há algum tempo, a Roskosmos se manifestou disposta a oferecer à ESA um foguete-transportador pesado da classe Proton para lançar a ExoMars, dizendo, contudo, que não quer que sua participação no projeto se limite às funções de “taxi espacial” e espera ter participação plena nos trabalhos  científicos da missão.

Segundo a BBC, a Nasa poderá anunciar formalmente sua saída do projeto após o exame da proposta de orçamento do país para 2013, que deverá ser apresentada pelo presidente Obama em 13 de fevereiro.

“Os americanos dão a entender que a possibilidade de sua participação no projeto é agora muito reduzida. Eles estão interessados nesse projeto e cientes de que é uma oportunidade muito boa para eles, mas têm dificuldades em inserir essas missões no orçamento”, diz Alvaro Gimenez, diretor de ciência da ESA.


“Temos que esperar até que os americanos digam alguma coisa concreta. Mas devemos também estudar as alternativas possíveis”, completou.

As negociações entre a Nasa, a ESA e a Roskosmos sobre a eventual distribuição das participações no projeto ExoMars tiveram início em dezembro passado, em Paris. A Rússia prometeu oferecer seu veículo lançador Proton na condição de que os cientistas russos poderiam colocar a bordo da sonda seus equipamentos e seriam totalmente integrados às equipes existentes.

Segundo uma  fonte citada pela Ria-Nóvosti, no final de dezembro a Nasa se retirou das negociações, que agora são mantidas em nível bilateral. “Os americanos ainda não anunciaram oficialmente sua saída do projeto. Possivelmente, vão fazê-lo nesta semana ou na semana que vem”, disse a fonte.

Enquanto isso, as negociações entre a Roskosmos e a ESA estão em bom andamento. “O lado técnico das negociações acabou. Apesar das dificuldades, a ESA e a Roskosmos conseguiram encontrar uma opção que é do agrado de ambas as partes e leva a um acordo”, afirmou a fonte entrevistada pela agência.

Anteriormente, os europeus haviam afirmado que as negociações deveriam ser concluídas até agosto de 2012 para que a sonda seja lançada em 2016.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.