Rússia rejeita importação de carne europeia

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

A Rússia decretou um embargo temporário à importação de bovinos vivos provenientes da Alemanha, Países Baixos, Bélgica e França, países atingidos por uma doença do gado causada pelo vírus Schmallenberg. O anúncio do embargo foi feito pela agência RIA-Nóvosti, citando o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor).

A Rússia decretou um embargo temporário à importação de bovinos vivos provenientes da Alemanha, Países Baixos, Bélgica e França, países atingidos por uma doença do gado causada pelo vírus Schmallenberg. O anúncio do embargo foi feito pela agência RIA-Nóvosti, citando o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor).

A vigilância veterinária russa embargou também a importação de ovinos e caprinos vivos originários da França e do material genético obtido desses animais. Os embargos começaram no dia 1º de fevereiro.

Desde 17 de janeiro a vigilância veterinária russa decretou o embargo à importação de carnes ovina e caprina e seus derivados provenientes da Alemanha, Países Baixos e Bélgica. A medida surgiu na seqüência da descoberta de uma nova doença de animais na União Européia causada pelo vírus Schmallenberg.

Supõe-se que o vírus Schmallenberg (que leva o nome da cidade onde foi descoberto pela primeira vez) é transportado por insetos. Em animais adultos, a infeção se manifesta com febre, diminuição na produção de leite e outros sintomas. Os descendentes de animais infectados nascem com deformidades e morrem ainda muito novos. Especialistas apontam enormes prejuízos financeiros decorrentes da propagação da nova doença. Estudos realizados pelo Instituto Holandês de Saúde e Meio Ambiente e pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças não descartam a hipótese de infecção do homem pelo vírus, mas consideram-na pouco provável.

Preocupado com surtos maciços da doença em cinco países da Europa (Holanda, Bélgica, Alemanha, França e Reino Unido), o Rosselkhoznadzor se reuniu com representantes da União Europeia, segundo um comunicado da vigilância veterinária russa divulgado em 31 de janeiro.

O Rosselkhoznadzor ofereceu à União Europeia a ajuda de virologistas russos para realizar pesquisas conjuntas sobre a biologia do novo vírus e elaborar um sistema de medidas eficazes para o diagnóstico e combate à doença por ele causada.

“Apesar da gravidade da doença, que já atingiu cinco países da União Europeia, e da falta de conhecimentos sobre a biologia do novo vírus e riscos  epidêmicos, a União Europeia não tomou providências para limitar a  circulação de animais provenientes das regiões afetadas pela doença”, afirma o Rosselkhoznadzor.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.