Maior banco da Rússia irá incorporar marca de serviços financeiros criada por americanos

Emblema do Sberbank, maior banco da Rússia Foto: TASS

Emblema do Sberbank, maior banco da Rússia Foto: TASS

O fim da marca de serviços financeiros Troika, fundada por dois norte-americanos e um armênio no início dos anos 90, foi apontado como uma das maiores negociações de Moscou, depois que o gigante estatal Sberbank, maior banco da Rússia, anunciou o fim do processo de fusão entre as duas empresas.

O fim da marca de serviços financeiros Troika, fundada por dois norte-americanos e um armênio no início dos anos 90, foi apontado nesta segunda-feira (23) como uma das maiores negociações de Moscou, depois que o gigante estatal Sberbank, maior banco da Rússia, anunciou o fim do processo de fusão entre as duas empresas.

Dez meses depois de assinarem o acordo no valor de US$ 1 bilhão, ambas as partes disseram que o Troika Dialog será englobado pelo braço de investimento corporativo do Sberbank, ou CIB, segmento sob comando do diretor de negócios corporativos da empresa, Andrêi Donskikh.

A aquisição do Troika Dialog pelo Sberbank deu à maior instituição de crédito do país um impulso nos esforços de conquistar espaço no setor de bancos de investimento. Mas outros analistas têm lamentado o fim de uma antiga marca com reputação internacional.

“O Troika representou uma Rússia empreendedora e uma voz agressiva nos mercados financeiros, e infelizmente não existirá mais”, disse Bernie Sucher, um dos três homens por trás da rápida ascensão do Troika na década de 90 e agora membro do conselho na Aton.

Os outros dois homens foram Peter Derby, que fundou o Dialog Bank em 1989, e Ruben Vardanian, nascido em Ierevan e formado pela Universidade Estatal de Moscou. Embora Derby tenha deixado o Troika Dialog em 1997 e Sucher em 2002, Vardanian permaneceu na corporação como executivo-chefe e continuará num papel de liderança no Sberbank.

“A marca Troika Dialog não continuará sendo um nome usado nos negócios de investimento”, disse Vardanian 43, em uma entrevista publicada no jornal Vedomosti nesta segunda-feira. “Se quisermos desenvolver os serviços oferecidos pelo grupo Sberbank, o certo é assumirmos o nome desta empresa”.

A divisão CIB do Sberbank será coliderada por Vardanian e Aleksandr Bazarov, executivo do Sberbank. O departamento de gestão de patrimônio do Sberbank, que irá vender produtos de investimento a clientes particulares e inclui a gestão de ativos e private banking, ficará sob o comando de Vardanian e de Bella Zlatkis, outra executiva da corporação.

Sucher disse que começou a se envolver no Troika Dialog após encontrar Vardanian em 1993. “Para tantas pessoas nos anos 90, [o Troika Dialog] era simplesmente uma ilha de estabilidade e esperança num mar de caos”, disse. “A ideia era tentar construir uma empresa normal em um país normal.”

A conclusão do processo de aquisição do Troika Dialog é o passo fundamental para concretizar a visão do presidente executivo do Sberbank, German Gref, para o futuro do ex-banco de poupança da União Soviética. “Nossa empresa está atingindo um novo patamar”, declarou na segunda.

A absorção do Troika Dialog pelo Sberbank representa outra confirmação do crescente poder dos bancos estatais no mercado russo.

“Esse fato demonstra a nacionalização do setor financeiro russo, que era quase integralmente controlado por estrangeiros nos anos 90”, disse Eric Kraus, um gestor de fundos de cobertura baseado em Moscou, ao jornal The Moscow Times.

“O governo vem estimulando a criação de dois pólos gigantes no setor bancário, VTB e Sberbank, para tomar os negócios de volta das mãos das instituições ocidentais”, afirmou. “O Troika era amplamente visto como uma instituição muito ocidental.”

Kraus acrescentou que enquanto os grandes bancos de investimento estrangeiros mantivessem sua participação nos grandes acordos, as operações intermediárias russas, incluindo o Renaissance Capital, Otkritie e Aton, continuariam a ser espremidas. 

Vladímir Savov, chefe de pesquisa de títulos no Otkritie, disse que a consolidação estava em andamento no setor financeiro da Rússia. “O Sberbank quer transmitir a mensagem de que é uma única instituição oferecendo toda uma gama de serviços bancários.”

Gref vem defendendo o Sberbank, banco em que o governo detém 60,3% de participação, das acusações de que se aproveita injustamente de sua posição privilegiada. “É sempre assim: o sucesso é explicado pelas circunstâncias, e o fracasso, por falhas pessoais”, comentou ao jornal Kommersant. “O sucesso é [na verdade] criado pelas pessoas – não por marcas ou por sua proximidade com o Estado.”

O Sberbank confirmou nesta segunda-feira que tinha iniciado uma série intensiva de reuniões com investidores em Londres, Nova York e Boston. Analistas afirmaram que tais viagens foram projetadas para promover o banco frente a uma esperada privatização de 7,6% no fim deste ano.

Apesar do constante fluxo de demissões do Troika Dialog desde o anúncio da aquisição, Vardanian também defendeu o acordo que, segundo ele, tem criado oportunidades significativas para a mais antiga companhia de investimentos de Moscou.

Originalmente publicado no site The Moscow Times  

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.