Apenas um político independente é registrado

Prókhorov mostra documento de registro expedido pela comissão eleitoral Foto: RIA Nóvosti

Prókhorov mostra documento de registro expedido pela comissão eleitoral Foto: RIA Nóvosti

Comissão Eleitoral Central da Rússia registra bilionário Mikhail Prókhorov como o quinto e último candidato às eleições de 4 de março e elimina outros três políticos que já estavam fora das cotas parlamentares.

A CEC (Comissão Eleitoral Central da Rússia) anunciou na última quarta-feira (25) sua decisão final de que Mikhail Prókhorov é o único candidato independente a obter o registro necessário para concorrer à presidência russa nas eleições do dia 4 de março.

Prókhorov foi o único candidato independente a ter reconhecida pela CEC sua lista de assinaturas de partidários. 

"A lei que exige dois milhões de assinaturas é uma medida de repressão política. É quase impossível fazê-lo sem violações", disse à Gazeta Russa o analista político Dmítri Babitch.

Além de Prókhorov, as próximas eleições presidenciais contarão com apenas quatro outros candidatos: Vladímir Pútin (Rússia Unida), Guennádi Ziuganov (Partido Comunista), Vladímir Jirinóvski (Partido Liberal), Serguêi Mironov (Partido Social Democrata).

Seguindo cotas parlamentares, os candidatos, que são membros de partidos representados na Duma, não precisaram entregar os dois milhões de assinaturas de partidários que foram requeridos aos independentes para participação na corrida presidencial.

Svetlana Peunova, líder do partido não registrado Vontade, não conseguiu completar a coletar do mínimo de assinaturas exigido.


Dmítri Mézentsev, governador da província de Irkutsk foi eliminado das eleições devido à alta porcentagem de assinaturas consideradas inválidas na análise de uma amostragem pelo CEC.

Na última terça-feira (24), a CEC também se recusou a registrar o fundador do partido Iábloko, Grigóri Iavlínski. “De acordo com os resultados da segunda amostra, o número de assinaturas inválidas atingiu 25,66%”, declarou o secretário da CEC Nikolai Kónkin à agência de notícias Ria-Nóvosti .

“No final da semana, a CEC vai convocar uma reunião para declarar oficialmente que Iavlínski foi eliminado da corrida presidencial”, completa Kónkin. Segundo a legislação russa, a porcentagem máxima de assinaturas inválidas é de cinco por cento.

"A única coisa em que o impedimento a Iavlínski deve acarretar é no fortalecimento dos protestos, sobretudo em Moscou e São Petersburgo, onde o apoio ao político é tradicionalmente maior", afirma Babitch. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.