São Petersburgo, capital do turismo

Foto: PhotoXpress

Foto: PhotoXpress

São Petersburgo é conhecida como uma das cidades mais bonitas da Europa e capital cultural da Rússia, portanto, são tantas atrações que fica difícil escolher entre elas. Pedimos para o mestre local das artes performáticas Igor Stupnikov escolher os melhores destinos culturais da cidade.

São Petersburgo

População: 4.848.700 pessoas

Principais setores: construção naval e automotiva, comércio e turismo

Fundada em 1703

Curiosidade: São Petersburgo foi construída sobre um pântano – o que significa que as autoridades estão constantemente lutando para evitar que a cidade afunde.

Contatos úteis: Em vez de entrar em contato direto com a prefeitura e com o governo da região, os investidores são aconselhados a contatar o Comitê de Desenvolvimento Econômico, Política Industrial e Comércio (Voznesénski Prospekt, 16; cedipt.spb.ru)

Um homem altíssimo curva-se ao lado de turistas para tirar fotos. Não é Lênin nem o rechonchudo Brejnev da Praça Vermelha, e sim o fundador da cidade de São Petersburgo, Peter, o Grande, em trajes típicos. Mais à frente, outro homem vestido com roupas do século 18 se apressa para alcançar o constante fluxo de turistas em segways – espécie de patinete elétrico com duas rodas que funciona a partir do equilíbrio do condutor.

Ouvir uma língua estrangeira nas ruas de São Petersburgo, ou Pete, como a cidade é geralmente conhecida em russo, é cada vez mais comum à medida que a capital do norte atrai cada vez mais turistas.

Em 2005, quando 3,5 milhões de pessoas visitaram a cidade, o governo de São Petersburgo estabeleceu a meta de atrair 5 milhões de turistas até 2010 – objetivo muito bem-sucedido. No ano passado, a cidade estabeleceu a nova meta de 8,1 milhões de turistas até 2016 e anunciou um projeto para tornar a cidade ainda mais acolhedora.

O programa vai ajudar a preparar a cidade para o enorme fluxo de turistas atraídos pela Copa das Confederações, em 2017, e para a Copa do Mundo, no ano seguinte.

No entanto, uma medida contribuiu mais do que as demais para atrair turistas ao longo dos últimos cincos anos – a isenção de vistos para turistas de passagem, que podem agora visitar a cidade por 72 horas sem recorrer à centenária burocracia que normalmente desestimulava os visitantes estrangeiros.

"Isso, sem dúvidas, ajudou a aumentar o número de turistas”, disse Svetlana Petrova, vice-diretora do centro de informações turísticas de São Petersburgo.

Tal centro é por si só outra medida que claramente distingue Moscou de São Petersburgo. Existem sete unidades em pontos diversos de São Petersburgo, sendo a mais conhecida localizada em um pequeno edifício de vidro ao lado do Palácio de Inverno. Moscou também possuía um escondido na Gostíni Dvor, mas que agora permanece às moscas.

O centro de informações turísticas possui aqueles itens básicos aos quais os turistas estão habituados em outros destinos populares da Europa, mas que ainda são raros na Rússia: mapas gratuitos, informações em diversas línguas e um lugar para se esconder do clima de São Peter se o tempo virar bruscamente.

Algumas das medidas tomadas pelas autoridades da cidade nos últimos cinco anos são evidentes para qualquer visitante partindo de Moscou.

 

Fotos: Lori/Legion Media, FocusPictures, Alamy/Legion Media 

“Ao pegar o metrô, as placas estão escritas em russo e também no alfabeto latino”, disse Petrova. “Há também algumas placas com informações e mapas próximas aos pontos turísticos dizendo: ‘Você está aqui’.”

A cidade tem ainda uma linha direta de turismo com operadores que falam inglês (embora três ligações a esse número tenham abruptamente caído antes de qualquer pessoa atendê-las).

O maior desejo da cidade é fortalecer os cofres públicos, já que os turistas estrangeiros gastam mais do que os russos em suas visitas à cidade. Um relatório estima que os gastos de estrangeiros representam o dobro das despesas assumidas pelos russos. O estudo, realizado pelo site Fontanka.ru, demonstra que os turistas de outros países gastam cerca de 24 mil rublos (US$ 775) em uma viagem de três dias a São Petersburgo comparados aos 11 mil rublos gastos pelos russos. 

“Tudo isso que temos – patrimônios e tesouros culturais – só pode ser capitalizado por meio do desenvolvimento do turismo”, disse Serguêi Korneiev, chefe da regional noroeste da União Russa da Indústria de Turismo.

“O turismo foi e continua sendo um dos tipos de negócio mais rentáveis e com mais rápido crescimento, e só ele pode ser a locomotiva para o desenvolvimento de São Petersburgo como um centro global”, opina.

São Petersburgo é conhecida como uma das cidades mais bonitas da Europa e capital cultural da Rússia, portanto, são tantas atrações que fica difícil escolher entre elas. Pedimos para o mestre local das artes performáticas Igor Stupnikov escolher os melhores destinos culturais da cidade.

Você provavelmente já ouviu falar sobre o museu Hermitage, a Fortaleza de Pedro e Paulo e a Catedral de São Isaac. Por isso, selecionamos algumas atrações menos conhecidas, mas que valem muito a pena.

O que visitar se tiver apenas duas horas

A melhor opção nesse caso é fazer uma caminhada: pegue a Nevski Prospekt e ande pela Praça do Palácio, onde a fachada curva do Almirantado se opõe ao Palácio de Inverno (que agora abriga o Museu Hermitage). Você também tem a chance de fazer um pequeno desvio para a Igreja do Nosso Salvador sobre Sangue Derramado, que foi construída no local onde o tsar Aleksandr II morreu nas mãos de anarquistas durante uma explosão em 1881.

O que visitar se tiver dois dias

Se visitar a cidade durante a temporada de espetáculos, assista a um balé ou ópera nos teatros Mariínski ou Mikhailovski (veja entrevista). Mas você também não precisa fazer nada específico: especialmente durante a estação das “noites brancas”, é possível passar 24 horas caminhando pelos canais e ruas da cidade, admirando a história e arquitetura locais. 

Considere também uma parada no museu Víktor Tsoi (Clube Kamtchatka, Úlitsa Blokhina, 15; clubkamchatka.ru), localizado na sala de máquinas do clube onde Víktor Tsoi , a lenda soviética do rock, trabalhou por dois anos no fim dos anos 80. Coberto de grafites e aberto todos os dias da semana, também funciona como uma casa noturna.

O pequeno mas intimista museu Vladímir Nabokov (Boltchaia Morskaia Úlitsa, 47) ocupa o primeiro andar da mansão na qual o mestre da literatura russa – e depois inglesa – passou sua infância pré-revolução. Imperdível para qualquer fã de Nabokov, o museu é coberto com esboços de borboletas feitos por ele para sua esposa e apresenta um ótimo documentário em vídeo, embora grande parte dele seja falado em russo.
 

Onde comer

O Bar Helsinki (Kadétskaia Línia, 31; helsinkibar.ru) é um restaurante finlandês em estilo retrô que, segundo a própria casa, serve “comida saborosa e romance setentrional”. Popular entre os locais, o menu com preços acessíveis inclui carpaccio de carne de rena. Duas pessoas podem comer bem por 1,500 rublos (US$ 50). NÃO experimente a vodca com raiz forte. Ou talvez só um pouco. 

O restaurante Podvorie (Filtrovskoie Chosse, 16, Pavlovsk;podvorye.ru), em Pavlovsk, na zona sul da cidade, é um restaurante russo tradicional que já recebeu visitas ilustres de todos os tipos, incluindo a mais famosa cria de São Petersburgo, o primeiro-ministro Vladímir Pútin. Após ter sido destruído por um incêndio em abril, abriu as portas novamente no dia 1° de janeiro. O gerente do restaurante recomenda aos visitantes o zakuski frio e quente. Uma refeição para dois sem consumo de bebida alcoólica sai, em média, por 3.600 a 4.000 rublos.

Foto: Slava Stepanov

O Metchta Molokhovets (Úlitsa Radíchtcheva, 10;molokhovets.ru) é o melhor lugar para se misturar à elite de São Petersburgo. Inaugurado em 2003 por Liudmila Tchubais, primeira esposa do ex-vice-premiê Anatóli Tchubais, ainda é conhecido como um refúgio da elite política. Segundo os rumores, há grandes chances de encontrar o ex-ministro das Finanças, Aleksêi Kúdrin, e seus amigos na mesa ao lado, embora os gerentes não comentem sobre os frequentadores “que moram na Rússia”. Eles são orgulhosos, contudo, de ter recebido Paul McCartney. Em média, a conta para duas pessoas sai entre 3.500 e 4.000 rublos sem consumo de vinho. O estrogonofe é aparentemente o ponto forte da casa.

Onde se hospedar

Não faltam lugares para se hospedar em São Petersburgo. Com o aumento do número de turistas, a cidade tem sido vista pelas redes de hotelaria de luxo como um novo mercado em ascensão. Seis hotéis foram inaugurados na cidade na primeira metade de 2011, e muitos outros até o fim do ano passado.

A rede de hotéis-boutique W (Voznesenski Prospekt, 6; wstpetersburg.com) inaugurou seu primeiro hotel na Rússia em maio, com um restaurante comandado pelo renomado chef francês Alain Ducasse, bem na esquina da Catedral de São Isaac.

O hotel, cujos quartos custam 300 euros (US$ 400) por noite, ocupa um edifício do século 19, mas as acomodações são modernas e os funcionários são treinados para atender qualquer solicitação dos clientes.

Além do W, as inaugurações mais notáveis dos últimos tempos foram o quatro estrelas Crowne Plaza (Ligóvski Prospekt, 61; ichotelsgroup.com/crowneplaza), que faz parte do grupo Intercontinental, em maio, e um segundo Crowne Plaza próximo ao aeroporto Pulkovo (Startovaia, 6), em dezembro.

Um dos hotéis mais históricos da cidade é o Angleterre, inaugurado no século 19 (Praça São Isaac, Málaia Morskaia Úlitsa, 24; angleterrehotel.com). O espaço foi reestruturado por Rocco Forte, que o transformou em um estabelecimento luxuoso, porém despretensioso e bastante aconchegante. Com vistas fantásticas para a Catedral de São Isaac, o hotel serviu de palco para o suicídio de um dos grandes poetas russos (Serguêi Esenin se enforcou ali em 1925) e para o planejado, porém nunca realizado, banquete de vitória de Adolf Hitler. Há quartos disponíveis a partir de 25 mil rublos (US$ 800) por noite.

A cidade possui um grande número de hotéis menores no centro, onde é possível achar quartos por 1.300 rublos. Um edifício logo após a esquina da Catedral de São Isaac comporta três hotéis no mesmo prédio com a promessa futura de uma quarta acomodação.

Experimente se hospedar no Nevski Inn Bed and Breakfast (nevskyinn.com), um dos muitos hotéis pequenos que operam em antigos apartamentos comunais da cidade. Trata-se de uma ótima opção para orçamentos menores: bons quartos a apenas alguns passos da Nevski Prospekt e a cinco minutos do Palácio de Inverno a partir de 50 euros (US$ 57) por noite. Os apartamentos podem ser reservados a partir de 100 euros por noite.

Parte do programa de incentivo ao turismo em São Petersburgo tem como objetivo aumentar o número de hotéis na cidade. Aleksêi Tchitchkanov, diretor do comitê de investimento e projetos estratégicos da cidade, disse a um site local que os valores praticados eram muito altos.

“Em média, os preços giram em torno de 3.500 rublos por noite”, disse.

Construir novos hotéis não é o bastante, é preciso treinar os funcionários dos estabelecimentos já existentes.

“Ainda estamos bem longe do padrão internacional de hospitalidade”, disse Roman Krutin, reitor da Universidade de Serviços e de Economia de São Petersburgo. “Precisamos de novas pessoas com uma nova mentalidade.”

Para começar o papo

Não é mito que os habitantes de São Petersburgo gostam de aproveitar qualquer oportunidade para exibir sua superioridade cultural sobre os supostos avarentos e grosseiros moscovitas. Na verdade, eles fazem isso o tempo todo. Pode ser bastante divertido, especialmente se tiver a presença de um moscovita para enfrentá-los cara a cara.

Como chegar

O aeroporto Pulkovo (pulkovoairport.ru) está lidando com o crescente aumento do tráfego aéreo, mas ainda não passou por uma extensa modernização como os aeroportos de Moscou. Ele está conectado aos três aeroportos de Moscou por numerosos voos diários. Os preços pela companhia aérea russa Aeroflot começam a partir de 3.320 rublos (pouco mais de US$100), ida e volta. Há também voos ligando São Petersburgo a outras grandes cidades russas e destinos internacionais, incluindo Praga, Paris, Nice e Amsterdã. O ônibus número 39 liga o Terminal 1 do aeroporto Pulkovo à estação de metrô Moskóvskaia a cada 12 ou 20 minutos entre 5:30 e 1:30 da manhã. O percurso dura de 30 a 35 minutos.

Há também opção de trens partindo da estação Leningradski, em Moscou, em direção à estação Moskovski, em São Petersburgo (Nevski Prospekt, 85; moskovsky-vokzal.ru). Embora seja possível reservar uma cabine em um trem noturno (que leva de sete a nove horas de viagem, e cujo preço varia de 2.000 e 9.000 rublos, isto é, entre US$ 64 e US$ 288, com retorno), a opção cada vez mais popular e barata é o veloz Sapsan, que leva cerca de quatro horas e custa entre 1.840 e 6.040 rublos (US$ 59 a US$193).

Na estação Finliandski (Praça Lênin, 6), há também uma conexão para Helsinki em um trem de alta velocidade. A viagem dura três horas e meia e sai a partir de 84 euros (US$113).

Se preferir ir de carro, a viagem de 743 quilômetros partindo de Moscou dura aproximadamente 10 horas.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.