Maioria dos russos está pessimista em relação à economia em 2012

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

Pesquisa feita no fim do ano passado mostra que pessimismo aumentou entre países europeus

Em 2012, os russos estão mais pessimistas quanto às perspectivas de sua economia nacional do que a população dos outros países do grupo BRICS. Essa é a conclusão de uma sondagem efetuada pela Grant Thornton International (GTI) no final de 2011 entre gerentes de 2.700 empresas de 40 países.

Com um saldo desfavorável (-4%), a Rússia divide o 27º lugar no ranking de otimismo sobre a situação econômica com Singapura, Malásia e Suíça. Os autores do levantamento destacaram em especial o aumento do pessimismo no terceiro e quarto trimestres na União Européia, o que resultou, no final do ano, em saldo desfavorável aos otimistas (-17%).

Com exceção da Rússia, os países do BRIC registraram um aumento do otimismo no último trimestre de 2011, de 25% para 34%. Uma situação parecida foi verificada nos países latino-americanos, onde no quarto trimestre o otimismo cresceu em sete pontos percentuais, para 64%. EUA e Canada também apresentaram uma alta de 3% no otimismo.

Já nos países integrantes da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) - Malásia, Singapura, Tailândia, Filipinas e Vietnã -, as determinações otimistas sofreram uma queda de 52% no último trimestre.

Na Rússia, os empresários moscovitas estão menos otimistas quanto à situação econômica no país do que seus colegas de outras regiões do país.

Assim, em Ekaterimburgo, 42,5% dos entrevistados declararam-se otimistas, em Novosibirsk, 35,4%, em Moscou e São Petersburgo, 28,2%, em Nijhni Nóvgorod, 26,3%. Alguns entrevistados não souberam opinar ou disseram não estar nem otimistas nem pessimistas: 33,8 % em Moscou, 29,5% em São Petersburgo, 46,3% em Ekaterimburgo, 44,3% em Novosssibirsk, 43,6% em Níjni Novogorod.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.