Segunda semana de Dakar tem início no Chile

Foto: kamazmaster.ru

Foto: kamazmaster.ru

Nesta segunda-feira (9), começou a segunda semana da extenuante corrida de Dakar, etapa que compreende mais de 4.500 quilômetros dos 8.300 quilômetros totais da competição. Partindo da cidade chilena de Copiapó até chegar em Lima, no Peru, 125 motos, 21 quadriciclos, 123 carros e 71 caminhões estão tentando garantir a vitória em suas respectivas categorias.

Pelo terceiro ano consecutivo, a competição automobilística mais atraente do mundo está sendo realizada em tortuosas estradas sul-americanas. Depois de aparentemente abandonar o continente africano de maneira definitiva, o Dakar se estabeleceu nos países sul-americanos. Agora, nesta edição de 2012, a prova ocupa os cenários da Argentina, Chile e Peru. Não seria a hora de trocar o nome por algo mais universal, como Grand Rally?

A tradição sul-americana transforma o Dakar em um acontecimento local: milhões de fãs espalham-se pelas rotas da corrida para ver passar as maravilhas tecnológicas da indústria automobilística contemporânea e, inclusive, se dão ao luxo de ajudar a reparar qualquer dano ocorrido.

A categoria mais “estranha” para os locais é, sem dúvidas, a dos caminhões. Gigantes que desafiam as trajetórias mais difíceis e representam as marcas mais importantes, os caminhões lutam para impor seu design, tecnologias e modelos. Ao longo de toda a história da competição, o caminhão que ostenta mais vitórias e, nos últimos anos, foi um vencedor permanente é o russo Kamaz. Atrás dele estão os Mercedes, MAN, Renault, Mitsubishi, Tatra, Iveco e DAF.

Desta vez, a Kamaz apresentou não só novas tecnologias, mas também novos corredores. Os tradicionais vencedores Vladímir Tchaguin e Firdaus Kabírov deram lugar a uma juventude que começa a trilhar seu próprio caminho. Essa é a primeira experiência deles e isso não é fácil, embora tenham o respaldo da grande escola automobilística Kamaz, encabeçada pelo experiente Semion Iakubov, fundador da equipe.

O jovem Eduard Nikoláiev, um dos favoritos da equipe Kamaz-master, foi excluído na quarta etapa da competição por violar as regras. O Kamaz de Edik, envolto em nuvens de poeira, se chocou contra o veículo de Marcos e José Luiz Di Palma, parado por problemas técnicos. Para ajudar os pilotos do automóvel atolado, a tripulação do Kamaz teve que trocar um pneu e, em seguida, ambos prosseguiram a corrida. A ação de Nikoláiev foi considerada “conduta antiesportiva” pelas autoridades da competição, que deram um castigo severo ao jovem piloto, desclassificando-o, embora inicialmente tivessem dado pouca importância ao acidente e respeitado a quinta classificação geral de Edik. 

Iakubov disse que "a decisão foi formalmente correta e o motivo para a desqualificação, de fato, existiu. A decisão do tribunal é final e a equipe foi retirada da prova".

Agora, os Kamaz de Artur Ardavitchus, Andrêi Karguinov e Airat Mardeiev, posicionados entre a 4ª e 6ª colocação, perseguem o líder, o holandês Gerard De Rooy, que tem uma vantagem aproximada de uma hora.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.