Meia-calça russa faz sucesso nos Estados Unidos

Foto: Serguêi Porter / Védomosti

Foto: Serguêi Porter / Védomosti

Empresário conta como uma solução de design virou um negócio próspero.

Em 2002, quando Maxim Diachkóv teve uma filha, ele soube que a coisa mais difícil no processo de educação de uma criança é colocar nela uma meia-calça. Por isso, decidiu, juntamente com seu parceiro Dmítri Serebriakóv, facilitar a vida dos pais e lançou no mercado meias-calças que são usados até pelas crianças mais caprichosas. Sua empresa de meias opera não só na Rússia como também nos EUA, registrando anualmente um acréscimo de US$ 500 mil em seu volume de negócios.

  “Minha mulher não tinha nenhum problema em vestir nossa filha enquanto eu nunca conseguia segurar seus pés para colocar nela uma meia-calça”, recorda Diachkóv, contando como surgiu a idéia. “Então virei a meia-calça do avesso e desenhei olhos em seus pés: assim, a meia-calça se transformou em dois bonequinhos e eu, em manipulador de bonecos e contador de histórias para minha filha. Assim, transformei um longo e cansativo processo de vestir minha filha em um jogo interessante.”


Mas sua ideia de produzir um vestuário infantil extraordinário só foi concretizada em 2006. Anteriormente, Diachkóv havia trabalhado como massagista, instrutor de ginástica terapêutica em um centro de reabilitação infantil e subchefe do setor de operações não comerciais do Rosevrobank. Nesse mesmo período, registou a patente de sua ideia de desenhar olhos e um nariz do lado avesso das meias-calças para bebês, mas ainda não tinha se decidido a montar uma empresa. 

Quando encontrou um amigo de longa data, Dmítri Serebriakóv, propôs-lhe criar uma empresa em condições iguais de participação. Os dois amigos tinham 450 mil rublos (cerca de US$ 15 mil) de poupança pessoal, que investiram na elaboração de um design da meia-calça.

 
Método de tentativa e erro  

 

Encomendaram a primeira parcela de 5.000 pares de meias-calças, no valor de US$ 10 mil, a uma fábrica na cidade de Sêrguiev Possad, na região de Moscou. “A primeira experiência foi negativa”, conta Diachkóv. “As meias-calças foram feitas a partir de material de baixa qualidade e perdiam a cor e encolhiam após a primeira lavagem.“

 A primeira experiência negativa não desanimou os dois amigos. Eles continuaram buscando um fabricante até que encontrarem a fábrica ideal, na Ucrânia, cuja única restrição foi costurar olhos no avesso das meias. Com essa parceria, fabricaram meias-calças, meias três-quartos e meias curtas comuns durante quatro anos.

Epopeia dos olhos 

 

Os dois amigos continuavam dominados pela ideia de montar a produção de meias-calças que parecessem bonecas. Contrataram uma tipografia que aceitou imprimir a imagem nas meias-calças, mas o produto não deu certo e seguiram procurando até que conheceram a empresa turca Lateks, com quem fizeram um contrato de cinco anos no início de 2011. “Essa empresa pode fabricar meia-calça e pintar olhos do lado avesso”, diz Serebriakóv.


Em plena crise econômica de 2008, a companhia faturou US$ 2 milhões. Em 2009, faturou US$ 2,5 milhões e em 2010, US$ 3 milhões.

Hoje, as meias-calças, meias três-quartos e meias curtas sob a marca lap'n'cap estão à venda não só em Moscou mas também em outras regiões da Rússia. Cerca de 20% das vendas são realizados por atacado.

 
Descobrimento da América  

 

Empenhados em ampliar a gama de seus produtos, os dois amigos começaram a produzir meias curtas coloridas para homens e mulheres, mas sua experiência não teve sucesso no mercado. “Na Europa, os homens usam tranquilamente meias curtas coloridas. Os homens russos são mais conservadores e preferem usar meias monocromáticas, de preferência de cores escuras”, lamenta Serebriakóv.

Assim sendo, os dois amigos decidiram não se limitar ao mercado russo e instalaram uma representação comercial em Nova York. O primeiro carregamento de meias-calças com olhos lap'n'cap chegou aos EUA em outubro de 2011. Hoje, as meias-calças da empresa russa estão disponíveis em duas pequenas redes de lojas infantis em Nova York. “Conseguimos fechar um contrato com a companhia Amazon.

Agora vemos como nossas meias-calças se deslocam a todos os estados dos EUA, inclusive Califórnia, Texas e Flórida onde faz sempre calor e as crianças nunca usam meias-calças”, afirma Diachkóv. Sua parceira de negócio nos EUA é a atriz russa Irina Shmeleva, que emigrou para o país no final da década de 1990. Dona de uma agência de marketing na Madison Avenue, ela ajuda a empresa russa a entrar no mercado norte-americano.

“Nos EUA, tudo é muito mais barato. Por exemplo, alugar um espaço de 100 metros quadrados para armazenagem custa, nos EUA, US$ 500, enquanto na Rússia custa US$ 1000. Por isso, passamos a encomendar alguns serviços como fotos e vídeos com crianças, design de embalagem e catálogos nos EUA”, diz Serebriakóv.

Texto publicado em versão reduzida. A reportagem integral está disponível em russo no site do jornal “Védomosti”. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.