Teatro russo em palcos brasileiros

Cena de Tio Vânia, peça de Tchekhov montada no Brasil Foto: Gutom_Niz

Cena de Tio Vânia, peça de Tchekhov montada no Brasil Foto: Gutom_Niz

A rapidez com que se intensificaram as relações culturais bilaterais, pelo menos no teatro, foi inesperada. Até onde ela vai?

De meados de 2010 para cá, isto é, mais ou menos no período de um ano e meio, a cena teatral brasileira já contou com visitas de alguns dos nomes mais represetativos do teatro russo contemporâneo. Entre eles estão Adolf Shapiro, que estreou em 2010 com uma experiência cênica na Funarte - SP e se prepara para montar, com a Mundana Companhia (de O Idiota; Tchékhov 4), sua própria adaptação de Pais e Filhos, de Turguêniev. Há ainda Iúri Alschitz, que acaba de estrear em Belo Horizonte o espetáculo Eclipse com o Grupo Galpão, completando assim a Viagem à Tchekhov iniciada pelo grupo com Tio Vânia: Aos Que Vierem Depois de Nós, dirigido ainda neste ano por Yara de Novaes.

Anton Tchekhov

Anton Pavlovich Tchekhov(1860 — 1904) foi um importante escritor e dramaturgo russo, considerado um dos mestres do conto moderno. Era também médico, exercendo a profissão de 1884 a 1897. Com pouco mais de 20 anos já era considerado um escritor conhecido no meio literário da Rússia, recebendo em 1888 o Prêmio Púchkin



Outro aspecto da nova relação que se estabelece é a pedagógica: nota-se que é crescente o número de brasileiros interessados em estudar artes dramáticas em Moscou ou São Petersburgo. Desde o começo da década, Moscou é o destino de grupos de atores e diretores brasileiros, que partem para cursos curtos com o objetivo de ter uma visão panorâmica do teatro e da pedagogia teatral russa. 



Quando se fala em educação a longo prazo, no entanto, as coisas mudam de figura. Com uma pedagogia teatral baseada fortemente na tradição do teatro de repertório, o currículo das universidades de teatro russas é composto por quatro anos de dias letivos integrais, com um desenvolvimento do ator voltado quase exclusivamente para o domínio do sistema proposto por Stanislávski (o método de interpertação criado por Konstantin Stanislávski, reformador do teatro russo no início do século 20).

Stan

Constantin Aleksêiev (1863 — 1938), mais conhecido por  Constantin Stanislávski 

Sistema Stanislávski é uma das principais sistematizações para o desenvolvimento da interpretação do ator.


Não é de hoje o interesse e a ligação do teatro brasileiro com sua contraparte russa. Eugênio Kusnet, lituano que imigrou para o Brasil em 1926, foi o desbravador desta área: sistematizou em português as bases do Sistema Stanislávski e de sua metodologia, a Análise Ativa da Peça e do Papel.


Mas ainda não se sabe se o teatro russo está preparado para abrir sua fortaleza a todas as pesquisas do teatro brasileiro. Trata-se de uma pergunta que deve ser respondida na prática.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.