Artista faz pinturas usando asas de borboletas

"Ponte em floresta de inverno", Vadim Zarítski

"Ponte em floresta de inverno", Vadim Zarítski

O artista Vadim Zarítski usa em seus desenhos um recurso incomum: asas de borboleta. Suas obras incluem retratos de políticos famosos, artistas, paisagens e naturezas-mortas

A técnica de utilização de asas de borboletas foi criada pelo artista. "A vida das borboletas só dura algumas semanas. Meus quadros permitem que você as admire por muitos anos", disse ele, que começou a reunir a sua primeira coleção de borboletas ainda na infância.


"Senhora com chapéu de cortiça", Vadim Zarítski

"Aqueles que colecionam borboletas sabem que muitas vezes o material de suas asas é desprezado", conta Zarítski. "Se houver danos nas asas, ou se elas estiverem parcialmente desbotadas, então especialistas as deixam de lado. Infelizmente jogam fora e nunca as preservam.”

O artista teve então a ideia de usar os restos de asas de borboleta em seus quadros. Durante cinco anos, o artista fez mais de cem pinturas. Todas elas têm histórias e tamanhos diferentes. O artista-entomólogo raramente usa tons brilhantes, fluorescentes, preferindo uma combinação de cores calmas. Entre seus trabalhos há naturezas mortas, composições filosóficas, retratos e paisagens. Há ainda cópias de pinturas de mestres famosos: de Van Gogh, Gauguin e Picasso.


"Pinheiro",  Vadim Zarítski

O principal para Zarítski não é apenas mostrar a beleza, mas também oferecer ao espectador uma nova perspectiva sobre o mundo ao nosso redor. Seu novo quadro é dedicado à arte da Idade da Pedra. A imagem pode ser olhada por um longo tempo. Nela, há muitos símbolos encobertos. A sombra de uma mulher lembra a asa de uma borboleta gigante, as saliências nas rochas, os contornos da África e da América do Sul.

"Eu quero fazer arte decorativa, em preto e branco, pinturas quase fotográficas. Eu falo através do meu trabalho sobre mim mesmo e o mundo ao redor. Para mim, isso é a verdadeira arte."


" Viva Venesuela" (Hugo Chaves), Vadim Zarítski 

No entanto, sua filosofia não agrada a todos e alguns acusam o artista de crueldade com insetos alados. "Estou cansado de explicar", reclama Vadim. "Eu não torturo nem mato nenhuma borboleta. Amigos colecionadores me ajudam: eles trazem asas para o trabalho, e eu dou a eles borboletas para sua coleção.”


"Luzes da noite", Vadim Zarítski

Para acalmar os defensores dos insetos, ele repete frequentemente as palavras do entomólogo russo Vladímir Múrzin: "Os insetos são uma ponte natural da cadeia alimentar entre plantas e animais. Eles são projetados pela natureza para serem comidos por outras espécies. Essa destruição natural não fere as populações de insetos, porque a sua reprodução é mais rápida que a taxa de eliminação. Por exemplo, em apenas uma área do Texas há morcegos que vivem em cavernas e, toda noite, eles comem 240 toneladas de insetos. O que será dos entomologistas de lá!".

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.