Cinco mil protestam contra resultados das eleições parlamentares

Foto: Rustem Adagamov/drugoi

Foto: Rustem Adagamov/drugoi

Pelo menos cinco mil manifestantes demonstraram sua frustração em relação às eleições para Duma Estatal na segunda-feira à noite, no centro de Moscou, em uma das maiores manifestações da oposição nos últimos anos.

Ao contrário da maioria dos eventos desse tipo, o protesto realizado próximo à estação de metrô Tchistie Prudi foi sancionado pelas autoridades – mas, ainda assim, terminou em confrontos com a polícia e diversas pessoas detidas.

Segundo a polícia, de 700 a 2 mil pessoas participaram da manifestação, mas organizações e observadores independentes, incluindo diversos repórteres do The Moscow Times, estimam que a multidão chegou a reunir de 5 a 7 mil pessoas.

Os manifestantes gritavam “Precisamos de novas eleições”, “Rússia sem Pútin”, “Revolução” e “Vergonha”, durante os discursos dos líderes da oposição Boris Nemtsov e Iliá Iachin, do blogueiro anticorrupção Aleksêi Naválni, da defensora da florestas de Khímki, Evguênia Tchirikova, do jornalista Viktor Chenderovitch, do crítico de rock Artemi Troitski e do romancista Dmítri Bikov.

A polícia não interferiu no protesto, organizado pelo grupo Solidariedade com a benção da prefeitura. Porém, quando milhares de ativistas tentaram marchar à estação de metrô vizinha Lubianka depois do evento, eles enfrentaram cordões policiais. Os manifestantes conseguiram romper uma corrente de policiais e das Tropas do Interior (Guarda Nacional Russa), mas, por fim, foram parados e dispersos pelos oficiais, que empurraram a multidão para dentro do metrô.

Dezenas de pessoas foram detidas.

A Gazeta.ru reportou que um soldado das Tropas Interiores tentou argumentar com Naválni durante a marcha não autorizada. “Aleksêi, entendo tudo, mas você simplesmente não pode”, suplicou o soldado. Naválni estava entre aqueles detidos, segundo o Eco de Moscou. 

Enquanto isso,  observando o crescente desencanto dos eleitores pelas autoridades do governo, o sobrevivente político Rússia Justa prometeu fortalecer sua independência e o ainda governante Rússia Unida sugeriu uma liberalização – possivelmente sob nova liderança.

O atual presidente Dmítri Medvedev, o único nome da cédula federal do Rússia Unida nas eleições de domingo, pode subsistir o primeiro-ministro Vladímir Pútin, como disse o presidente do Rússia Unida, Andrêi Vorobiov, de acordo com a Interfax.

A ideia foi expressa anteriormente em setembro pelo chefe do gabinete do Kremlin, Serguêi Naríchkin, que disse que a troca poderia ocorrer após as eleições presidenciais em março, a qual Pútin estaria pronto para vencer.

Medvedev não comentou sobre a proposta durante a coletiva de imprensa na segunda-feira e, em vez disso, disse que poderia reconsiderar a inclusão da opção “nenhum dos anteriores” nas cédulas de votação. A opção foi eliminada em 2006 depois de começar a ganhar popularidade.

“Não existe nada de assustador nisso, mas penso que é uma maneira um tanto estranha de se expressar”, disse Medvedev sobre o assunto, informou a Interfax.

Ele disse novamente que o governo pode reintroduzir características das eleições de mandato único para ajudar “excelentes líderes” cujas carreiras vêm sendo paralisadas por líderes regionais que encabeçam as listas eleitorais dos partidos.    

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.