Russos na mira do turismo brasileiro

Foto: Alamy_LegionMedia

Foto: Alamy_LegionMedia

Desde o início de 2011, quando foi estabelecido um voo direto entre Moscou e o Rio de Janeiro – descontinuado alguns meses depois-, inúmeras iniciativas do setor público e privado brasileiro miram o turista russo.

Quem entrou entre abril e maio em um dos trens expressos que viajam a cada meia hora para os três principais aeroportos da capital russa – Sheremetevo, Domodêdovo e Vnúkovo -  pôde assistir, durante boa parte do percurso, a vídeos de promoção turística do Brasil nas TVs ali instaladas. A veiculação do material foi parte de uma ação da embaixada brasileira na Federação Russa e premiou cinco russos com passagens aéreas e estadia em Fortaleza e no Ceará com direito a acompanhante.

“Esses trens carregam literalmente milhões de passageiros toda semana e são exatamente nosso público alvo, ou seja, pessoas que viajam de avião, pela razão que seja - turismo, trabalho etc.”, explica o segundo secretário da embaixada, Danilo Teófilo.


Como parte da campanha, nos seis primeiros meses do ano foram criados websites, implementadas ações publicitárias e realizado um evento de encerramento em um restaurante panorâmico de Moscou.

A estudante Elena Gumarova, 23, uma das contempladas, conhecia o país só por meio das novelas transmitidas a partir dos anos 90 na Rússia. “Talvez tenha sido então que nasceu o sonho de muitos telespectadores russos de visitarem o ensolarado Brasil”, diz Elena, que levou a irmã Svetlana, 25, como acompanhante na viagem.

Mercado promissor

Com um total anual de cerca de 5 milhões de visitantes, o Brasil conta com a Argentina, os Estados Unidos e a Itália como principais emissores de turistas para o país, segundo dados do Departamento de Polícia Federal e do ministério do Turismo. Em 2009, segundo relatório conjunto dos dois órgãos, esses países enviaram ao Brasil, respectivamente, 25%, 12% e 5% do total de turistas recebidos naquele ano. A Rússia, porém, não figura no ranking, que lista apenas os 16 maiores emissores mundiais.

 

 Fonte: Departamento de Polícia Federal e Ministério do Turismo


Entretanto, tanto a iniciativa pública brasileira quanto a privada continuam a investir no longínquo mercado russo. Somente na feira de turismo Leisure 2011, realizada em setembro em Moscou, 16 operadoras de turismo brasileiras estiveram presentes.

“As operações estão aumentando bastante pelo fato de os dois países fazerem parte dos Brics, por estarem na moda como destino de lazer e pelo fato de o visto não ser mais necessário entre eles. Porém, falta ainda muita promoção da Embratur na Rússia”, acredita Cláudio del Bianco, diretor da operadora Del Bianco, uma das presentes ao evento.

Segundo Del Bianco, a procura do país eurasiático pelo Brasil aumentou recentemente, e tende a crescer ainda mais. Sua própria operadora já tem um volume de negócios com a Rússia que gira em torno de 600 mil a um milhão de dólares anuais.

Para a diretora da Superior Plus, Isabela de Andrade, porém, o cenário poderia estar melhor com relação ao câmbio. “O Brasil está se tornando um destino muito caro até para o mercado russo, que nunca se importou em pagar valores altos”, afirma. “Mas agora que chega a alta estação, acreditamos que o crescimento se acentue. A Leisure é sempre uma feira muito boa, onde o Brasil é um destino exótico que desperta interesse e o stand do Brasil é sempre muito procurado”, completa.

Segundo Carlos Silva, diretor da operadora Opco Tours, a feira trouxe à tona uma nova tendência de turistas de poder aquisitivo mais alto, que viajam a negócios e a lazer. “A procura por hotéis de luxo como, por exemplo, Copacabana Palace aumentou bastante”, explica. A operadora de Silva traz cerca de 150 turistas russos por ano ao Brasil, contabilizando um volume de negócios de cerca de 300 mil dólares.

Para as irmãs Gumarova, que viajaram ao Brasil pela segunda vez neste ano – a primeira visita foi ao Rio de Janeiro - a ida ao Ceará e a Fortaleza impressionou não só pela organização e pelas belezas naturais, mas também pela experiência gastronômica. “Fizemos algumas descobertas culinárias aqui: arroz com feijão, torta de camarão, de frango, pão de queijo, churrasco, todos os frutos do mar possíveis, açaí batido, suco de abacaxi com hortelã, brigadeiro, mousse de maracujá, guaraná e toda a sorte de frutas exóticas”, enumera Elena.

“Aqui a cozinha é deliciosa por todo lado, até no bar mais barato pode-se comer como em um restaurante”, arremata.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.