“Muito pode ser feito diretamente na Rússia”

Peter Vesterbacka Foto: AP

Peter Vesterbacka Foto: AP

Peter Vesterbacka, co-fundador do Angry Birds, falou, em entrevista à “Gazeta.ru”, sobre novos jogos, livros de culinária e o negócio não realizado com o fundo de investimento russo DST e explicou oporque não tem a intenção de ocupar Wall Street.

- O crescimento das vendas do Angry Birds continua ou seus indicadores não são tão impressionantes como antes?

- Os indicadores estão crescendo e espero que, depois de termos assinado um acordo de parceira com a Nokia, ele comecem a crescer ainda mais rápido (às vésperas, a empresa finlandesa anunciou que iria integrar os jogos do Angry Birds aos novos telefones Asha destinados aos consumidores em países emergentes – nota da “Gazeta.ru”). Ficamos com os usuários da Índia, América Latina e África. Nesses países a oferta dos telefones Nokia é muito grande.

- Que taxa de crescimento espera obter?

 
- Agora temos entre um milhão e um milhão e meio de downloads por dia. Esperamos aumentá-los para vários milhões. Nosso site está crescendo rapidamente.

- Não acha necessário divulgar seus indicadores financeiros?

- Limitamo-nos, por enquanto, a divulgar o número de downloads.

- As pessoas ainda não estão cansadas ​​de seus porcos, aves e macacos?


- Não, as pessoas os amam, jogando agora mais do que nunca.

- E você?

 
- Eu também amo o que faço e estou acostumado a essa marca.

- Tem novos projetos e novos roteiros de jogos?

 
- Temos um monte de idéias novas e estamos desenvolvendo toda uma série de jogos novos que serão lançados em breve. Também trabalhamos sobre projetos de animação. Criamos recentemente uma coisinha linda sobre o Halloween. Estamos elaborando livros, um livro de receitas, por exemplo. Esse livro será lançado em inglês, russo, chinês e vários outros idiomas.

- Vai aumentar o pessoal?

- Sim, temos cerca de uma centena de novas vagas. Ficaremos felizes ao ver entre nossos funcionários programadores russos.

- Pode ter chegado o tempo de instalar um escritório na Rússia?

- Pode ser, embora possa ser mais simples que especialistas russos cheguem para trabalhar com a gente. Quem sabe?

- A Rússia está entre suas prioridades no negócio?

- Esse é um mercado com enorme potencial. Essa questão tem dois lados. Por um lado, muito pode ser feito diretamente na Rússia. Por outro, muito pode ser feito no mercado internacional em parceria com programadores e empresas russos.

- Tem alguma coisa a reclamar sobre o clima de investimento local?


- É um pouco duro.  Mas os problemas surgem em qualquer país. Por exemplo, na Europa não há um mercado único de conteúdos digitais, incluindo jogos. A União Européia tem um mercado comum de bens e não tem um mercado comum de produtos digitais. Isso dificulta o trabalho. Entristece ver que as autoridades européias não são capazes de resolver sequer esse problema, relativamente simples em comparação com os outros.

- O que é que acha de atrair um investidor, parceiro estratégico ou um fundo de investimento para o desenvolvimento de seus negócios?


- Na verdade, somos agora uma empresa muito rentável e estamos concentrados em ampliar nosso negócio, em particular na Rússia. Estamos negociando a possibilidade de venda na Rússia de brinquedos fofos, jogos de mesa, livros...

- No mercado de internet russo se tem falado do interesse do fundo de investimento DST pelo Angry Birds. Você teve negociações com as estruturas de Iúri Milner?

- Conheço Iúri muito bem. Discutimos com muitos fundos, inclusive o DST, eventuais opções de nosso desenvolvimento. Mas isso foi há muito tempo, agora não mantemos negociações a esse respeito.

- Continua pensando em listar ações do Angry Birds na bolsa?


- Isso está em nossos planos mas não para um futuro próximo. Vamos ver o que acontecerá no próximo ano. Agora posso dizer com certeza que ainda não estamos prontos para fazer a oferta pública inicial de ações.

- Uma nova onda da crise comentada pelos políticos e economistas como  fato consumado atingiu a indústria de jogos on-line e seu negócio?

- Em qualquer situação econômica, as pessoas querem relaxar e ser entretidas. O aplicativo para  o iPhone custa 99 centavos. Por um preço muito baixo você ganha horas de diversão. Esse aspecto torna a indústria de jogos bastante competitiva em crises.

- Você, pessoalmente, sentiu essa crise? Não tem desejo de se juntar àqueles que pretendem ocupar Wall Street? Você compartilha seus protestos?

- Quando as pessoas se tornam ativas e começam a fazer alguma coisa e a se expressar é bom! Mas, às vezes, eu acho que os manifestantes se enganaram no endereço quando buscavam a fonte dos problemas na economia. Duvido que todas as dificuldades desse mundo tenham surgido só por causa dos banqueiros de Wall Street. Não devemos simplificar as coisas, a questão é muito mais complexa. Vocês poderão ver a causa da maioria dos problemas se olharem com atenção no espelho.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.