Cantor Ígor Rasteriaev canta conforme vive e vive conforme canta

O cantor Ígor Rasteriaev, que ficou famoso através da Internet, explica em suas canções o que é o patriotismo russo.

Quem assiste a seus vídeos no YouTube fica com a impressão de que Ígor anda em seu trator pelas vastidões infinitas dos campos russos, bebe a vodka artesanal de alambique em copos grandes e canta sobre a vida rural ou a Grande Guerra Patriótica tocando sanfona. Falta um chapéu para completar a imagem de um rapaz russo de verdade. Mas a história de Ígor Rasteriaev, que ficou conhecido graças a um vídeo gravado com um celular e postado na Internet, não é assim tão banal como parece à primeira vista.

Uma vida entre o campo e a cidade

 
Embora Ígor cante sobre a vida rural, vive no campo só no verão, chamando sua vida entre o campo e a cidade de situação de “dupla nacionalidade”. Ígor Rasteriaev nasceu em uma família de artistas plásticos em São Petersburgo, onde mora até hoje. Formou-se na escola de atores e trabalha há oito anos em um teatro dramático e musical. Antes, atuava em espetáculos infantis, representando, principalmente, o papel de crocodilo. “No início do espetáculo, tinha de explicar quem eu era”, recorda ele, sorrindo. E embora hoje ele também não represente personagens principais, suas personagens são todas de caráter. “Representei boxeadores, alcoólatras... Mas sou especialmente bom no desempenho do papel de soldado”, confessa Ígor, enquanto seus olhos verdes apresentam um brilho travesso.

Apesar de parecer calmo, Ígor apresenta um temperamento forte, herdado de seus pais de origem cossaca. Quando criança, Ígor passava o verão na aldeia de Rakovka, nos arredores da cidade de Volgogrado, 966 km ao sul de Moscou. No último verão, completou 31 anos. Exibe um vídeo gravado em seu celular mostrando ele bronzeado com um enorme peixe nas mãos: “Nada de especial, pesa apenas 40 quilos”, explica.

Os concertos de Ígor Rasteriaev já são comuns na aldeia de Rakovka, onde ele se apresenta há muitos anos. Antes, tocava violão, até em seu aniversário de 18 anos recebeu de presente de um colega de estudos uma sanfona. “Na verdade, nosso instrumento nacional é um acordeão e não a balalaika, conforme pensam os estrangeiros”, explica Ígor, que tem pelo menos cinco sanfonas. Aprendeu a tocar sanfona sozinho e diz que “isso não é difícil”.

Depois das férias de verão, trazia sempre do campo um monte de histórias. Na verdade, ele queria escrever livros e não criar canções. Seu primeiro livro, intitulado “Pessoas de Volgogrado”, foi publicado em 2004, na cidade alemã de Estugarda. O livro trazia breves novelas sobre a vida rural e ilustrações do autor. Seu livro seguinte está em elaboração há sete anos. “É tempo de terminá-lo”,diz Ígor pensativo, sorvendo um gole de uma antiga bebida russa não alcoólica chamada “esbíten” (uma espécie de chá de ervas com mel e especiarias). Ígor não consome bebidas alcoólicas nem fuma, relatando em sua canção “Camomilas” uma história de jovens da aldeia que morreram de alcoolismo. Ígor Rasteriaev canta sobre a Rússia como ninguém cantava há muito tempo. Deve ser nisso que reside seu sucesso, que ele próprio não sabe explicar. Tem-se a impressão de que sua repentina popularidade o incomoda.

“Camomilas” uma história de jovens da aldeia que morreram de alcoolismo

Canções sobre as pessoas que não existem

Ígor não tem nada a ver com a publicação na Internet de sua canção dedicada aos operadores de colheitadeira da região de Volgogrado. “Essa canção é velha e data de 2009. Todos os meus amigos a conhecem há muito tempo.” Um deles gravou a canção em seu celular e postou o clipe no site YouTube. No clipe, Ígor, ligeiramente desarrumado, toca sanfona na cozinha de sua casa. No fundo, aparece uma garrafa de óleo de girassol.

"..como se eles não existissem" - canção dedicada aos operadores de colheitadeira da região de Volgogrado

“Longe de grandes cidades, onde não há lojas caras, vivem outras pessoas que não protagonizam canções, nem filmes nem telenovelas, nem a Internet, como se eles não existissem”. Muitas “estrelas” do show business devem  aprender com Ígor a ser sinceros, como acreditam seus fãs. “Você canta conforme vive e vive conforme canta”, escrevem eles na Internet.

O que é patriotismo?


“Faço o que sei fazer, escrevo sobre o que vejo”, diz Ígor. Suas canções e sua aparência são um ícone do patriotismo russo, embora o próprio Ígor nunca tenha pensado sobre o que o patriotismo é. “No verão último, passei pela região de Volgogrado onde antes havia uma aldeia de meus antepassados. Agora é um sítio deserto e causa a impressão de ter sido bombardeado por uma artilharia inimiga. Tudo está destruído. Quando eu passava por lá de moto, ficava com os olhos lacrimejando. Talvez isso seja patriotismo?”

“Uma estrada russa” é o título de uma canção de Ígor  Rasteriáe sobre a Grande Guerra Patriótica que está, há várias semanas, no topo das paradas. Não obstante, Ígor não quer fazer contratos com empresas de gravação, apreciando mais a liberdade do que o dinheiro e a popularidade. Quando o presidente da organização RosMolodej (Juventude Russa, organização juvenil pró-governamental) propôs a Ígor filmar um clipe da canção “Os Operadores de Colheitadeira”, ele aceitou a proposta, mas depois se arrependeu.

“Uma estrada russa” - uma canção de Ígor  Rasteriaev sobre a Grande Guerra Patriótica

“Depois do tratamento dado à canção, a música saiu muito padronizada e típica do estilo pop e completamente estranha a meu estilo”, recorda o músico.  Ao expor sua visão da criatividade, Ígor diz: “Só posso ser criativo e viver livremente quando nada me prende. Temo mais do que qualquer outra coisa o dia de amanhã previsível. Preciso sempre sentir uma rachadura, um caos dentro de mim, preciso que o pedaço de gelo em que estou pescando tenha uma pequena rachadura viva”. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.