Moscou não ficou sem defesa

Complexo de mísseis S-300. Foto: TASS

Complexo de mísseis S-300. Foto: TASS

Revelada pelo presidente da ASD, a interrupção no processo de construção do complexo de mísseis S-300 causou polêmica na Rússia, mas não deixou o país desprotegido contra ataques aéreos

Na véspera da abertura do Salão Aeroespacial Internacional de Moscou MAKS-2011, surgiu uma informação na mídia moscovita que atraiu a atenção não só de militares, mas também de cidadãos comuns. Ex-diretor geral da Head Systemic Design Bureau (GSKB) e do consórcio Almaz-Antei de Rasplétin, agora presidente do Conselho Não-Departamental de Perícia para a Defesa Aeroespacial (ASD), Igor Achurbeili informou que a Rússia interrompeu a fabricação do complexo de mísseis de média distância S-300. Além disso, a produção do S-300, feita até recentemente, estendeu-se exclusivamente devido a ordens do exterior.


Na imprensa, logo apareceram comentários de que a velha tecnologia está irremediavelmente ultrapassada e a nova ainda não foi adotada. Para completar, a defesa antiaérea de Moscou já não protegeria mais a cidade de mísseis ou bombas. Ao mesmo tempo, Achurbeili foi acusado de ter prejudicado os esforços políticos do presidente e revelado um segredo de Estado.


Na verdade, o presidente do ASD não falou nada de muito novo. Ainda no ano passado, em uma entrevista a um jornal bem conhecido, ele disse: “Poderíamos modernizar o S-300P Favorit para sempre. Mas a Almaz, a meu ver, agiu muito honestamente. Fechamos por nossa própria iniciativa esse tópico e demos continuidade à elaboração do S-500, que é um novo sistema antimíssil”.

 

 Leia mais:



-Venezuela exibe seu arsenal militar


 
Tamanha agitação não durou muito, já que o término da produção do S-300 – último complexo produzido para o nosso exército, ainda em 1994 – é um processo normal e natural. O sistema já utilizou todos os seus recursos técnicos e morais. Da mesma forma, tiveram os seus recursos esgotados os tanques T-72, o fighter MiG-29, as armas automotoras de artilharia Akassia e Gvozdika e outros, todos substituídos por equipamentos militares mais modernos.


Em substituição ao S-300, vieram os novos sistemas de mísseis antiaéreos S-400 Triumf. Eles são mais eficientes e mais produtivos, podem disparar fogo em 48 alvos em vez de oito e têm muitas outras vantagens. Duas bases do Triumf já estão posicionadas para proteger o céu da capital – e, de acordo com Aleksander Zelin, comandante-geral da Força Aérea russa, outras duas devem entrar em atividade até o fim do ano. Paralelamente, os sistemas Vitiaz e S-500 estão sendo desenvolvidos. Ou seja, e
stá claro que Moscou não ficou sem defesa aérea.

 
Como havia afirmado Achurbeili, o Vitiaz é um sistema de mísseis de médio alcance que pretende substituir o S-300PS. Não muito pequeno, móvel e bastante barato, terá as mesmas características táticas e tecnológicas do aparelho anterior. “Estamos desenvolvemos o sistema Morfeu de mísseis de curto alcance. Este sistema servirá, inclusive, para cobrir os S-400, S-500 e Tópol. Tem capacidade de exterminar bombas de precisão e mísseis de cruzeiro e interceptar linhas”, acrescentou. De acordo com Zelin, o equipamento destrói tudo o que se move em um raio de 5 km.


Supõe-se que o desenvolvimento do S-500 seja concluído até 2015. “Ainda não divulgamos todas as suas características”, informou Achurbeili. Segundo ele, o Morfeu, o Vitiaz, o S-400 e o S-500 fecharão todas as escalas de defesa de cinco a 400 quilômetros, no mínimo, com altitudes que variam de cinco metros até o espaço não muito distante.

 

Nada de pressa

 
É preciso considerar que, mesmo com a utilização do S-400, nem tudo está claro e óbvio. Tanto Achurbeili quanto Zelin apontam grandes problemas no sistema russo de defesa aérea, principalmente na Vanguard, fábrica de Moscou onde são fabricados vários equipamentos que o sustentam. Além disso, o ciclo tecnológico de criação do complexo não levou menos que dois anos.

 

Se não houver nenhum contrato em 2011, seria ingênuo esperar o surgimento de novos produtos daqui a dois anos, ainda mais se não houver certeza absoluta de que o Vitiaz e o Morfeu não estão atrasados em relação a essa data. De fato, o atraso na assinatura do contrato para a produção do S-400 pode levar a falhas no sentido de garantir uma proteção confiável às cidades grandes e às mais importantes zonas industriais e econômicas da Rússia.


Hoje em dia, não existe nenhuma ameaça real de ataque surpresa à Rússia. Por enquanto, o país tem um escudo ativo contra mísseis e armas nucleares, o que tornaria difícil a possibilidade de alguém se decidir a dar um passo tão imprudente. Com a criação de um novo míssil para os complexos S-400 e S-500, não é preciso correr tanto para buscar novidades – e, acima de tudo, não se pode gastar recursos públicos inutilmente.

 

Víktor Litóvkin é editor-chefe da revista Nezavisimoie voiennoie obozrenie (do russo, “Observador militar independente”).

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.