Quanto valem esses copeques

Estudo da escola superior de economia

Estudo da escola superior de economia

Salário de 548 rublos na URSS era equivalente a 72 centavos de dólar, mas ainda sim dava saúde, alimentação e descanso. Hoje, porém, russos têm mais posses.

Nos meses seguintes à queda da União Soviética, os produtos ocidentais, antes proibidos pelo Partido Comunista, inundaram o país. Vendedores de rua abasteceram suas barracas com papel higiênico macio, jeans da Levi’s, sapatos de qualidade e cigarros de marcas estrangeiras. Mas qual a vantagem dos produtos de qualidade se não há dinheiro para consumi-los?  

 

“Muitas pessoas anseiam pelo passado, época em que a vodca custava 3,62 rublos, a salsinha saía por 2,20 rublos, e o pão, apenas 13 copeques. Hoje, não se compra nada com um rublo”, diz Margarita Vodiánova em uma reportagem do jornal Óbschaia Gazeta. 

 

O salário mínimo de um russo logo após a queda da União Soviética, em 1991, era de 548 rublos por mês – o equivalente a 72 centavos de dólar americano, considerando a taxa de câmbio – de acordo com Evguêni Gavrilenkov, economista-chefe do banco de invesimento Troika Dialog.

 

Mas isso ainda era suficiente para ter uma vida decente, já que o Estado fornecia moradia, educação, serviços, assistência médica, creches, férias e casas de repouso. Embora nada disso fosse particularmente de boa qualidade, o acesso a tais benefícios era universal e gratuito. 

 

Com o salário mínimo padrão, era possível comprar 74 pacotes de pão de forma ou escolher entre: 6,2 kg de carne,  6,5 kg de linguiça, 13,5 litros de óleo vegetal, 163 litros de leite, 6 kg de queijo, 160 ovos, 28 kg de açúcar ou 3,5 litros de vodca.

 

Um estudo recente da Escola Superior de Economia em parceira com a revista Ekspert sobre as mudanças do padrão de vida dos russos entre 1990 e 2009 constatou que a renda per capita aumentou em 45%. Enquanto isso, o volume de consumo per capita mais do que dobrou, de acordo com os índices de consumo baseados no PIB.

Medindo a qualidade de vida em posses, os russos estão vivendo muito melhor hoje em dia que há 20 anos. Em 2008, um consumidor podia comprar 70% mais bens duráveis, 25% mais comida, e duas a três vezes mais cigarros, vodca, carros e roupas, do que na era soviética.

 

Ao mesmo tempo, porém, as despesas familiares com educação e cuidados médicos aumentaram substancialmente. A pesquisa aponta que, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), as despesas com planos privados representam, hoje, 40% dos gastos totais dos russos na área da saúde – um nível bem acima da média na União Europeia.

 

A média de espaço vital cresceu cerca de 40% ao longo das últimas duas décadas, atingindo o nível atual de 22 metros quadrados per capita - embora ainda se esteja bem atrás de países como a Finlândia, onde esse índice em 2009 correspondia a 39 metros quadrados per capita.

 

O aumento de 45% da renda é baixo para um período de 20 anos, especialmente porque as receitas caíram durante a maior parte dos anos 90 e só começaram a crescer após a crise financeira de 1998. E, embora a maioria das pessoas goze de rendas mais altas hoje que há 20 anos, a pesquisa mostrou que um em cada cinco russos vive atualmente abaixo de linha da pobreza, em condições piores do que na época dos comunistas.

 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.