Missão vai a Moscou discutir restrições à carne brasileira

Foto:Kommersant

Foto:Kommersant

Comitiva do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, chega a Moscou na próxima segunda-feira (4) para apresentar lista de 140 fornecedores dentro dos padrões russos ao Rosselkhoznadzor.

Na próxima semana, uma missão brasileira encontra-se em Moscou com o Rosselkhoznadzor (Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia) para discutir as restrições impostas à importação de carne do Brasil nos últimos meses.

“Na verdade nós queremos mostrar que nós cumprimos tudo aquilo que foi acordado”, disse por telefone à Gazeta Russa o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura do Brasil, Francisco Jardim.

A comitiva, que será composta pela área técnica brasileira e pelo secretário Jardim, vai se reunir com o chefe do Rosselkhoznadzor, Serguêi Dankvert, e sua área técnica na próxima segunda-feira (4). Em seguida, serão realizados encontros na embaixada do Brasil em Moscou, que podem contar com associações privadas.

Procurado pela redação da Gazeta Russa, o presidente da Abiec, Antonio Camardelli, declarou que não vai se pronunciar sobre o encontro. Segundo sua assessoria, ele foi convidado pelo ministério e pode integrar a comitiva.

Nova lista

 

O secretário deve apresentar à Rosselkhoznadzor uma lista de 140 indústrias que, de acordo com o ministro da agricultura Wagner Rossi, “cumprem 100% das exigências russas”.

“Estamos encaminhando uma relação de empresas que cumpriram todas as regras. Por isso, há algumas que, apesar de terem corrigido as falhas, tinham tal frequência de problemas que foram suspensas também por nós até que se obtenham os resultados de algumas avaliações que estamos fazendo”, explica Jardim.

Segundo ele, entre as 140 indústrias listadas, constam os nomes de algumas das 90 foram vetadas pelo governo russo no início de junho. “Nós levamos todas as empresas que nós avaliamos, então tem empresas dos Estados que foram embargados: do Mato Grosso, do Paraná e do Rio Grande do Sul. São empresas que estão dentro das normas da união aduaneira da Rússia”, explica.

Em abril deste ano, a Rússia suspendeu importações de 13 frigoríficos russos, número que subiu para 90 no início de junho.

Relações estreitas

 

Para Jardim, não há motivações políticas internas para a suspensão brasileira. “Nós detectamos não conformidades, tanto que suspendemos algumas das exportações”, afirma.

A ideia da comitiva é, ainda, estreitar as relações bilaterais com a Rússia e, de acordo com o secretário, a missão convidará os representantes russos a visitarem as estruturas e laboratórios brasileiros.

“O Brasil sempre manteve um bom relacionamento com a Rússia e quer mantê-lo, e, na verdade, até ampliá-lo. Nós inclusive estamos convidando o sr. Dankvert para uma grande reunião que vamos fazer aqui no Brasil, nos moldes das que a própria Rússia organiza, e convidar todo o Mercosul, todos os países que têm interesse no mercado russo, para promover uma maior integração no processo”, arremata Jardim.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.