Skôlkovo, a cidade do futuro

Mais de 800 jornalistas russos e estrangeiros participaram da entrevista/Foto:RIA Nóvosti

Mais de 800 jornalistas russos e estrangeiros participaram da entrevista/Foto:RIA Nóvosti

Boa parte do centro de inovação de Skôlkovo ainda não saiu do papel, mas o “Vale do Silício russo” ainda é a menina dos olhos do presidente Medvedev.

Em um pequeno vilarejo chamado Skôlkovo, situado 20 quilômetros a oeste de Moscou, está sendo construído o que para alguns representa um grande salto tecnológico, uma releitura russa do Vale do Silício, na Califórnia. 

“Espero que o mundo inteiro conheça esta marca não apenas como um local onde investidores devem aplicar dinheiro, mas pela força desse empreendimento no desenvolvimento”, disse o presidente russo Dmítri Medvedev em meados de maio, quando lá realizou um coletiva para mais de 800 jornalistas.

Espera-se que mais de 40 mil pessoas vivam e trabalhem nos 3,6 quilômetros quadrados da “Innograd” (uma abreviação russa para o termo “Cidade da Inovação”), que concentrará uma grande quantidade de empresas de alta tecnologia russas e, espera-se, multinacionais.

Medvedev deu sinal verde para o projeto em fevereiro de 2010. “Não acho que devamos olhar para a modernização nos guiando por rígidos padrões de tempo”, disse o presidente à imprensa.

Durante os últimos meses, a palavra Skôlkovo tem sido o principal chavão na maioria das conversas sobre o programa de modernização do Kremlin. Contudo, à parte a recém-inaugurada Faculdade de Administração de Moscou no local, grande parte do projeto ainda não passa de um rascunho. Mas Rússia está levando a sério sua vontade de abrir as asas, e pretende ampliar seu tradicional papel global de exportadora de matéria-prima e energia, tornando-se também um centro de desenvolvimento de alta tecnologia.

Medvedev visitou o Vale do Silício original para verificar o que poderia funcionar na Rússia. Na verdade, a região se tornou o principal centro tecnológico dos Estados Unidos principalmente devido aos gastos com defesa (fundamentalmente no combate à União Soviética) nos anos 70 e 80.

No entanto, a versão russa está sendo projetada em um outra era, e Skôlkovo está prestes a entrar em funcionamento em nível internacional.

“Esse lugar tem um significado especial para mim, porque é aqui que estamos desenvolvendo nossa nova tecnologia; aqui fundamos a Universidade de Skôlkovo e a faculdade [de Administração], e é aqui que será o nosso centro de inovação”, disse o presidente.

Empurrãozinho

Além de Medvedev, existe uma lista de empresários e acadêmicos trabalhando pelo sucesso do projeto.

O ex-diretor executivo da Intel, Craig Barrett, e o bilionário russo Víktor Vekselberg co-administram o conselho da fundação, que tem entre seus membros o presidente da Lukoil, Vaguit Alekperov, e Anatóli Tchubais, presidente da Rusnano (Corporação Russa de Nanotecnologia). Dois prêmios Nobel, de Física e Química, Jores Alfiorov e Roger Komberg, dirigem o Conselho Científico de Skôlkovo. 

“Skôlkovo será o maestro de uma orquestra composta por start-ups e investidores”, disse à Gazeta Russa o vice-presidente da fundação, Stanislav Naumov. “Embora o Estado tenha feito um lobby pesado pela liberação do projeto, é exatamente o envolvimento com o governo que não é bem-vindo aqui ou, pelo menos, qualquer dependência financeira, já que o governo concedeu dois terços da quantia total”, afirma Naumov. O vive-presidente da fundação ressalta que o capital cedido para o projeto será devolvido em, no máximo, oito anos.

Impulso à educação

Uma premissa por trás de Skôlkovo é a necessidade de casar inovação com educação. A primeira leva de 40 estudantes do curso de MBA da Faculdade de Administração de Moscou, lá baseada, se formou no ano passado. A Universidade Técnica de Skôlkovo deve começar as inscrições para os cursos de pós-graduação até 2014.

Existem, naturalmente, algumas dúvidas e contradições em torno do projeto. Mesmo que as start-ups (empresas, geralmente recém-criadas, em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados) russas realmente se instalem na Innograd e os cientistas internacionais as sigam, não se pode dizer que os pesquisadores farão o mesmo. 

“Desde 1990, houve 980 tentativas de criar tais centros de inovação, dos quais apenas 17 foram instituídos, e somente três atenderam às expectativas”, diz o arquiteto e membro da diretoria de planejamento Grigóri Rêvzin.

“Estatisticamente, a probabilidade de Skôlkovo ir por água abaixo é alta, mas isso não é motivo para acabar com os esforços”, completa. 

Para o ex-diretor executivo da Intel e colaborador de Skôlkovo Craig Barret, “o vínculo entre negócios e pesquisa é a verdadeira chance da Rússia de dar um salto tecnológico”.

“É preciso ter confiança na integridade de nossa causa, ainda que estejam faltando garantias”, afirma.

Assim como o Vale do Silício passou a ser considerado a encarnação da inovação, Skôlkovo está querendo estimular a imaginação enquanto se esforça para se tornar a marca da qual o presidente fala.

Para tanto, contratou até um diretor de cinema para rodar um seriado na estrutura do centro de inovações, de acordo com Naumov.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.