As oportunidades de negócios vão além de Moscou

Caricatura:Niyaz Karim

Caricatura:Niyaz Karim

Qual empresa é mais rentável: a que tem sede na capital russa ou em uma cidade do interior? O êxodo de Moscou já começou.

Moscou tem historicamente absorvido a maior parte dos investimentos e desenvolvimento da Rússia – ninguém ficou surpreso ao saber que, em 2010, mais de 90% dos investimentos internos acabaram sendo realizados em Moscou. No entanto, existem vários sinais de que a esmagadora preferência dos negócios por Moscou está chegando ao fim. A sobrecarregada infraestrutura de Moscou, as novas autoridades e suas diferentes prioridades, e os exorbitantes custos de vida e de realização de negócios são fatores que induzem as empresas a explorar a Rússia além dos limites de Moscou.

Como resultado, nos próximos dez anos, é esperada uma redução drástica do fluxo de trabalhadores de outras regiões para Moscou. Devido a uma combinação de forças de mercado e de políticas prudentes, a economia se tornará muito mais moderna até 2020, ampliando-se uniformemente nas demais regiões do país. Assim, a própria capital vai se tornar um lugar mais habitável – e, portanto, mais competitivo como um centro financeiro global.

O crescimento descontrolado de Moscou, evoluindo para uma metrópole superpovoada e cara, com uma infraestrutura sobretaxada, é parte do processo natural que a maioria dos países desenvolvidos presenciou. A reação do mercado ao se afastar da metrópole para cidades mais acessíveis com melhor qualidade de vida é igualmente natural – e está prestes a começar na Rússia.

Pelo fato da Rússia ter entrado numa nova era de modernização, a debandada de Moscou já começou, liderada pelo setor mais inovador da economia: tecnologia da informação (TI). Pelo menos 12 grandes empresas de TI têm instalado ou realocado suas áreas de pesquisa em outras cidades, incluindo a Accenture, que se instalou em Tver; a Hewlett-Packard, em São Petersburgo; a Oracle, em São Petersburgo, Novosibirsk, Toliátti e Riazan; e a Intel, em São Petersburgo, Nizhni Novgorod e Novosibirsk.

Por quê? O principal aspecto é a capacidade de contratar e reter os trabalhadores que possuem formação necessária para os negócios. 

Como sabem os profissionais de recursos humanos, as melhores contratações vêm geralmente de instituições de ensino fortes que estão presentes nas demais regiões do país. Essas escolas fabricam especialistas com habilidades que se somam aos seus colegas de Moscou – mas com expectativas iniciais de salário inferiores. Quando eles chegam a Moscou, contudo, os muitos concorrentes aumentam as suas perspectivas e, consequentemente, a recompensa por seus esforços.

É mais barato para uma empresa montar a sua estrutura ou se expandir em uma região menos povoada, lado a lado ao instituto que prepara os especialistas dos quais precisa – sem a proximidade de concorrentes e com mercado imobiliário mais acessível.

Como isso é visto do ponto de vista do empregado? O caminho tradicional do sucesso para jovens talentos russos é se mudar para uma grande cidade – Moscou –, porque não existem muitas ofertas de emprego em casa.

No entanto, as perspectivas de moradia desses funcionários têm melhorado significativamente, uma vez que a indústria está se movendo em direção às regiões menores. Com um salário equivalente a 70% do que se ganharia em Moscou, um graduando pode pagar um financiamento imobiliário em sua cidade natal, onde um apartamento é três vezes mais barato do que em Moscou. A cidade de Kaluga, por exemplo, tem um mercado de mais de 125 mil compradores, incluindo 25 mil funcionários de um crescente parque industrial moderno da região.

Muitas empresas se estabelecem em Moscou para ficarem próximas aos seus clientes. Para muitos serviços financeiros, judiciais e de consultoria, a maioria dos clientes sempre estarão em Moscou. Em outros setores, incluindo petróleo, gás natural e produtos farmacêuticos, o governo é um parceiro ou um regulador, ou ambos. 

Para a maioria das empresas, cada ramo tem o seu próprio conjunto de fatores que determinam a sua localização ideal. A maioria das fábricas precisa estar próxima de mão-de-obra abundante e acessível, e não próxima ao cliente – exceto nos casos em que os custos de logística representam uma parcela grande do custo total do produto. Algumas precisam estar perto de matéria-prima barata. Quase todas dependem de serviços de utilidade pública baratos e confiáveis.

Contabilidade e finanças, atendimento ao cliente, reparação, treinamento e muitas atividades de RH não precisam estar próximas de seus clientes internos ou externos. Desse modo, em 2008, o Banco Alfa comprou o prédio de uma antiga fábrica em Ulianovsk e reestruturou praticamente 7,5 mil metros quadrados para comportar suas áreas de suporte. O Sitibank também adquiriu seis mil metros quadrados em Riazan.

Outro exemplo é o caso de uma grande empresa de auditoria que decidiu ficar perto dos seus principais clientes, posicionando equipes de auditoria em cidades menores onde as corporações estão presentes.

Historicamente, a transição de cidades que cresceram demais para regiões menores acontece quando as condições de mudança começam a criar um melhor ambiente de negócios e de vida nesses outros lugares. Existem muitos fatores evidentes que expõem a necessidade de diminuir a participação de Moscou nos negócios, e o governo parece ter percebido agora que o crescimento interminável é ruim para a cidade e para a Rússia como um todo. É fato que para Moscou ter um desempenho eficaz como um moderno centro financeiro internacional, uma menor demanda em termos de infraestrutura e competição entre os seus trabalhadores será benéfica. Mesmo porque esses trabalhadores podem ser economicamente mais eficientes em outras regiões onde mais investimento se faz necessário. 

Então, o que essas regiões precisam ter para atrair as oportunidades de negócios e segurar os seus jovens talentos? Os riscos e custos dos negócios devem ser favoráveis comparados àqueles em Moscou, bem como a acessibilidade e a qualidade de vida dos indivíduos envolvidos no processo.

Os riscos se mostram menores e os custos se tornam evidentemente menores quando a infraestrutura imobiliária é disponibilizada: rodovias e utilidades públicas para as fábricas; vias, eletricidade e desenvolvimento do sistema de fibras óticas para os escritórios. As regiões que estão entregando esses serviços em um processo transparente, isento de corrupção, estão ganhando o investimento das empresas na Rússia.

A cidade de Kaluga se tornou o principal exemplo. Quatro parques industriais criados com a infraestrutura financiada pelo governo por meio de um empréstimo realizado pela VEB, associada a uma abordagem prática e transparente da equipe pessoalmente liderada pelo governador Anatóli Artamonov, atraiu mais de cinco bilhões de dólares em investimento e criou uma rede de mais de 25 mil novos empregos.


Em uma reunião recente, Artamonov explicou que a sua região está focada agora em assuntos relativos a crescimento, e não a estagnação. Novos negócios têm criado demanda por padrões superiores de infraestrutura, incluindo habitação, hotéis, educação e assistência médica. Esses são fatores que melhoram a qualidade de vida dos jovens profissionais e de suas famílias – e farão com que eles escolham lugares como Kaluga em vez de Moscou no decorrer do tempo.

Em Kaluga e em Riazan, o recente fluxo de trabalho bem remunerado já tem criado escassez de apartamentos, levando as incorporadoras a investir em novos projetos residenciais.

Paralelamente, os financiamentos imobiliários acessíveis são um fator crucial para a crescente mobilidade. O governo entende isso e está trabalhando nos fatores estruturais que permitem aos bancos oferecem taxas de juros mais baixas e prazos de pagamentos mais longos.

Desse modo, o processo que está sendo observado é interativo. Como as grandes empresas vêm abrindo escritórios e fábricas em outras regiões, a crescente força de trabalho está demandando uma ampla gama de serviços modernos. Essa demanda, por sua vez, representa uma ótima oportunidade para as indústrias de serviço, que por si só estimulam o mercado imobiliário e os demais setores estruturais, e criam mais oportunidades de emprego – e, assim, movimentam a espiral ascendente da economia. 

À medida que mais regiões estão descobrindo como dar os primeiros passos para obter a infraestrutura certa, elas também estão atraindo oportunidades de negócios que podem convencer os talentos locais a ficar em casa em vez de se mudarem para Moscou.

É por esse motivo que as empresas não devem esperar que a Rússia se modernize antes de investirem nessas regiões. Afinal, é essa iniciativa que irá acelerar o processo de modernização do país.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.