Cooperação na esfera da filosofia

Russos poderão entender melhor o Brasil com a criação de novo centro de pesquisas da cultura e filosofia voltado ao maior país da América do Sul.

Fotos:Ruslan Sukhuchin

Está sendo criado em Moscou um centro de pesquisas da cultura e da filosofia brasileira. A nova organização promoverá o estudo das peculiaridades do pensamento do maior país da América do Sul. “É um trabalho inédito”, afirma a diretora Irina Malkôvskaia.

Envolvida há anos no estudo das correntes filosóficas no Brasil, a diretora afirma estar segura de que é imprescindível transmitir aos russos a riqueza social e cultural do país. “O pensamento social dos brasileiros é muito interessante e semelhante ao nosso. Existe uma corrente bastante específica: o culturalismo filosófico. Ela tem por objetivo colocar justamente a cultura como o nexo da vida, o que também é próprio da nossa tradição filosófica”, disse Malkôvskaia em conversa com o correspondente da Gazeta Russa.

O Instituto Russo de Estudos Culturais é um centro de pesquisas científicas cuja principal tarefa é estudar os problemas da cultura da maneira mais abrangente possível em seus aspectos metodológicos, geográficos e temporais.

Nos últimos anos, a cooperação entre Rússia e Brasil vem se desenvolvendo rapidamente. A maioria dos órgãos consultivos de relações entre as nações, porém, é orientada preferencialmente para o desenvolvimento do comércio. Empresários dos dois países criaram uma câmara de comércio e um comitê de questões agrárias. Funcionários governamentais fundaram uma comissão russo-brasileira de alto escalão, formada por sete grupos de trabalho, apenas um deles destinado ao desenvolvimento da cooperação “nas áreas da cultura, educação e esporte”.

“Antigamente os acadêmicos russos tinham interesse apenas pelo estudo da língua portuguesa e por pesquisas filológicas da literatura da América Latina. Naquela época, a maioria dos russos não entendia a cultura brasileira como algo autônomo e único”, conta Irina.

A abertura oficial do centro está marcada para o fim de abril, coincidindo com o dia do nascimento de Georg Heinrich von Langsdorf, que em 1812 foi nomeado o primeiro cônsul do Império Russo no Brasil. O presidente da Academia Brasileira de Filosofia João Ricardo Moderno deverá estar presente na inauguração do centro. Entre os planos para o futuro da entidade, está a realização de um festival de cultura russa no Rio de Janeiro, no qual serão apresentados filmes do país e um ciclo de palestras.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.