Atores iniciantes

Preocupada, Irina desempenha o papel de Beatrice, que está ofendida pela desconfiança do seu amado Silvio/Foto:Mark Boiarski

Preocupada, Irina desempenha o papel de Beatrice, que está ofendida pela desconfiança do seu amado Silvio/Foto:Mark Boiarski

Em projeto pioneiro, pessoas comuns pagam para ganhar um papel em um filme.

Há pessoas que vão a sets de filmagem sem experiência alguma em atuação. Não chegam com as mãos vazias, mas sim com o bolso cheio: para participarem de um longa-metragem, elas pagam de centenas a milhares de dólares. É esse o espírito do projeto “O Meu Papel”, que abre espaço a quem deseja participar de seu filme preferido.

A iniciativa permite que pessoas façam parte de episódios dos filmes soviéticos mais populares: “12 Cadeiras”, “D’Artagnan e os Três Mosqueteiros”, “Tchapaev” e até “Lênin em 1918”. A propósito, o papel do ex-ditador custa US$ 2 mil (R$ 3.257) e já foi solicitado por seis candidatos.

O projeto não se preocupa com o visual dos atores. O papel do doutor Watson, por exemplo, já foi desempenhado por um ator de pele negra, ainda por cima um estrangeiro que não fala bem russo.

Os responsáveis explicam porque preferem filmar episódios e não a produção completa: “Quando estamos à mesa com os amigos, em boa companhia, não citamos nas conversas todo o filme ou o livro. Citamos frases e diálogos mais conhecidos, proverbiais”.

A primeira cena filmada foi a de “12 Cadeiras”, de autoria de Leonid Gaidai. No trecho do filme, Ostap Bender vai à casa de Elzinha para trocar um coador de prata por cadeiras.

Antes das filmagens, os atores veem num laptop um episódio do filme clássico que terão de representar. Nesse caso, Elzinha foi interpretada por uma estudante de hidrogeologia de 19 anos, com estatura de modelo. 

“Nunca quis entrar em uma escola de artes cênicas”, explicou a moça. “No entanto, tinha vontade de desempenhar um papel em um episódio. Achei interessante conhecer o processo de filmagem e as emoções que isso provoca nos atores. Faço aniversário hoje e meu pai deu-me um presente, pagando pelo papel.”

À reportagem, o primeiro ensaio de um episódio num set pareceu mais um espetáculo amador do que uma filmagem profissional. Depois, tudo andou melhor.

“Aqueles que não são professionais do cinema pensam que tudo é fácil: basta chegar, desempenhar o seu papel e ir embora”, afirma Olga Darfi, diretora do episódio. “No momento em que enfrentam dificuldades, vão embora rapidamente. Mais: quando fazem o pagamento, acham que somos subordinados a eles. Mas a gente é exigente.” Outros participantes do projeto, porém, manifestaram uma posição completamente diversa.

Moradora da região de Belgorod, Irina desempenhou o papel de Clarice em um episódio do filme “Truffaldino de Bergamo”, feito na União Soviética em 1977 com base na comédia de Carlo Goldoni “Servo de Dois Mestres”. Ela ensaiou durante várias horas seguidas um episódio com Andrei, também ator amador.

Com duas faculdades (filologia e filosofia) no currículo, atualmente dona de casa e mãe de dois filhos, ela explicou dessa forma a sua participação no projeto: “Gosto de teatro desde a infância. Quando era estudante, participei de grupos de teatro amador. Tinha o sonho de tentar uma carreira no cinema, mas não consegui. Por acaso, vi um anúncio do projeto e entendi que essa era a chance de realizar o meu desejo”.

Por enquanto, ainda não ficou claro como o projeto estará no futuro. Mas não se descarta que, para alguns, o set de filmagem pode ser o cenário do início de uma nova carreira.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.