Produtor de potássio mira o Brasil

País será um dos líderes do crescimento

País será um dos líderes do crescimento

Espera-se que o setor agrícola do país cresça 40% até 2019. Produtividade está intimamente ligada ao volume total de fertilizantes utilizado nos campos brasileiros.

Atrás somente da canadense PotashCorp e da norte-americana Mosaic, a empresa criada com a fusão das russas Uralkáli e Silvinit vai passar a fornecer potássio para o Brasil através da BPC (Belarusian Potash Company) – que realizava as vendas da Uralkáli no mercado internacional. Contando também com produção própria, a BCP é líder mundial em volume de vendas para os mercado brasileiro e indiano.

“Cerca de 90% do nosso potássio é importado e o Brasil é o 3º maior consumidor do produto no mundo”, explica o pesquisador da Embrapa Vinicius Benites. “Em relação ao potássio, Deus definitivamente não é brasileiro”, brinca.

O consumo de fertilizantes minerais nesse setor praticamente duplicou nos últimos cinco a sete anos. “Os contratos firmados nesses mercados influem de modo considerável nos preços e na demanda de outros mercados de potássio”, afirma o diretor-geral da Silvinit, Vladislav Baumgertner.

“No país, hoje, não há nenhuma fonte de potássio. Em outras palavras: o Brasil vai ter que pagar o preço”, afirma Benites.

Atualmente, são consumidas quase 6 milhões de toneladas de fertilizantes no Brasil e o volume de produção do setor agrícola brasileiro crescerá 40% até 2019, segundo o relatório da ONU sobre o desenvolvimento agrícola e segurança alimentar.

O país deve ser um dos líderes em crescimento no setor nos próximos anos, superando em um terço os tradicionais consumidores dos produtos das companhias russas de fertilizantes – a própria Rússia e a Ucrânia.

Isso se explica pelo fato de que, entre 2008 e 2009, devido à crise, os agricultores aplicaram menos fermento mineral  do que o necessário para o solo.

“Existe uma relação muito estreita entre produtividade e o consumo de fertilizantes no Brasil”, diz Benites. “O país não pode, como a Argentina, ficar 2 ou 3 anos sem comprar potássio”, completa. Segundo a ONU, o ritmo de crescimento será de somente 4% na Europa e de 10% ou 15% nos EUA e Canadá.

Atraente para os produtores de fertilizantes, o Brasil precisaria empreender esforços muito maiores para a criação de uma parceria mais intensa ou uma joint-venture, segundo Baumgertner. “É difícil fazer parcerias porque somente 12 países no mundo possuem grandes reservas de potássio. Além disso, a realização de um projeto totalmente novo nessa área demora uns sete ou dez anos”, explica.

Entretanto, os contratos de compra pontual ainda despertam o interesse dos produtores, já que os preços das transações acompanham com mais rapidez as flutuações do mercado. A fusão, entretanto, não traria muita diferença para o agricultor. “O mercado é dominado por poquíssimas empresas porque é preciso um grande aporte logístico”, explica Benites. “Como o preço é internacional, o produtor rural nem sabe a diferença entre o potássio russo e o canadense”, completa.

Plano B

Em 2010 o governo brasileiro concentrou esforços no âmbito geológico para a identificação de reservas de potássio e a Vale do Rio Doce comprou minas na Argentina com o objetivo de produzir para o mercado brasileiro. “O Brasil não tem reservas como a Rússia, mas conta com reservas potenciais na costa, ou seja, o pré-sal”, conta Benites. A extração do elemento na camada superior ao petróleo, entretanto, não é para um futuro próximo.  

“Não temos margem para, no curto prazo, criar outra alternativa de potássio para substituir a importação”, afirma Benites.

A fusão das produtoras russas deverá se concretizar no segundo trimestre desse ano. As condições do contrato já foram aprovadas pelos conselhos das diretorias, apoiados pelos acionistas.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.