Fashionistas muito além da Semana de Moda

Foto: RIA Novosti

Foto: RIA Novosti

A Semana de Moda Russa 2010 chegou ao fim, mas quem agora chama a atenção são jovens talentos que não estavam no evento.

Diferentemente do que acontecia nos anos 90, quando a Semana de Moda Haute Couture e a Prêt-à-Porter da Rússia destacavam nomes pouco conhecidos, desta vez o principal evento do setor deu pouca oportunidade aos estilistas da nova geração. Desde que os desfiles da alta-costura foram substituídos pela Semana de Moda Volvo e as apresentações das peças comerciais deixaram de existir para dar lugar, em 2000, ao ambicioso projeto da Semana de Moda Russa, estabeleceu-se uma disputa desenfreada entre os eventos para ver quem atrai mais artistas, cantores pop e estrelas do show business.

Os desfiles foram transformados em show business da moda profissional, com preços altíssimos para quem quer fazer parte do evento (valor que sempre cobre as taxas de participação e os gastos de organização do espetáculo). As primeiras filas estão sempre apinhadas de estrelas e mal sobra espaço para editores, compradores ou estilistas.

As dificuldades para os novos nomes são muitas. O percurso até as passarelas é duro e a conquista de espaço é uma disputa cada vez mais acirrada. Além disso, grande parte dos estilistas que está começando encontra resistência do consumidor no próprio país e acaba vendendo poucas peças no mercado interno. Antes que os russos se disponham a conhecer um estilista e comprem sua produção, o profissional precisa conquistar os fregueses de fora.

Mas, ainda que seja preciso um bocado de força de vontade para começar uma grife na Rússia, alguns profissionais de moda do circuito “off Fashion Week” têm se destacado no cenário internacional.

Dezenas de butiques especializadas exclusivamente em marcas russas foram abertas nos últimos anos, tanto em Moscou quanto no resto do país, e alguns dos talentos locais mais originais têm causado sensação na mídia e em tapetes vermelhos pelo mundo afora.

Aleksandr Terekhov

“Luxo democrático”. É assim que o jovem moscovita Aleksandr Terekhov define sua produção e sua filosofia de trabalho.

Ele começou a brilhar há apenas um ano, quando o site de moda Style.com recomendou seu trabalho. Logo em seguida, celebridades como Angelina Jolie, Misha Barton e Dania Minogue foram vistas vestindo suas produções.

Hoje, seu foco é expandir a marca na Rússia e nos países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes), produzindo sistematicamente quatro coleções por ano, cheias de roupas voltadas para mulheres marcadas pela feminilidade, elegância, sensualidade e simplicidade – tudo ao mesmo tempo.

Dmítri Loginov

O estilista venceu uma competição de novos talentos em Krasnoiarsk, sua cidade natal, e chegou a Moscou no início dos anos 2000, quando ganhou uma viagem para Londres e um estágio na versão russa da revista L’Officiel.

Há alguns anos, depois que assinou a coleção masculina da Arsenicum, recebeu de Godfrey Deeny, editor-chefe do Fashion Wire Daily, o título de “a nova estrela da moda russa”. Neste ano, Loginov estreou modelos femininos durante a Semana de Moda Aurora, em São Petersburgo.

Vika Gazinskaia


A estilista russa Vika Gazinskaia já é bem conhecida na cena da moda. Se por algum tempo o interesse pelo estilo de Vika e por suas apresentações desviava a atenção do público de seu trabalho, as últimas duas temporadas mostraram que a fashionista é um dos nomes mais poderosos na criação de moda.

Sua mais recente coleção de verão foi exibida na loja Collette de Paris durante a semana da Haute Couture francesa. A maioria das peças de Vika é feita, pelo menos parcialmente, à mão e ela trabalha apenas com os melhores tecidos e acessórios, despendendo muito de seu tempo com testes para encontrar os melhores materiais. “Eu não tenho um investimento pesado, então cresço e me desenvolvo só com muita atitude no trabalho, como se fazia antigamente,” diz.

Max Tchernitsov

Um rebelde, mesmo entre os mais notáveis estilistas russos, Max é também um estudioso. Já defendeu tese em Letras pela Universidade de Magnitogorsk e tem um trabalho teórico sobre a moda russa contemporânea.

Ele cria manifestos ousados, envolvendo mulheres-bombas com falsos explosivos e cosmonautas do passado.

Neste ano, Tchernitsov misturou a tradição de cortes pré-revolucionários, soviéticos e contemporâneos, unindo-os todos num terno masculino. Suas camisetas com estampas exóticas vendem como água e críticos locais o apelidaram de “trocista da moda russa”.

Leonid Alekseiev

O estilista de São Petersburgo Leonid Alekseiev trouxe a Moscou o tema da mulher frágil e refinada, mas ainda forte e fatal. Sua primeira aparição memorável, em 2004, foi num desfile na Igreja Católica, cujo coral vestia suas produções.

Depois do sucesso, ele subitamente deixou seu pequeno ateliê e partiu para Londres, onde mora e trabalha hoje em dia. Em 2009, Alekseiev foi apontado como “estilista do ano” pela revista GQ Rússia.


Moscovitas dão adeus ao brilho e à extravagância

Moda casual nasceu depois da crise e invade grandes cidades, mas no interior os russos ainda preferem o excesso de brilho e as peles.


Phoebe Taplin, Nora Fitzgerald, para Gazeta Russa

 

Quando a rede sueca de lojas H&M – um hit entre os magazines fashion europeus, que apesar dos rumores ainda não tem planos concretos de abrir lojas no Brasil – chegou em Moscou, em 2009, a cidade já abrigava outras marcas acessíveis ao consumidor médio. Estavam presentes Zara, Miss Sixty e a badalada inglesa Top Shop – essa sim com abertura prevista em São Paulo para o primeiro semestre de 2011. Mas foi naquele momento que a terrível ruptura da capital russa com o mundo da moda pareceu finalmente ter acabado de vez.

Já faz algum tempo que os grandes shopping centers existem em toda cidade russa que tenha mais de um milhão de habitantes, mas só nos últimos anos eles começaram a acolher marcas de preços razoáveis.

Vlada Lugovkina, 26, relações-públicas em Moscou, lembra que nem sempre foi assim. “Nos anos 90, não havia lojas de roupas comuns na Rússia, somente lojas muito caras ou com uma seleção muito esquisita. Então, muitas pessoas compravam tudo nos mercados. Durante muito tempo eu só comprei roupas em viagens ao exterior”, conta ela, que hoje se diz aliviada por viver em uma cidade onde consegue achar roupas que cabem no seu gosto e no seu bolso.

O estilista russo Valentin Iudashkin, que em 2006 criou sua primeira linha de casual jeans no país, afirma que “Moscou está mais descontraída” . Ele se diz feliz por ver hoje “menos exibicionismo” e um look mais suave nas ruas.

“Com certeza absoluta prefiro roupas casuais. Acho que  é  mesmo a  tendência”, concordou a estudante Annia Inozemtseva, 18, enquanto disputava um lugar no provador lotado da H&M moscovita.

O mercado de trabalho também deve ajudar a manter esse caminho. Com noprofissões modernas pipocando a todo momento no país – estilistas, fotógrafos, comunicadores e profissionais da internet, por exemplo – os empregadores estão muito mais permissivos em relação ao visual.

Isso não quer dizer, no entanto, que a nova moda abra mão de uma produção poderosa. “Toda mulher anda cheia de maquiagem, cabelos impecáveis e bolsas de mão. E ainda há muito salto alto e poucos tênis”, analisou a artista e professora inglesa Alice Hodge, 28, durante visita a Moscou.

Enquanto alguns fashionistas dizem que os moscovitas estão cada vez mais casuais (ainda que o resto da Europa não concorde), a diferença em relação a quem mora fora da capital é gritante. Nessas regiões, ainda predomina o look exagerado, cheio de casacos de pele, acessórios e muita grife.


Demissões balançam mercado editorial

Editoras da L’Officiel e da Vogue foram demitidas de surpresa. A primeira voltou ao cargo, mas a outra não teve a mesma sorte.


Svetlana Smetanina, para Gazeta Russa

 

Na última estação, as editoras-chefes de duas das mais importantes revistas de moda da Rússia foram demitidas com poucos meses de diferença. A notícia bombática deixou em polvorosa os círculos fashionistas de Moscou.

A saída da responsável pela  Vogue russa, Aliona Doletskaia, foi acompanhada de elogios rasgados de Jonathan Newhouse, presidente da editora, que afirmou que ela era “a própria personificação” da revista: “Tão carismática e elegante como a revista que publica”.

Evelina Kromchenko, que comandava a versão russa da revista L’Officiel, por outro lado, foi mandada embora da maneira mais deselegante possível. Chegou ao trabalho e viu-se trancada do lado de fora de seu escritório. No lugar dela, o editor da publicação colocou a esposa, uma ex-modelo que trabalhava na redação da revista havia apenas seis meses.

Trajetória

Aliona,  filha de um famoso cirurgião da capital russa, cresceu entre diretores de cinema, escritores e atores. Formou-se em Letras na Universidade Estatal de Moscou e trabalhou para companhias como a BBC e o British Arts Council. A direção da Vogue foi quase uma continuação lógica de sua carreira. Nas mãos dela, a revista tornou-se a bíblia russa do bon vivant. Toda edição trazia fotografias de ricos e famosos, além de reportagens sobre as reuniões sociais fechadas das quais a própria Aliona era habitué.

Em contraste, Evelina raramente é vista em eventos sociais. Quando a L’Officiel chegou em Moscou, ela já era conhecida como uma das poucas especialistas no assunto do país. O fato de ela ter sido escolhida para o cargo de editora não foi surpresa para ninguém. A jornalista, que nasceu em uma família simples da república do Bascortostão, bem distante de Moscou, apostou ainda na faculdade na então inexistente cobertura da moda na Rússia.

À frente da publicação, seu talento estava em criar novas estrelas da moda russa, como aconteceu com a jovem estilista Vika Gazinskaia.

Diz-se que Evelina e a protagonista do filme “O Diabo Veste Prada”, Miranda Priestley, interpretada por Meryl Streep, tinham muito em comum. Inclusive o hábito de massacrar organizadores de desfiles que não lhes reservassem o assento correto – a toda poderosa da L’Officiel teria sido até convidada para dublar a personagem.

Apesar da fama, Evelina voltou triunfante a seu antigo e amado posto. E mais, a Les Éditions Jalou, proprietária da revista, nomeou-a diretora da casa para o relançamento da versão russa com um novo editor – o antigo, assim como sua jovem mulher, vão ter de procurar um novo emprego.

Já Aliona declarou aos jornalistas: “Vocês não precisam transformar isso numa tragédia. Estou tirando umas férias para cuidar de mim mesma”.

Há dois anos, quando perguntada sobre a possibilidade de deixar a revista, ela havia dito que amava o trabalho e não planejava mudar nada. Agora, ressaltou, diz não ter dúvidas de que “existe vida após a Vogue” .

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.