5 aventuras culinárias pelo Anel de Ouro

Mais de um milhão de turistas percorre anualmente o Anel de Ouro.

Mais de um milhão de turistas percorre anualmente o Anel de Ouro.

Shutterstock
As igrejinhas antigas e acolhedores kremlins não são os únicos atrativos das cidades do Anel de Ouro: a cozinha também é parte do patrimônio cultural local.

O Anel de Ouro é a rota turística mais antiga da Rússia, com oito cidades ao redor de Moscou: Serguiev Possád, Pereslavl-Zalesski, Rostov Velíki, Iaroslavl, Kostromá, Ivanovo, Suzdal e Vladímir.

Há, ainda, outras cinco cidades menores cuja inclusão no anel é discutida: Aleksandrov, Iuriev-Polski, Tutaev, Uglitch e Pliôs.

Mais de um milhão de turistas percorre anualmente o Anel de Ouro em busca de compreender a misteriosa alma russa e conhecer a verdadeira Rússia.

E isso tudo se depreende não só da arquitetura das cidades milenares, mas também na culinária local.

O Reino acebolado de Rostov Veliki

Geleia de cebola Foto: Yulia Shandurenko, Gazeta RussaGeleia de cebola é iguaria improvável encontrada no anel. Foto: Yulia Shandurenko, Gazeta Russa

A cebola de Rostov, que já foi teve valor estratosférico nos tempos áureos da classe mercantil local, é ingrediente indispensável dos principais pratos da cidade.

Aqui se come sopa de cebola, purê de cebola, cebola assada recheada, geleia de cebola e pãezinhos dourados de cebola - e, pasmem!, nesses, a cebola é base da massa e não do recheio.

O lúcio do lago Nero de Rostov, peixe considerado mágico e realizador de desejos nos contos de fadas russos, também é preparado ali como uma iguaria local.

Foto: Alamy/Legion-MediaAlmôndegas de lúcio com doce de cebola. Foto: Alamy/Legion-Media

Uma combinação local comum é a de almôndegas de lúcio com doce de cebola, de consistência suave.

Por apenas 400 rublos (US$ 6), o turista pode comprar "varênie" (do russo, geleia) e doce de cebolas para levar de lembrança.

Onde provar: no restaurante "Chutchi dvor" e no café-teatro "Lukova slobodá".

O peixe-dourado de Pereslavl-Zalesski

Foto: Lori/Legion-MediaUma batida com a parte de trás da faca nas costas é o suficiente para se livrar de todos suas espinhas. Foto: Lori/Legion-Media

Símbolo gastronômico da cidade, o corregão (Coregonus albula), fazia parte do cardápio de coroação na época dos tsares.

Essa iguaria de Pereslavl só existe no lago Plecheevo, o mesmo onde Pedro I realizou os testes dos primeiros protótipos de navios criados por ele para a Marinha russa.

Durante a temporada de pesca, de maio a setembro, pode-se comprar corregão defumado e salgado das velhinhas - que vendem o produto nas proximidades do Mosteiro Nikitski - ou prová-lo frito nos cafés da cidade.

Os apreciadores locais do peixe aconselham comê-lo da seguinte maneira: deve-se colocar o corregão de barriga para baixo e bater de leve com uma faca na parte de trás do peixe. Você ficará surpreso com a facilidade com que a carne se separa da espinha.

Onde provar: no centro turístico "Fisсh Herberg".

Scamorza à moda de Iaroslavl

Foto: Alamy/Legion-MediaTurista pode assistir ao processo de produção artesanal de queijos locais. Foto: Alamy/Legion-Media

Com as sanções e a substituição das importações, os fazendeiros de Iaroslavl mostraram uma engenhosidade ímpar: agora oferecem aos turistas a oportunidade não apensa de provas, mas também de assistir pessoalmente ao processo de preparação de queijos artesanais na queijaria Signore Formaggio.

Ali, todos os queijos são feitos artesanalmente com leite de vacas locais.

Os suvenires são os próprios queijos, que podem ser provados e adquiridos no local.

A biblioteca onde pode-se (e deve-se) comer

Foto: Lori/Legion-MediaCalda de pinhas confere sabor sem igual ao chá oferecido na biblioteca. Foto: Lori/Legion-Media

A Biblioteca Varênie (do russo, "Biblioteca Geleia") é a única do mundo onde não só não é proibido comer, como a atividade é incentivada no seu interior.

O nome do museu interativo é uma homenagem a uma das sobremesas russas mais populares para acompanhar o chá.

Nos deliciosos e informativos livros dessa biblioteca você descobrirá quais os doces preferidos de Ivan, o Terrível, como as moças russas encantavam os namorados com a ajuda da geleia e que ingredientes levava a geleia de Bersenevskaia, a favorita de Púchkin – e tudo isso com a degustação do tradicional chá russo ao redor de um samovar.

A geleia mais diferente que se pode provar por ali – na forma de um delicioso remédio para tratar resfriados – é feita de pinha de abeto.

As pinhas imersas na compota são suaves e condimentadas, e podem ser mastigadas com gosto. O aroma de pinha que fica na boca é uma delícia, tanto com chá, como com os pãezinhos de cebola de Rostov.

Excursões em inglês podem ser solicitadas com antecedência por e-mail.

Essas e outras iguarias locais das cidades do Anel de Ouro também podem ser provadas e adquiridas durante a feira anual de turismo Visit Russia.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.