De fortaleza do tsar a destino de férias de Paris Hilton

Monumento a Salavat Iuláiev, líder de revolta camponesa, é principal símbolo da cidade. Foto: Oleg Menkov

Monumento a Salavat Iuláiev, líder de revolta camponesa, é principal símbolo da cidade. Foto: Oleg Menkov

Na Rússia central, capital da Bachquíria foi construída a mando de Ivan, o Terrível, e encanta por beleza, diversidade e receptividade.

Em visita a Ufá, a celebridade Paris Hilton se referiu à cidade como “um lugar lindo” e um destino de férias maravilhoso. Embora nem todos os que visitem a capital da Bachquíria sintam sua vibração logo de cara, tem muita coisa para se ver e fazer nessa agradável capital regional de mais de um milhão de habitantes.

Antes um povo seminômade, cujas influências culturais resultam tanto de sua interação com a Ásia Central, como com Moscou, os bachquírios são de uma hospilidade ímpar.

Sua capital foi fundada em 1574 por ordem de Ivan, o Terrível, para ser uma fortaleza de defesa do sudoeste do Império Russo contra incursões externas. Ela foi um dos principais cenários da rebelião de Pugatchov (1773-1775), revolta camponesa contra o Estado russo fomentada por um ex-tenente do exército descontente.

Assim como seu vizinho mais célebre Tatarstão, a Bachquíria é uma república multiétnica e multirreligiosa. Seu povo coexiste em paz há séculos, enquanto seu horizonte é pontilhado por minaretes e cúpulas douradas de igrejas ortodoxas.

A mesquita mais importante da região é a Lialia-Tiulpan, a 13 km do centro de Ufá, no Parque da Vitória. Concluída em 1998, ela tem minaretes de 53 metros, que estão entre os três mais altos do país. 

A mesquita Lialia-Tiulpan Foto: lori/legion media

Já a igreja ortodoxa russa Rojdestvo-Bogoródistki tem uma torre de 47 metros de altura e se distingue por sua cor azul-bebê. Erguida no final do século 19, chegou a funcionar como hospital até 1934 e, a partir da década de 1950, abrigou um cinema. Em 1991, o terreno foi devolvido à Igreja Ortodoxa Russa, que uniu enormes esforços e a reconstruiu em 15 anos. Hoje, a igreja tem capacidade para receber milhares de fiéis.

Ufá tem um charmoso Gostíni Dvor - como se chamam determinados centros comerciais na Rússia -, localizado na rua Lênin, no centro da cidade. Com arcos clássicos construídos no século 19 e preservados através da era soviética, ele é cercado pelas choperias do parque vizinho, onde a cidade inteira parece se reunir à noite. 

Suvenires e artesanatos podem ser adquiridos nesse centro comercial, assim como na galeria de arte Ufá, na rua da Revolução, 34.

Líder dos camponeses

 O principal símbolo de Ufá e da Bachquíria é o monumento erigido em uma colina com vista sobre o rio Bélaia. Ele retrata Salavat Iuláiev, líder da rebelião de Pugatchov e figura-chave no estímulo da consciência étnica bachquíria. Capturado no final de 1774, Iuláiev foi condenado à prisão perpétua, marcado com ferro quente e enviado, acorrentado ao pai, para Páldiski, na atual Estônia. Morreu no cativeiro no ano de 1800. 

Nos arredores do monumento, fica localizado o Salão de Congressos da Bachquíria, um centro de exposições e negócios com museu, sala de concertos, restaurante bachquírio e um grande shopping center.

O rio Bélaia divide a cidade em dois e segue através da república. Nos finais de semana, é comum ver casais e famílias passeando ou beliscando em um dos muitos cafés ao ar livre, às margens desse rio. Perto do centro da cidade, o Bélaia cruza com o rio Ufá. 

A maioria das embarcações para passeios fluviais parte do Monumento à Amizade, construído para celebrar os 400 anos de união da Bachquíria à Rússia. Seus horários de saída estão disponíveis em: http://v-info.ru/articles1164.html.

Culinária local

  A Bachquíria também é famosa por seu mel, principalmente o branco ou de tília. Um bom local para prová-lo é o Mercado Central, localizado na rua Tsiurupi, 97. Além das opções no piso térreo, pode-se adquirir o produto no restaurante Ashtau, no último andar, que pratica preços módicos.

A cozinha bachquíria também triunfa no “Idel’” (rua Mendeleev, 137) ou qualquer restaurante da rede “Pyshka”, que se espalha por toda a cidade. Para aperitivos, o pub “Watson” fica na mesma rua, número 42. O agito fica por conta do escocês “McHighlander”, na rua Karl Marx, 24/1, onde jovens garçons russos servem os clientes vestindo kilts - o que relembra as raízes escocesas de Ufá, que teve seu primeiro urbanista originário dessa região.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.