Zlatoust, uma terra encantada entre a Europa e a Ásia

Bonde que percorre as montanhas oferece vistas panorâmicas de Zlatoust Foto: Lori / Legion Media

Bonde que percorre as montanhas oferece vistas panorâmicas de Zlatoust Foto: Lori / Legion Media

Cidade histórica no sul dos Montes Urais está entre as mais belas e visitadas do país. É a terra natal dos armeiros, da gravura em aço e de um bonde que segue quase verticalmente em meio às belas paisagens das montanhas.

Situada bem na fronteira entre a Europa e a Ásia, Zlatoust foi fundada em 1754 no coração dos Montes do Urais (http://russiatrek.org/zlatoust-city). A cidade, que hoje abriga 170 mil habitantes, é cercada por parques naturais e grandes maciços montanhosos da serra Taganai –chamada de “Tirol dos Urais”.

A partir do século 18, essa região passou a atrair viajantes como Peter Simon Pallas, zoólogo alemão convidado pela imperatriz Catarina II para ser professor da Academia de Ciências de São Petersburgo, e o naturalista Alexander von Humboldt. Também, passaram por ali os imperadores Aleksandr I e Nikolai II, bem como o “rei dos camponeses” Emelian Pugatchev e o almirante, oceanógrafo e explorador polar Aleksandr Koltchak, que foi o líder militar e político dos brancos durante a Guerra Civil.

Terra natal do aço

Na Rússia há dezenas de empresas que produzem armas brancas de aço decoradas, mas foi em Zlatoust que essa tecnologia foi surgiu. A fábrica de armas de Zlatoust foi inaugurada em 1815 e produzia armas brancas para suprir as necessidades do Exército e da Marinha russa.

Hoje, Zlatoust continua a ser um dos centros mundiais de produção de facas. Cerca de 60 cooperativas e oficinas de fabricação de armas brancas funcionam ali. Uma das principais empresas é a Orujeinik (Armeiro), onde é produzida toda a gama de armas de lâminas longas: sabres, espadas, punhais, facas de caça, adagas e estiletes.

Passeios guiados pela empresa permitem acompanhar todas as etapas da produção de armas brancas e passear pelo museu onde estão guardadas espadas, floretes e facas decoradas com pedras preciosas. Também é possível comprar lâminas da marca e levá-las como lembrança de Zlatoust. Armas classificadas como souvenir podem ser levadas para o exterior acompanhadas de comprovante de pagamento e de um certificado: ao comprar, não se esqueça de pegar o certificado que atesta que a arma pertence à categoria de souvenir.  

Atrações de Zlatoust

Além da excursão pela Orujeinik, vale a pena subir no edifício mais alto da cidade – a Torre de São João de Zlatoust, que tem 42 metros de altura.

Para uma vista panorâmica das montanhas ainda melhor, vá ao mirante de Tchiornie Skali (Rochedos Negros), com 853 metros de altura. Este é um dos lugares mais populares do Parque Nacional de Taganai, a 15 km de Zlatoust.

 
Foto: Lori / Legion Media

Na encosta da cordilheira Urenga, que se inicia em Zlatoust, há um antigo cemitério chamado Bosque de Bétulas, onde foram preservadas sepulturas de mestres armeiros alemães. O Museu de História Local de Zlatoust, com uma coleção de antigas armas de aço bulat, está situado nas proximidades.

O acervo do museu inclui 20 coleções de interessantes artefatos – de ícones antigos e artigos de ferro fundido até armas brancas decoradas confeccionadas por mestres de Zlatoust que viveram na primeira metade do século 19, bem como obras de mestres contemporâneos produzidas segundo a tradição da gravura em metal de Zlatoust. O museu oferece visitas guiadas em inglês.

Bonde radical

Uma excelente maneira de ver a cidade de Zlatoust em toda a sua glória é fazendo um passeio de bonde. A ideia de implantar um sistema de bondes na cidade de Zlatoust, que se estende por um vale montanhoso, foi engendrada em 1928. Seis anos depois, o sistema foi colocado em operação. Em alguns pontos a inclinação das linhas dos bondes é de quase 50%.


Foto: Lori / Legion Media

O bonde mergulha e emerge de uma série interminável de colinas, escala as encostas das montanhas, serpenteia ao longo do sopé das falésias, das orlas das florestas e da lagoa e se arrasta em meio à paisagem rural.

Os trilhos do bonde foram dispostos praticamente em volta de toda a cidade, de modo que, pagando 18 rublos (menos de um dólar) é possível obter uma longa e inesquecível excursão por lugares belíssimos e com fortes emoções.

Pela janela do bonde contempla-se as paisagens da serra Taganai, da montanha Kossotur e do rio de montanha Ai, bem como de todas as principais atrações da cidade.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.