De Tchita a Irkutsk, um passeio pela história da Sibéria

Viagem pela Burátia é pontuada por templos budistas e cultura folclórica Foto: Lori / Legion Media

Viagem pela Burátia é pontuada por templos budistas e cultura folclórica Foto: Lori / Legion Media

Trecho da rodovia Transiberiana entre as cidades de Tchita e Irkutsk, na Sibéria Ocidental, exibe montanhas cênicas salpicadas com templos budistas e vilas rurais.

História somada a natureza

Capital da Transbaikal, Tchita tem uma história riquíssima. Ao completar a longa viagem pela estrada de Amur, encontra-se uma cidade moderna, onde é possível se reabastecer e desfrutar de uma noite de descanso em um dos vários hotéis da região.

Enquanto estiver em Tchita, não deixe de dar um passeio pela praça Lênin, que exibe uma das maiores estátuas do líder soviético na Sibéria. O Museu dos Dezembristas, localizado em uma bela igreja de madeira do século 18, traz exposições sobre a vida de revolucionários famosos.

Com um bom mapa ou GPS, pode-se passar dias explorando as montanhas ao redor da cidade. A empresa australiana “Russia Tour” organiza viagens guiadas às montanhas isoladas ao sul de Tchita.

 

Foto: Lori/Legion Media

O Hotel Montblanc, que fica bem perto da praça Lênin, tem estacionamento privado e quartos excelentes com diárias a partir de US$ 80.

Adentrando a Buriátia

Dirigindo a oeste, chega-se aos arredores da Buriátia, lar do povo homônimo e maior grupo indígena da Rússia. Antes um povo nômade cuja origem remonta aos mongóis, os buriatas são budistas praticantes e suas bandeiras de oração estão penduradas nas copas das árvores ao longo da rodovia M-55.

 

Foto: Lori/Legion Media

A cidade de Petrovsk-Zabaikalski (a 460 km ou seis horas de Tchita) fica a uma curta distância da fronteira oficial com a Buriátia. Muitos dezembristas foram exilados ali. A fracassada revolução dos dezembristas foi inspirada, em parte, pela sua participação nas Guerras Napoleônicas e caminhada a Paris. O centro de Petrovsk-Zabaikalski parece pertencer a uma grande cidade francesa, com altos edifícios coloridos – parte da influência europeia que os dezembristas deixaram para trás.

Entre bolinhos e templos

Fazendo uma curta viagem a oeste de Petrovsk-Zabaikalski, chega-se à Buriátia. Os telhados de pagode – tipo de torre com múltiplas beiradas – das “datsans”, ou templos budistas, vão aos poucos surgindo nas encostas. Não é raro ver moradores locais a cavalo galopando ao longo das pastagens abaixo das montanhas.

Quando estiver dirigindo pela Buriátia, pare em um café de beira de estrada para provar um “poje”, um prato local de bolinhos recheados com carne de cordeiro e cebolas. Os melhores cafés para experimentar poje são aqueles que têm na porta uma placa escrito “poznaia”, indicando que são especializados nessa iguaria local.

Ulan-Ude, capital da Buriátia, é uma cidade movimentada a 200 quilômetros de Petrovsk-Zabaikalski. Um busto que ostenta a cabeça de Lênin com 7,5 metros, o maior do seu tipo, está disposto sobre um pedestal de pedra na praça principal.

O datsan Ivolguínski fica a uma curta distância de Ulan-Ude e chega-se lá através de um vale com natureza intacta. Os visitantes seguem uma via que circunda o mosteiro. No caminho, faça uma parada para girar as rodas de oração - cilindros altíssimos de madeira – entre cada edifício.

Também vale a pena visitar é o Centro de Exposições Etnográfico, um grande museu ao ar livre, que está situado bem perto da cidade.

Para além da Buriátia

Pegue a rodovia A165, seguindo ao sul de Ulan-Ude, rumo à fronteira com a Mongólia. Quem estiver dirigindo através da Sibéria deve pegar a M-55 ao norte no sentido do Baikal, o maior lago de água doce do mundo.

 

Foto: Lori/Legion Media

Babuchkin (a 2 horas e meia ou 180 quilômetros a partir de Ulan-Ude) é a primeira cidade a que se chega no lago Baikal. Um piquenique na encantadora praia de Babuchkin, com rochas lisas e impressionante vista para o lago, é parada obrigatória. Acampar nas praias do Baikal é um dos destaques da viagem ao longo da rodovia Transiberiana.

A oeste de Babuchkin, M-55 abraça penhascos altíssimos com vista para enseadas isoladas. Um dos trechos mais altos e cênicos de montanhas em toda a rodovia Transiberiana separa Baikal da cidade vizinha de Irkutsk. Programe-se para dirigir a Irkutsk de dia e, assim, admirar as montanhas no caminho à cidade.

Mas não deixe de checar o breque antes de se aventurar pela longa descida das montanhas para Irkutsk! Dali em diante, a paisagem vai ser achatando, e a rodovia Transiberiana continua através de colinas e estepes.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.