Uma caminhada misteriosa pelo Círculo Polar Ártico

Montes Khibíni são cercados de enigmas, com usinas abandonadas e rodovias que levam a lugar nenhum Foto: Lori / Legion Media

Montes Khibíni são cercados de enigmas, com usinas abandonadas e rodovias que levam a lugar nenhum Foto: Lori / Legion Media

Montes Khíbini são cercados de mistérios, tendo servido de cenário até para filmes de suspense; sua paisagem arrepiante sugere a existência de bases militares ou laboratórios secretos debaixo da terra.

A península de Kola, localizada atrás do Círculo Polar Ártico, abriga os Montes Khibini, o complexo de montanhas mais antigo do mundo, cercado por usinas abandonadas e rodovias que levam a lugar nenhum. Não é à toa que o local foi escolhido como cenário para o final inesperado do filme “The Dyatlov Pass Incident”, dirigido pelo americano Renny Harlin, sobre o desparecimento misteriosa de um grupo de esquiadores.

Os mesmos abrigos secretos demonstrados no filme podem ser encontrados durante a subida pelos declives selvagens. Também não é difícil notar barras enferrujadas de uma aparência esquisita e finalidade desconhecida no meio da montanha Iukspor. Todos estes objetos estranhos, além de crucifixos ortodoxos espalhados por todo o complexo, fazem parte da paisagem arrepiante local, sugerindo a existência de bases militares ou laboratórios secretos debaixo da terra.

Pontos de interesse e lazer

Em meados de fevereiro, a cidade de Kirovsk sedia a feira Flor de Pedra, um dos principais eventos da península de Kola. Por apenas 2 euros, os visitantes podem adquirir pedras locais que não existem em nenhum outro lugar do mundo, assim como objetos de artesanato feitos pela população nativa, o motivo do seu verdadeiro orgulho, que incluem artigos de couro e chifres de rena com desenhos originais.

Foto: Lori / Legion Media

Atrás do Círculo Polar Ártico encontra-se o convento ortodoxo feminino da Rússia mais próximo ao Polo Norte, que recebeu o seu nome em homenagem à ícone Mãe de Deus de Kazan.

Além do convento, a região possui o próprio jardim-instituto botânico. Devido à localização do jardim, no ponto mais próximo ao Polo Norte, a sua exposição é disponível apenas no período entre os meses de junho e de setembro. Na época de inverno, abre-se um parque de esculturas e construções feitas de gelo e neve em seu território.

A ideia inicial foi elaborada pelo empresário Vladímir Komiáguin, que nos últimos cinco  anos reúne uma equipe de artistas responsáveis pela criação da maravilhosa Vila de Neve, no início de cada inverno. Todos os objetos da vila, inclusive as cúpulas, arcas e móveis dentro das casas são feitos de neve e possuem estruturas e design únicos. Este ano, os criadores da vila resolveram acrescentar o Palácio de Núpcias, onde casais podem marcar uma verdadeira cerimônia de casamento civil.

Usinas abandonadas

A cidade de Kirovsk é um lugar ideal para quem tem interesse em visitar usinas abandonadas. Próximo à estação ferroviária destruída, que no passado foi o destino de trens vindos da cidade de Apatiti, encontra-se a área industrial da usina de processamento de apatita e nefelina, anteriormente conhecida no mundo todo. Hoje em dia, a fábrica está prestes a ser fechada, e os visitantes poderão notar poucos trens circulando pelo seu território e os últimos funcionários se aquecendo nos vagões.

Foto: Lori / Legion Media

A vinte quilômetros de Kirovsk encontra-se a pousada Kuelporr. As motos de neve circulando pelo trajeto como táxis comuns são a única forma de chegar à sua porta devido à ausência de qualquer autoestrada. A viagem dura por volta de trinta minutos. A pousada oferece um serviço de aluguel de motos de neve a 1.500 rublos (cerca de US$ 50) por hora e inclui a possibilidade de acelerar até as velocidades mais altas possíveis e fazer várias manobras. Os aventureiros poderão fazer um passeio de moto de neve pela margem do rio Petrelius, cujo trajeto atravessa o vale Kukisvumskaia, uma ligação entre as partes norte e sul dos Montes Khibini.

Alimentação

A cozinha tradicional dos povos nativos do Norte russo inclui pratos da carne de rena, peixe fresco, pasteis de carne de alce, frutas locais, tais como a amora-ártica, e refresco de amora alpina.

O melhor restaurante de Kirovsk chama-se Bolshoi Vudiavr –no período noturno funciona como uma boate, onde tocam DJs convidados de São Petersburgo e Moscou.

Foto: Lori / Legion Media

No território da estação de esqui Kukisvumtchorr encontra-se café Sugrob, que à noite reúne turistas que compartilham vídeos de esportes radicais e suas experiências referentes aos trajetos percorridos. Do lado do café, fica o hostel russo mais próximo ao Polo Norte, chamado de Bed&Snow Hostel Hibiny.

Como chegar e onde ficar

O aeroporto de Kirovsk liga a cidade com Apatiti, localizada a 14 quilômetros. No entanto, não existem voos regulares entre estas duas cidades no momento. A melhor maneira de chegar até Kirovsk é pegar um avião até a cidade de Murmansk e tomar um ônibus ou táxi até o destino final, que fica a 210 quilômetros.

À distância de 1 quilômetro do complexo de esqui BigWood, centro de entretenimento com boliche, karaokê, boate, restaurante e bar, encontra-se o hotel Severnaia.

Complexo de esqui BigWood

+7 (921)03 36-660

http://www.bigwood.ru/

Hostel Sheri – Apatiti ­–
+7(911)060-75-60 http://hostel-sheri.ru/

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.