Dois dias pelo polo frio do mundo

Museu de mamutes e restaurantes típicos são atrações para afugentar o frio Foto: Reuters / Vostok Foto

Museu de mamutes e restaurantes típicos são atrações para afugentar o frio Foto: Reuters / Vostok Foto

Às margens do rio Lena, um dos maiores do mundo, a cidade de Iakutsk apresenta temperaturas médias de - 40° C no inverno, criando um manto de neblina que encobre toda a região. Mas Iakutsk é sinônimo de intensidade, pois os termômetros frequentemente marcam 30 °C durante o verão. Não importa em qual estação do ano, a cidade oferece uma gama de atrações.

Apesar do clima extremo, os 200 mil habitantes locais estão rapidamente transformando a cidade em um dos centros mais vibrantes do Extremo Oriente russo. A cidade é capital da República de Iakútia, um vasto território quase do mesmo tamanho da Índia, mas com população ligeiramente inferior a um milhão de pessoas. E para quem estiver interessado nos pontos mais isolados da Rússia, visitar Iakutsk é para obrigatória.

Iakutsk foi fundada por um grupo de exploradores cossacos em 1632. Mas a cidade permaneceu como um lugar periférico até o final do século 19, quando foi descoberto ouro na região. Só que construir uma das cidades mais setentrionais do mundo também teve seus desafios: Iakutsk repousa sobre permafrost (o solo congelado do Ártico), e muitos dos edifícios foram erguidos sobre palafitas para manter a estabilidade.

Antes da conquista do Extremo Oriente pela Rússia, a maioria dos nativos da República de Iakútia eram seminômades que se ocupavam do rebanho de renas. Muitos se converteram à Igreja Ortodoxa Russa e, mais tarde, foram obrigados a aprender russo na época soviética. Hoje em dia, Iakutsk tem uma série de atrações nas quais os visitantes podem aprender sobre a história da região – e todas elas estão localizadas a uma curta distância, o que facilita a exploração da cidade a pé.

Dia 1

Se você chegou a Iakutsk após uma longa viagem e precisa de um bom café para começar o dia, a dica é ir ao Jonathan Kofeynya (Ul Yaroslavskogo, 26). Em seguida, caminhe ao longo da Ul Yaroslavskogo e vire à direita na Ul Kulakovskogo, onde fica o Museu dos Mamutes (Ul Kulakovskogo, 48). A camada de permafrost sobre a qual repousa Iakutsk preservou muitos das carcaças de mamutes que habitaram a Sibéria no passado. No museu, é possível observar esqueletos desses mamíferos pré-históricos. O Museu de Arqueologia e Etnografia, que fica nas adjacências, proporciona uma visão ainda mais ampla sobre a cultura e a vida dos nativos da República de Iakútia.

Depois desse passeio, basta virar à direita na Ul Kulakovskogo e pegar a esquerda na Pr Lenina para chegar ao Museu Regional (5/2, Pr Lenina), onde são exibidas mostras sobre a natureza da região e os primeiros assentamentos russos. Também vale à pena continuar pela Pr Lenina e virar à esquerda na Ul Kirova (31 Ul Kirova), onde está o Museu de Khomus. O khomus, ou harpa judaica, é um pequeno instrumento predominante em muitas culturas asiáticas. Os músicos seguram a armação da harpa com os dentes ou lábios, e utilizam uma pequena palheta para alterar o tom de acordo com a quantidade de ar expelida pela boca.

Enfim, siga na Ul Kirova para um passeio e almoço pela praça Lênin e cidade velha de Iakutsk. Para saborear a comida típica da região, faça uma pausa no caminho em Kemelok (30/1 Ul. Ordjonikidze) ou vire à esquerda na Pr. Lenina rumo a Tamerlan (Pl. Ordjonikidze). Lá é servido churrasco à moda mongol e chachlik.

À tarde, visite o Museu Nacional de Arte (9, Ul. Kirova) na Praça Lênin e confira o   artesanato e as obras de arte locais.

Quando a noite cair, pegue um táxi para Tchotchur Muran (Viliusky Trakt, Km 7) e aprecie as paisagens de Iakutsk. Ali também é possível jantar alguns pratos típicos, como peixes ou rena. Outra opção é ficar na cidade e assistir uma das tantas apresentações no Teatro Iakútia (pl. Ordjonikidze).

Dia 2

Se decidir visitar Iakutsk durante os meses mais quentes, que coincidem com o período de inverno no Brasil, faça um cruzeiro pelo rio Lena. Apenas um dia de viagem é suficiente para chegar ao Parque Natural dos Pilares do Lena, uma série de colunas de pedra calcária que foi recentemente declarada Patrimônio Mundial da Unesco.

Ao sul de Iakutsk está Orto Doidu, uma reserva natural no caminho para a cidade de Pokrovsk onde os visitantes podem ver os animais nativos do Extremo Oriente russo. Durante o verão em Iakutsk, refresque o calor no Reino Permafrost, uma atração turística nos arredores da cidade que apresenta um sistema profundo de túneis com 150 metros e onde a temperatura nunca supera os -5 °C. O centro fornece informação sobre o permafrost de Iakutsk e tem esculturas, um escorregador e bar de gelo que serve vodca em copos também congelados. O museu fornece roupas para aguentar o frio lá de dentro.

Melhor época: Tente planejar sua viagem para a República de Iakútia durante um dos festivais regionais. No último fim de semana de junho, pessoas de toda a Iakútia se reúnem na aldeia de Jetai, nos arredores de Iakutsk, para o festival anual de Isiakh, onde os moradores vestem trajes tradicionais e fazem danças tradicionais. Durante o inverno, o melhor é visitar Iakutsk no final de março e alugar um carro para seguir a Oimiakon, que fica 650 km ao norte. Considerado o lugar mais frio habitado da Terra, sedia o Festival do Polo Frio, com música e corridas de renas.

Como chegar: Voos para Iakutsk costumam ser caros, mas, planejando com antecedência e datas flexíveis, é possível encontrar voos de ida e volta, com saídas de Moscou, Novosibirsk, Vladivostok ou Khabarovsk, por cerca de US$ 500. A cia aérea russa S7 tem as melhores ofertas.

Viajar por terra para Iakutsk leva mais tempo, mas a aventura é compensadora. A linha Amur-Iakutsk Mainline (AYAM) vai oferecer serviço de trem para Iakutsk ainda este ano. Até que o último trecho da AYAM esteja concluído, dá para pegar um trem para Aldan ou Tommot. De lá, há carros particulares que oferecem transporte para os 500 quilômetros restantes até chegar a Iakutsk. Se estiver viajando pela Rússia de trem e quer incluir Iakutsk em sua jornada, pegue o AYAM na cidade de Tinda.

Onde ficar: Uma boa pedida é o Hotel Polar Star (24, Pr Lenina), a poucos passos do centro histórico de Iakutsk e de todos os principais pontos turísticos da cidade.

Diárias a partir de 150 dólares por noite.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.