Cidade natal do escritor Ivan Búnin preserva ares do século 19

A quantidade de monumentos em Ielets, localizada na unidade federativa de Lipetsk, é incrivelmente grande considerando o seu tamanho modesto: em uma área de pouco mais de 65 quilômetros quadrados concentram-se 226 objetos pertencentes ao patrimônio cultural Foto: Lori / Legion Media

A quantidade de monumentos em Ielets, localizada na unidade federativa de Lipetsk, é incrivelmente grande considerando o seu tamanho modesto: em uma área de pouco mais de 65 quilômetros quadrados concentram-se 226 objetos pertencentes ao patrimônio cultural Foto: Lori / Legion Media

As paisagens e todo o modo de vida do município de Ielets tornaram-se para o escritor a quintessência da nostálgica vida russa.

A 400 km de Moscou, há uma cidade onde o tempo parou desde a época em que ali estudou e escreveu as suas primeiras obras o primeiro russo laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, Ivan Alekseievitch Búnin. Trata-se de Ielets, cidade até hoje dividida em vilas ao invés de bairros. A usina de açúcar, a indústria do curtume, a destilaria, a fábrica de tabaco, todas são centenárias. Ali você não encontrará uma infraestrutura turística moderna. Os trens de alta velocidade não chegam até lá. Mas cada maçaneta de porta, cada casa e cada rua conservam a mesma aparência do final do século 19.

A quantidade de monumentos em Ielets, localizada na unidade federativa de Lipetsk, é incrivelmente grande considerando o seu tamanho modesto: em uma área de pouco mais de 65 quilômetros quadrados concentram-se 226 objetos pertencentes ao patrimônio cultural, incluindo 90 monumentos de importância regional e federal. Na parte histórica foram conservados não apenas monumentos, mas todo o layout da cidade antiga. O número exato de igrejas é bem conhecido: Ielets é apelidada de cidade dos trinta e três templos.

A principal é a Catedral da Ascensão, no estilo russo-bizantino, a terceira maior catedral da Rússia, com 74 metros de altura, incluindo a cruz da cúpula.

Se você já conhece as atrações turísticas de Moscou, então irá reconhecer facilmente na Catedral da Ascensão de Ielets os traços da Catedral de Cristo Salvador ou do Palácio do Arsenal do Kremlin. Todos eles foram projetados pelo mesmo arquiteto, Konstantin Ton. O dinheiro para a construção da Catedral da Ascensão foi angariado nas cidades mais ricas da Rússia ao longo de 75 anos.

A fronteira da civilização russa

No século 14, o vale do rio Sosna (Pinheiro), que se descortina ao lado da Catedral da Ascensão, era considerado o fim da Rússia. Atrás dele começavam as estepes, cujo conjunto era chamado de Campo Selvagem e que era domínio dos nômades. Os polovtsi (povo nômade turco), os mongóis, os tártaros da Crimeia, todos os que realizavam incursões sobre Moscou e Tver com as aljavas cheias de flechas, em primeiro lugar queimavam Ielets. Por isso, ao longo de sua história, a cidade foi muitas vezes reconstruída praticamente do zero.

Atrás da Catedral da Ascensão encontra-se a Praça Vermelha. Um pouco mais ao longe, a torre “Spásskaia”, com o relógio carrilhão.

Suas duas principais ruas são a Mira (da paz), para os pedestres, antigamente chamada de Torgovaia (do comércio) e a rua dos Comunardos (membros da Comuna de Paris). A primeira tem mais de 400 anos e hoje é a equivalente, em Ielets, da rua Arbat, de Moscou. A sua parte central é fechada para automóveis e destinada aos pedestres. Se você se cansar de andar a pé, é possível dar uma volta em uma carruagem. A rua Mira é coberta de antigas mansões e casas-lojas de comerciantes, intercaladas com edifícios modernos.

Almoço e café da manhã

Para um café da manhã reforçado (cerca de US$ 6) uma boa opção é o café Jem  (http://cafejem.ru/index.php), localizado não muito longe do centro da cidade. Ali são preparados, de acordo com uma receita original, vareniki (uma espécie de ravióli) recheados com batata ou com cerejas, um dos pratos favoritos dos moradores locais. É o único lugar na cidade onde há Wi-Fi.

Foto: Lori /Legion Media

A cidade tem apenas dois restaurantes, o “Olenh” (cervo), na rua Sverdlov e o “Ielets”, na rua dos Comunardos. Em ambos pode-se saborear uma deliciosa refeição por US$ 9. Nos fins de semana há muito movimento, mas sempre é possível encontrar uma mesa livre. Sem dúvida, vale a pena experimentar a okroshka (sopa fria, prato tradicional da culinária russa) de kvas branco de centeio. Aliás, Ielets é uma das poucas cidades russas onde é preparado o kvas branco de centeio. Sua receita é tão complexa que apenas alguns poucos moradores antigos a conhecem. Como aperitivo, com certeza, vão lhe oferecer um licor de raiz forte fabricado na destilaria local. Sua peculiaridade é a ausência do efeito de ressaca. E para o chá, peça marshmallow de maçãs Antonov (uma variedade da fruta e também o nome de um conto de Bunin). Dizem que foi a avó do escritor que inventou a receita.

Não deixe de visitar

A fabricação de cerveja também é tradicional na cidade. Uma cervejaria funciona desde 1875 na Rua Liteinaia, junto à ponte Konii (equestre). No verão, na margem do Rio Sosna, perto da cervejaria, os locais ocupam as mesinhas com vista para o rio e para a parte oriental da cidade e experimentam diferentes variedades de cervejas acompanhadas de aperitivos salgados como o bagre seco.

As excursões ao Museu do Folclore local são consideradas um cartão de visita da cidade. Além dos utensílios domésticos do século 19, estão guardados ali achados do período da Segunda Guerra Mundial, como, por exemplo, garrafas com soluções inflamáveis para a destruição de tanques nazistas.

Outro lugar que obrigatoriamente deve ser visitado é a reserva "Vorgólskie Skáli" (Rochedos de Vorlgólski), que foi incluída no Livro Guinness dos Recordes como a menor reserva do mundo. Um táxi para ir e voltar do local sai por cerca de US$ 20. Em seu território foi preservada a propriedade do comerciante de Ielets Ivan Afanassievitch Taldíkin. Além da casa senhorial, fontes e lagos com cisnes, ergue-se ali um antigo moinho de água, construído ainda em 1867.

Ivan Búnin

Em Ielets existem três monumentos em homenagem a Búnin: um deles é a “Escola Nº 1”,  o antigo ginásio onde ele estudou (rua Sovetskaia, 121). Na escola existe uma exposição permanente dedicada ao escritor. Os outros dois monumentos são a imponente figura do escritor adulto em uma praça na rua de Sverdlov e o jovem Bunin, aluno do ginásio, no jardim da cidade. A propósito, no jardim, foi preservada a fonte da época em que Bunin estudava ali. As paisagens e todo o modo de vida do município de Ielets tornaram-se para o escritor a quintessência da nostálgica vida russa.

Souvenirs

Ielets é conhecida por suas rendas. A tradição local de tecer em bilros usando linhas brancas de algodão ou linho já tem um século e meio. Antes da revolução, 40 mil mulheres teciam renda no município para vender. Existiam apenas as tintas naturais: a azul era feita de centáureas e a amarela de adônis. Em Ielets, é possível comprar uma toalha de mesa artesanal, de tamanho médio, por US$ 270.

Como chegar lá

De trem, pode-se chegar de Moscou até Ielets em oito horas (US$ 36). Os trens partem da Estação de Kursk ou da Estação Pavelétski.

Onde ficar

Em Ielets, há apenas quatro hotéis. O melhor deles é o Lada http://ladahotel-elets.ru/o-gostinice/. Por uma taxa extra os colaboradores do hotel podem buscá-lo de carro. Um quarto para duas pessoas sai por US$ 60. Entre os outros hotéis estão o Parnas http://parnas-hotel.ru/ e o Ielets http://www.intourist-elets.ru/.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.