Monumentos e prédios históricos de Viborg sofrem com falta de cuidado

Com demolições, cidade que mistura arquitetura medieval e moderna, corre risco de perder identidade cultural Foto: PhotoXPress

Com demolições, cidade que mistura arquitetura medieval e moderna, corre risco de perder identidade cultural Foto: PhotoXPress

No último meio século, a cidade vem se desmanchando por si só: casas antigas se deterioram, sem restauração nem reparos, tornando-se impróprias para habitação, e edifícios históricos são demolidos por investidores e proprietários de imóveis para limpar terreno para novas construções.

Viborg sempre foi uma cidade com identidade única e indescritível, que não se encaixa no padrão nacional ou de tempo. Não é europeia tampouco russa, medieval ou contemporânea. O mais correto seria denominá-la romântica. Um centro antigo com um castelo e ruas estreitas, muitas casas no estilo da modernidade nórdica, um parque paisagístico inglês, o Mon Repos, com aspectos neogóticos, um porto marítimo –tudo isso, de uma ou outra forma, relacionado com o clima melancólico romântico.

A crônica de Viborg mudou muitas vezes e talvez seja esse um dos exemplos mais marcantes de como peripécias históricas podem refletir-se em uma cidade que teve de mudar tantas vezes não só o sistema administrativo governamental como também a religião e a composição étnica da população.

Simbolicamente, a estátua do lendário fundador da fortaleza, o sueco Torgils Knutsson, por razões ideológicas, foi removida e reposta em várias ocasiões na praça principal da cidade. No planejamento urbanístico e nas construçõesde Viborg se envolveram, em diferentes momentos, arquitetos russos, suecos e finlandeses ora apoiando, ora destruindo uns aos outros. Alguns edifícios desapareciam em tempos de paz e outros durante a guerra. Destes, decorridos muitos anos, alguns foram reconstruídos no mesmo lugar já como marcos históricos. Após a Segunda Guerra Mundial, uma série de edifícios, incluindo a antiga Catedral da Sé, permaneceu em ruínas, perpetuando o toque romântico sombrio.

No último meio século, Viborg vem se desmanchando por si só: casas antigas se deterioram, sem restauração nem reparos, tornando-se impróprias para habitação, e edifícios históricos são demolidos por investidores e proprietários de imóveis para limpar terreno para novas construções, o que traz o risco da perda de uma cidade multicultural única.

Chegada

Para quem chega de trem, a exploração da cidade começa a partir do período soviético, na estação de trem clássica e grandiosa da década de 1950, que, no entanto, conservou a seção de bagagens da antiga estação ferroviária finlandesa de 1913, explodida durante a guerra. Duas esculturas de ursos de pedra, vindas do edifício antigo, guardam agora um par de parques da cidade.

O terminal de ônibus, logo em frente, ostenta formas estruturais muito simples, sem decoração. Sua reconstrução contou com a participação do principal arquiteto da cidade por um longo tempo, o finlandês Uno Ullberg.

A partir da estação, indo em direção da Cidade Velha, há ruas que representam, basicamente, edifícios estrangeiros dos séculos 19 e 20 –no estilo da modernidade nórdica e do funcionalismo. O caminho é bastante largo, com ruas verdejantes ladeadas por grandes vitrines, fachadas de granito, vitrais, espigões ornamentais, torres e janelas das quais nos observam animais esculpidos e heróis épicos escandinavos.

A atração principal e símbolo da cidade é a fortaleza e torre de St. Olav, cuja parte inferior se preservou desde o século 14. Agora, há um museu do folclore local, que oferece a oportunidade de subir as intermináveis escadas velhas até a plataforma junto à cúpula e ver a cidade toda de uma altura semelhante ao voo de um pássaro.

De lá se vê bem além da região da Cidade Velha, reconhecível pelo solitário e imponente campanário da antiga catedral, onde terminam as caóticas ruazinhas medievais e começa a cidade com um plano regular europeu imerso em seguida no cinturão de edifícios residenciais e industriais soviéticos mais novos. Ainda da torre é possível observar que quase todos os monumentos mais famosos de Viborg se encontram em destaque, do ponto de vista de espaço, das demais construções.

A grande torre Redonda sueca, do século 16, se sobressai na praça entre casas muito mais recentes. Essa dissonância quase a levou a ser demolida, mas nos anos 1920 decidiram lhe dar um uso de entretenimento, convertendo-a em um café.

Perto do porto, fica um edifício semicircular de formas contemporâneas, obra do mesmo Uno Ullberg: o antigo museu de arte e escola, que agora abriga a filial de exposições do Museu Hermitage. Em uma colina aveludada, bem em frente ao castelo, repousa o Arquivo de Estado, que lembra um código de barras, do mesmo autor. Entre a área verde perto da Praça Vermelha se localiza a Biblioteca, construída em 1933, do famoso arquiteto finlandês Alvar Aalto. Esta renomada obra-prima do modernismo também começa a entrar em estado de deterioração.

Recentemente, na Cidade Velha, praticamente um quarteirão inteiro foi demolido. Devido ao seu estado de decadência, foram destruídas casa em estilo russo-finlandês moderno. Especialistas e arquitetos concordam que este pode não ser o último incidente e que a destruição de prédios históricos da cidade deve ser interrompida.

Parece que hoje quase tudo se encontra à beira do desaparecimento em Viborg: desde as casas suecas do século 15 até os primeiros arranha-céus finlandeses da década de 1930. Assim, vale a pena se apressar antes que, de espectro romântico agradável, ela se converta em uma triste sombra de memórias.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.