Confira um guia com os melhores lugares para a pesca esportiva na Rússia

É possível pescar nos rios e lagos da Rússia durante o ano todo Foto: Lori / Legion Media

É possível pescar nos rios e lagos da Rússia durante o ano todo Foto: Lori / Legion Media

Saiba o que atrai personalidades tão diferentes como o magnata da mídia Ted Turner, o presidente Vladímir Pútin e o cantor Eric Clapton para os lagos e rios da Rússia em busca de peixes.

No aeroporto de Murmansk, muitas vezes pode ser visto um Boeing-767 de um voo fretado de Londres. Frequentemente ele tem a companhia de aviões particulares de homens de negócios e monarcas– todos vêm para a península de Kola para a fazenda coletiva “Vskhodi Kommunisma” (Brotos do Comunismo) para pescar.

O presidente da fazenda, Sviatoslav Kaliújin, recita os nomes e títulos de seus hóspedes:

“Eric Clapton, o rei da Noruega Harald 5º, o rei Carlos 16 Gustaf, da Suécia, algumas dezenas de ministros russos.”

O primeiro estrangeiro a descobrir a pesca de salmão na Rússia foi o magnata do setor da mídia Ted Turner. Já em 1994, ao lado da atriz Jane Fonda, ele pescava no rio Ponoi, na Unidade Federativa de Murmansk. Em diferentes anos depois de Turner, várias figuras proeminentes visitaram o lugar: o primeiro presidente da Rússia, Boris Iéltsin, os reis da Suécia e Noruega, o cantor Eric Clapton, o príncipe Charles e o presidente Pútin.

Este último, em entrevista à revista americana “Outdoor Life”, declarou que “a melhor pescaria do mundo, segundo a minha avaliação pessoal, ocorre na Unidade Federativa de Murmansk e no delta do rio Volga, na região de Astrakhan”.

No entanto, a península de Kola não é o único lugar para os fãs da pesca (que no país somam 15 milhões). É possível pescar nos rios e lagos da Rússia durante o ano todo. A repórter Daria Gonzalez pesquisou e compilou uma lista dos melhores lugares para campeonatos de pesca de verão.

 1. Os rios da península de Kola

A perspectiva de uma pesca fantástica atrai muitos turistas para a península de Kola: afinal, são 82 rios ricos em salmão cruzando a região. Uma bela natureza nórdica, boa disponibilidade de infraestrutura e, claro, pesca com troféu, transformam o local em um sonho para os amantes da pesca.

Troféu: o troféu mais comum em Kola é o salmão pesando mais de 30 quilos. O cardume do salmão selvagem do Atlântico na península é um dos maiores no mundo. Além do salmão, são pescados outros peixes como bacalhau, truta, kharius (grayling em inglês), siga (peixe branco da espécie do salmão) e a truta do Ártico, chamada goléts.

Como chegar: vá de avião até Murmansk e de lá de ônibus para a Stáraia Umba. De Umba, ao longo da costa, estende-se uma cadeia de vilarejos de praia onde é possível ficar para o pernoite. No entanto, se o turista não souber russo, o melhor é combinar uma excursão. Por sinal, o preço de uma excursão vip para a península de Kola, tão amada por celebridades estrangeiras, pode chegar a € 7.000 por uma semana, por pessoa.

Quando ir: o salmão nada pelos rios no início do verão, durante um mês (desde o final de maio até o final de junho) e um mês no outono (final de agosto até o final de setembro). 

O que é importante saber: Na margem sul da costa Térski existe um número menor de rios com salmão, porém esta região é mais adequada para a pesca esportiva. Na margem norte da península, principalmente, é mais popular a pesca “selvagem”, em condições climáticas complicadas e sem infraestrutura.

 2. Lago Seliger


Foto: Lori / Legion Media

O Seliger é um sistema muito grande e belo de lagos, que ocupa 250 km quadrados. Estes são interligados por canais entre si. Às margens deste complexo natural ficam casas para veraneio, clínicas de tratamento e de prevenção de doenças, com instalações confortáveis.

Troféu: Sander (peixe da família da perca), com exemplares de até 7 kg, enguia, lúcio (12 kg), perca (3 kg) e carpa.

Como chegar: vá de trem de Moscou para Seliger, da estação de Leningrado no sentido norte através da estação Ostashkov; as bases turísticas ficam a 4 km da cidade, onde o visitante pode passar suas férias em Seliguer. Acompanhantes não são necessários, mas pode-se reservar uma excursão.

Quando ir: viaje para Seliguer em meados de julho, quando a água do lago fica mais quente. Nesta época é possível nadar. Nas florestas, o mirtilo já está amadurecendo e surgem os primeiros cogumelos.

O que é importante saber: Seliguer ocupa uma área de 250 km quadrados e para assegurar uma boa pescaria é importante conhecer bem a região. Uma boa pescaria em Seliguer pode ser feita em Kravotinski Ples e nos canais que ligam o Berezóvski Ples com o Ostashkóvski. Para os apreciadores do peixe sander e da perca recomenda-se a pesca no lençol aquático de Sossénski Ples. Igualmente atraente é a pesca na região de Seliguer, nas baías e lagos localizados na ilha de Khatchin. O melhor é navegar em um barco pelo Seliger, o que custará € 7 por dia.

}

3.  Rio Volga


Foto: Lori / Legion Media

O lugar mais popular para a pesca na Rússia é o Baixo Volga. Os peixes com peso entre 3 kg e 5 kg lá são chamados de “malki” (nanicos) e a infraestrutura para a pesca é talvez uma das mais desenvolvidas na Rússia. Os peixes aqui podem ser pegos com puçá ou até com as mãos.

Troféu: bagre de 100 kg, além da carpa, sander e lúcio, aspius aspius e tenca (tenca tenca), brema (abramis brama) e rutilus heckelii, pelecus cultratus, perca e ictiobus. A  carpa é pescada no Volga até a entrada do outono, com isca de fundo ou com boilies. Uma das pescas mais populares aqui é a do peixe sander durante a primavera, com anzóis do tipo jig head e isca artificial. No verão, se pesca de corrico e isca de fundo.

Como chegar: vá de avião ou de barco até Astrakhan. Uma excursão leva o visitante até os pontos exatos com presença de peixes. Um dos melhores lugares é o rio Akhtuba, o braço direito do Volga. O curso do rio atinge uma largura de até 300 m. No Akhtuba há carpa, bagre, aspius aspius, sander e lúcio. Para chegar lá, é preciso voar até Volgogrado e de lá ir de ônibus até a cidade de Vóljski.

Quando ir: a melhor época para pescar no Baixo Volga começa a partir da segunda metade de março e dura até o final de abril. Durante o dia, a temperatura atinge até 25º C.

O que é importante saber: estudar cuidadosamente o meio onde ocorrerá a pesca: o Baixo Volga é uma região de um tamanho impressionante e em diferentes áreas pescam-se diferentes peixes. Muito promissoras são aquelas áreas onde o Volga se junta com grandes canais, que por sua vez se unem aos braços menores. É importante a escolha cuidadosa da área aquática também no aspecto da variabilidade do clima nestas regiões.

4. Lago Baikal


Foto: Lori / Legion Media

O lago Baikal é o lago mais profundo do planeta, o “coração da Sibéria”, com águas cristalinas e límpidas e uma infinita variedade de flora e fauna. Aqui é encontrado o único peixe vermelho da Sibéria –o Salvelinus Alpinus– e também o khárius,  a perca do Baikal, além de muitos outros exemplares raros, dignos de troféu.

Troféu: No lago Baikal, a pesca do khárius negro e o branco (5 kg) e do omul, lúcio,  perca (3 kg), siga, escalo prateado, brema, carpa e lota lota é permitida com rede.

Como chegar: vá de avião para Irkutsk ou Ulan Ude. Depois, siga com transporte público ou táxi até chegar em uma base turística do Baikal. É possível contratar uma excursão especial.

Quando ir: Do início de julho até o final de agosto, quando a água do lago fica aquecida e torna-se apropriada para banho. No final de agosto, os fortes ventos começam a agitar a água.

O que é importante saber: Se a viagem é empreendida para obter prazer, principalmente da pesca, e para economizar tempo, pode ser iniciada a partir do Maloe More (Mar Pequeno). Esta parte da água recebeu este nome por estar separada do lago Baikal (o Mar Grande) pela ilha de Olkhon e encontra-se na parte central do lago.

Na parte Norte pode-se começar a pescar pelo khárius e pelo omul, se este último já subiu para as camadas superiores de água aquecida. É possível pescar o khárius através da mais diversas maneiras, começando com mosca e acabando com a isca artificial. Mas o método mais emocionante e produtivo de pesca é o inventado pelos pescadores locais, que consiste na criação de uma correnteza artificial com o barco, que está com o nariz encostado na margem, com a marcha lenta engatada.

}

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.