Região de descendentes de nômades, grande estepe oferece diversas atrações

Habitantes locais também se orgulham do seus Bactrians de Astrakhan, espécie local de camelo com duas corcundas que há milhares de anos é utilizada para o transporte de cargas Foto: GeoPhoto

Habitantes locais também se orgulham do seus Bactrians de Astrakhan, espécie local de camelo com duas corcundas que há milhares de anos é utilizada para o transporte de cargas Foto: GeoPhoto

A Gazeta Russa fez uma viagem à região de Astracã, um dos fragmentos da grande estepe, onde, ainda hoje, vivem os descendentes de antigos conquistadores.

Planícies herbáceas que se estendem da Manchúria até o delta do rio Danúbio, as estepes ocupam um vasto território do mapa da Eurásia. Nos tempos antigos, eram denominadas de “A Grande Estepe”.

Antiga morada de diversos povos nômades, entre eles os citas, os hunos e os mongóis, foi também parte da Grande Rota da Seda.

Os povos que habitaram o local presentearam a história mundial com personalidades como o fundador do Império Mongol, Genghis Khan, e o grande conquistador Tamerlão. Para desvendar alguns dos mistérios locais, a Gazeta Russa fez uma viagem à região de Astrakhan, um dos fragmentos da grande estepe, onde, ainda hoje, vivem os descendentes dos antigos conquistadores.

Hoje, as estepes são habitadas por descendentes dos nômades kalmiks,  cazaques, nogais e turcomanos. Além deles, vivem nas terras de Astrakhan os russos e os cossacos, que constituem a maior parte da população da região.

O preço de um camelo de Astrakhan da raça calmuque é de aproximadamente € 1.000

As estepes se estendem ao longo da margem esquerda do rio Volga, por toda a região de Astrakhan, até o local onde o rio deságua no mar Cáspio. No verão, elas são áridas planícies que se expandem até o horizonte e nas quais, de vez em quando, surgem dunas de areia. A maior delas, chamada de Grande Irmão, se ergue a 20 metros de altura. Ali, no verão, as temperaturas chegam a 50ºC.

A principal ocupação dos nômades sempre foi a criação de gado. Na região de Astrakhan, ela foi preservada, mas se tornou sedentária. Ali, em isolados assentamentos de pastoreio, sem eletricidade ou água corrente, se criam ovelhas, vacas e cavalos e camelos reprodutores.

Os habitantes locais também se orgulham do seus Bactrians de Astrakhan, espécie local de camelo com duas corcundas que há milhares de anos é utilizada para o transporte de cargas.

Os viajantes que se encontram na estepe de Astrakhan podem se deparar com pastores de ovelhas (chamados de “tchaban” na região do Cazaquistão) montados sobre cavalos de grande porte, da raça cabardino. Os pastores escoltam rebanhos de milhares de ovelhas de pastagem a pastagem. Além disso, podem ser vistos camelos selvagens, rebanhos de cavalos, rebanhos de antílope Saiga e alcateias de lobos da estepe. Os lobos podem ser caçados durante o ano todo, pois causam  prejuízos consideráveis às criações do local. Eles não oferecem riscos aos viajantes, pois as alcateias preferem manter-se afastadas das pessoas.

A montanha sagrada


Montanha sagrada Bogd ("Santa") Foto: GeoPhoto

A estepe de Astrakhan possui o seu grande mistério, a montanha sagrada Bogd ("Santa"), a única elevação na região de Astrakhan. De cor vermelha característica, é salpicada por numerosas grutas, fissuras e cumes. De acordo com uma antiga lenda, dois peregrinos budistas deixaram cair nesse lugar uma pedra da cordilheira Tian Shan que carregavam nos ombros, que se tornou para sempre um lugar de adoração para os budistas de todo o mundo.

A explicação científica para o surgimento da montanha Bogd em meio a muitos quilômetros de planícies sustenta-se no sal. A montanha é um monólito de sal-gema. Sendo mais leve do que os tipos de rochas que o recobrem, o sal lentamente sobe, empurrando para a superfície da terra as camadas mais antigas formadas há 250 milhões de anos.

“Mar morto”


Sal extremamente puro (99,8%) do lago, que já era extraído nesses lugares desde o tempo da Grande Rota da Seda, totaliza 80% da produção total de sal da Rússia Foto: GeoPhoto

A segunda palavra de difícil pronúncia no título da reserva está relacionada ao lago salgado Baskuntchak, situado no sopé da montanha. Os habitantes do local acreditam que certa vez Buda veio até a montanha Bogd para lá chorar pelos peregrinos que derrubaram a pedra sagrada. A partir de suas lágrimas, um lago se formou ali.

Atualmente, o sal extremamente puro (99,8%) do lago, que já era extraído nesses lugares desde o tempo da Grande Rota da Seda, totaliza 80% da produção total de sal da Rússia –são obtidas até 1,5 milhões de toneladas de sal por ano.

No século passado, o sal era carregado para outras regiões sobre camelos. Hoje, há uma ferrovia especialmente construída para o seu transporte.

Dicas

Para visitar as montanhas de Bogd e Baskuntchak é necessário obter permissão para entrar na zona de fronteira (entre Rússia e Cazaquistão). É extremamente difícil para os estrangeiros fazê-lo sozinhos e recomenda-se usar os serviços de agentes de viagens. O processo leva cerca de 2 meses. Por isso, planeje a sua visita à estepe com antecedência.

O sal de Baskuntchak tem propriedades medicinais. Pessoas vêm até aqui para nadar no lago e respirar o ar rico em bromo e “phitoncydes” (compostos orgânicos voláteis produzidos pelas plantas e que têm ação antimicrobiana).  A profundidade do depósito de sal no lago é de 6 km. Por suas propriedades de cura e pela capacidade de manter na superfície da água até mesmo os turistas mais bem nutridos, ele é chamado na Rússia de "Segundo mar Morto".

Área de testes de mísseis

No campo de testes  “Kapústin Iar” da estepe de Astrakhan foi realizado o primeiro teste de  míssil balístico na União Soviética. Na ocasião, foi testado o famoso míssil alemão V-2. Um pouco mais tarde, esse deserto viu lançamentos de satélites e explosões de bombas atômicas, muitos aviões e helicópteros que dispararam mísseis-bombas contra as suas planícies arenosas e experimentou o peso de centenas de veículos blindados sobre si. Não muito longe de “Kapústin Iar” está localizada a cidade secreta (área administrativa fechada) Znamensk (anteriormente chamada de Kapustin Iar-1). Os operadores turísticos locais propõem aos amantes de esportes radicais reservar uma excursão especial ao antigo campo de testes soviético .

O que trazer

As margens do rio Volga são lugares favoritos para os pescadores de todo o país. Lá se encontram peixes que são verdadeiros troféus: bagres, aspius, carpas e percas. Se você não conseguir pescar no rio Volga, com certeza vale a pena comprar  peixe fresco e defumado dos moradores locais.

A região também é famosa por suas melancias, cujo preço na temporada (entre agosto e setembro) cai para 4 rublos (cerca de US$ 0,12) por quilograma. Nesta época também é possível observar a floração do Lótus no delta do Volga.

Como chegar

Pode-se ir à Astrakhan ou Volgogrado de trem ou avião a partir de 5.000 rublos (cerca de US$ 152), de carro (1.400 km/970 km) ou realizando um cruzeiro de navio.

Dificilmente seria possível viajar pelas estepes a pé. Como há um milênio, você precisaria de um cavalo. Nas grandes cidades encontram-se postos de aluguel de carros. Você também pode se reunir a um grupo para fazer um tour.

Os pacotes turísticos para o sul da Rússia frequentemente ignoram as estepes de Astrakhan, mas há agências que oferecem a opção, como a SagaTours.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.