Por dentro do Bolshoi

Olga Ivanova
Além de ser uma das joias arquitetônicas do centro de Moscou, juntamente com a Praça Vermelha e o Kremlin, o Teatro Bolshoi oferece performances icônicas de balé e ópera. A Gazeta Russa percorreu os bastidores para acompanhar os ensaios intermináveis e os artistas por trás dos grandes espetáculos.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

O Teatro Bolshoi é uma das instituições culturais mais conhecidas do mundo e considerada uma “meca” para os amantes do balé. Por trás da pompa do edifício, porém, o cotidiano é bem puxado, com intermináveis ensaios e aulas de dança.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Os aspirantes sonham em se tornar uma prima ballerina como Maia Plissétskaia, ou um bailarino principal como Nikolai Tsiskaridze, e passar dias e noites no Bolshoi.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

O teatro está sempre à procura de futuros prodígios – tanto russos como estrangeiros.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Segundo a norte-americana Joy Womack, que estudou na Academia do Ballet do Bolshoi e agora é prima ballerina do Teatro de Ballet do Kremlin, “os russos têm um senso extremo de tradição e paixão” quando se trata dessa dança.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Para os alunos, o treinamento rigoroso ao qual são submetidos vale a pena.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Muitos começam a treinar em torno dos 9 anos de idade. Mas estúdios especiais também oferecem aulas de balé para crianças a partir dos 2 anos e meio.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Os alunos russos treinam mais pesado que os estrangeiros e, às vezes, são tratados de forma mais dura, segundo relatos à Gazeta Russa.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

O Teatro Bolshoi, que foi fundado em 1776, exibe tradicionalmente clássicos do balé, como “O Lago dos Cisnes” e “O Quebra-nozes”.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Além de adaptarem obras da literatura russa como “O Herói do Nosso Tempo”, de Mikhail Lermontov.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Produzir vestidos e figurinos para balé e ópera requer habilidades especiais e raras – assim como muito trabalho manual. É por isso que o Bolshoi tem seu próprio ateliê para produção das peças. O balé do Bolshoi conta também conta com o apoio de uma orquestra talentosa – a maior e a mais antiga da Rússia, com mais de 250 músicos.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Depois de sofrer uma lesão e passar por uma operação, Tsiskaridze, o ex-principal bailarino do Teatro Bolshoi, tornou-se instrutor da próxima geração de bailarinos.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

Um de seus alunos, Denis Rodkin, que hoje atua no Bolshoi, diz que Tsiskaridze “parecia tão rigoroso que pensou que não iria mais a suas aulas”.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

O balé é ensinado na Academia Estatal de Coreografia de Moscou, que é mais conhecida como a Academia de Ballet Bolshoi, e na Academia Vagánova de Ballet Russo. Muitos bailarinos que se formam nesses centro costumam, mais tarde, atuar em locais de prestígio, como o Bolshoi, ou o Teatro Mariinsky, em São Petersburgo.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

A recente reforma do Bolshoi, que transcorreu entre 2005 e 2011, incluiu não só as melhorias na acústica, como também a recriação dos arranjos imperiais originais.

(Foto: Olga Ivanova)(Foto: Olga Ivanova)

O edifício principal do Bolshoi foi projetado por Iossef Bove, figura essencial na reconstrução do centro histórico de Moscou após o grande incêndio de 1812. Desde sua inauguração, o teatro já exibiu todos os tipos de apresentações, sobretudo ópera.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.