Como a manipulação de fotos era usada para a propaganda soviética

Arthur Bondar
Os retoques iam muito além das razões estéticas.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Essas fotomontagens de eventos da Segunda Guerra Mundial representam um dos instrumentos mais comuns da propaganda soviética.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Preocupadas com a guerra e com o sustento do aparato militar, as autoridades russas viam a propaganda como um modo de diminuir a ansiedade do povo e aumentar o espírito de combate.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Nesse contexto, a propaganda atuava como um “terceiro front” para derrotar o inimigo, inspirando o exército e elogiando aliados.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Essas montagens fotográficas, que tinham de 15 centímetros a um metro de comprimento – é como realmente apareciam em jornais impressos.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Durante a guerra, ninguém conseguia chegar à linha de frente sem uma permissão especial por escrito. Sem a permissão, qualquer pessoa portando uma câmera poderia responder por acusações criminais.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

As imagens dos “sortudos” fotógrafos enviados para registrar a guerra sempre eram levadas para o Escritório de Informação Soviético, uma agência de notícias soviética que era responsável por cobrir eventos internacionais, desenvolvimentos militares e fatos do cotidiano.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Após passarem por uma rígida censura e manipulações, diferentes fotos eram compiladas juntas, como uma espécie de colcha de retalhos, e coloridas com tinta. Essa tarefa era chamada de “retoque artístico” e era feita por pessoas graduadas em arte.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

O próximo passo era tirar cópias e mandar as imagens manipuladas para impressão. As imagens publicadas nos jornais eram perfeitas, sem traços de manipulação.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Poucos exemplos dessa “arte” podem ser encontrados hoje. Com o colapso da União Soviética muitos jornais foram fechados e seus materiais perdidos ou descartados.

 / Arthur Bondar / Arthur Bondar

Felizmente, algumas montagens sobreviveram nas mãos de colecionadores individuais, e hoje dão uma ideia de como era fácil mudar o significado até mesmo das fotos mais verdadeiras.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.